Consórcio vai assumir sozinho iluminação em SP

Os serviços de manutenção e ampliação da rede de iluminação pública de São Paulo devem ser assumidos a partir de 2009 por um único consórcio, em um contrato estimado em R$ 110 milhões, por um período de 24 meses.

O edital para a concorrência dos seis lotes da capital será aberto em 30 dias, informou na terça-feira, 11, em audiência na Câmara Municipal, o secretário de Serviços, Dimas Ramalho.

O serviço de iluminação pública de São Paulo encabeça a lista de reclamações da Ouvidoria do Município desde 2001, quando o órgão foi criado. Em 2007, o serviço recebeu 7.408 reclamações, o que representa 33,24% do total de chamadas da Ouvidoria. Em 2006, foram 10.236 reclamações, ou 50,3% do total.

Esse novo modelo poderá ser “uma transição entre o modelo estatizado atual e a privatização” na administração dos 560 mil pontos de iluminação da capital, na avaliação de Walter Bellato, diretor do Departamento de Iluminação Pública (Ilume). “A sociedade vai decidir nesse período de transição o que ela quer, se volta o sistema totalmente estatizado ou se (os serviços) serão concedidos para a iniciativa privada”, afirma.

Contrato antigo

O contrato com o consórcio SP Luz, que vigorou entre junho de 2002 e junho deste ano somente para a manutenção da rede, foi prorrogado de forma emergencial nos últimos quatro meses.

No novo contrato, um único consórcio vai assumir, além da manutenção, a ampliação da rede e o serviço de atendimento ao cliente. Além disso, esse consórcio ficará responsável por montar o primeiro inventário sobre as condições dos pontos de iluminação. “Com esse georreferenciamento inédito, poderemos saber com antecedência e em tempo real qual ponto precisa de manutenção”, acrescenta o diretor do Ilume.

 Depois de empresas contestarem a concorrência por meio de ações judiciais, o primeiro edital para a contratação de um único consórcio foi suspenso no dia 24 de setembro pelo Tribunal de Contas do Município (TCM). “Já fizemos duas consultas públicas e estamos atendendo a todas as correções que o tribunal nos pediu”, argumentou o secretário de Serviços.

Críticas

Mas até vereadores da base governista e especialistas na área criticaram a concessão da iluminação para um único consórcio. “A cidade tem realidades regionais diferentes. O trabalho de manutenção no poste de Parelheiros é diferente do da Paulista. E corremos o risco de prejuízo ao erário público ao jogar na mão de um único grupo a iluminação inteira da capital”, criticou o vereador Milton Leite (DEM), aliado do prefeito Gilberto Kassab (DEM).

O Movimento Nossa São Paulo e a bancada do PT também fizeram críticas ao modelo. “Como o consórcio terá independência para receber as reclamações de um serviço que ele mesmo vai prestar?”, questionou Antonio Donato (PT).

“No futuro, com a população comparando o serviço nas diferentes regiões, o próprio processo licitatório seria beneficiado, com as empresas mais eficientes e criativas sendo indicadas para outras regiões, além daquelas em que fez um bom serviço”, afirma o economista do Nossa São Paulo Cícero Yagi, que defende a divisão de consórcios por região.

Para o advogado Luiz Tarcísio Teixeira Ferreira, especialista em Direito Público, a concorrência “facilita o direcionamento do processo”. “É uma forma oblíqua de diminuir a participação em licitações”, afirma. Segundo o advogado, caso seja admitida a escolha de um único consórcio para realizar o serviço, haverá prejuízo para a livre concorrência. “As maiores prejudicadas são as pequenas e as médias empresas.

Quando há esse tipo de consórcio, o negócio necessariamente fica entre uma pequena elite”, afirma Ferreira.

‘Desconfortável’

O diretor do Ilume disse ser “absolutamente desconfortável” a manutenção da rede por meio de contratos emergenciais e defendeu a junção dos serviços em um único contrato de concessão. “O consórcio que assumir vai ter de se adaptar à realidade de cada região”, argumentou Bellato.

Durante a campanha, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) adotou as críticas à iluminação da cidade nos principais ataques ao prefeito. “Foram críticas infundadas. Criamos mais de 17 mil pontos (de iluminação) só no ano passado. A iluminação em São Paulo melhorou em todos os quesitos nos últimos quatro anos”, completou Bellato.

Fonte: Portal Lumière

LEDCity: Para melhorar a qualidade de vida

O LEDCity é uma expansão das comunidades das cidades, dos governos e da indústria para trabalhar no sentido de avaliar, implementar e promover a tecnologia LED na iluminação em toda a gama das infra-estruturas municipais para:

Poupar energia
Proteger o meio ambiente
Reduzir custos de manutenção
Proporcionar uma melhor qualidade luz para melhor visibilidade e segurança

De acordo com os E.U. Departamento de Energia, 22% da eletricidade usada nos os E.U. são para iluminação. Em um mundo com a rápida subida dos preços da energia baseada na disponibilidade e controle de combustíveis fósseis, e com a crescente preocupação com a sustentabilidade do meio ambiente, a revolução na iluminação está muito atrasada.

 

Díodos emissores de luz, chamados LEDs, estão revolucionando a iluminação. Mudando para iluminação à base de LED podemos economizar de 40 a 70% da electricidade que uma cidade utiliza para determinadas aplicações, tais como iluminação garagens, estacionamentos, áreas ao ar livre públicas, ruas e iluminação portátil.

Além de ajudar a proteger o meio ambiente através da redução do consumo de electricidade, a iluminação LEDs, devido à sua longa vida útil, também reduz a quantidade de materiais em aterros (ou seja, lâmpadas). Além disso, LEDs, ao contrário de algumas tradicionais fontes de luz, não contêm mercúrio ou chumbo, metais perigosos à saúde e ao meio ambiente.

De acordo com o Departamento de Energia, nos próximos 20 anos a aprovação de iluminação LED nos os E.U. pode:

Reduzir os gastos com electricidade a partir de demandas de iluminação em 62%.
Eliminar 258 milhões de toneladas métricas de emissões de carbono.
Evitará a construção de 133 novas usinas. 
Gerar poupanças financeiras que poderiam ultrapassar US$ 280 bilhões.

Junte-se à Revolução LED Lighting, tornando-se um LED da cidade participante.

 

*Este programa é realizado nos EUA, porém, já passou da hora de termos aqui no Brasil algo assim.

Vale a pena a visita ao site (em inglês) pois tem bastante material e informações sobre o projeto.