Cine Teatro Ouro Verde – Londrina PR

Como já devem estar sabendo, infelizmente perdemos o nosso Teatro ouro verde no último domingo (12/02/2012) por causa de um incêndio.

Projetado pelo mestre Vilanova Artigas em 1948 e inaugurado em 1952. Estava prestes a completar 60 anos e para ser tombado pelo IPHAM como patrimônio Histórico. Já estava tombado pelo Governo Estadual. Iniciou suas atividades como cinema e depois foi sendo adaptado para receber teatro, dança e shows musicais. Estava passando por uma nova reforma ultimamente.

Infelizmente o que nos resta dele hoje é o que esta imagem abaixo mostra e nossas memórias.

O fogo queimou mais uma doce lembrança de minha vida em Londrina. É, o meu coração chora…“. (jornalista Regina Daefiol sobre o incêndio no Cine Teatro Ouro Verde).

Lembro-me das vezes em que me apresentei, cantei ou tocando, neste palco quando participava dos Festivais de Música de Londrina (FML). Lembro-me de minhas idas ao cinema em minha infância e juventude. Lembro-me das histórias contadas por minha mãe e tias sobre o Ouro Verde e tudo que rolava por ali na época de suas juventudes.

Como já escrevi aqui e aqui, sou neto e bisneto de colonizadores desta linda cidade do norte pioneiro do Estado do Paraná. Nasci aqui em dez/1970. Apesar de ter passado grande parte de minha vida fora desta terrinha, sempre expressei o meu orgulho em ser um “pé vermêio”, tanto que acebei voltando a morar aqui em 2003.

Assim, ofereci gratuitamente à Universidade Estadual de Londrina o projeto completo de lighting design para a reconstrução do nosso Cine Teatro Ouro Verde.

Protocolei hoje pela manhã um ofício para a Reitora Nádina formalizando este meu ato. Postarei a íntegra no post a seguir.

Mais que necessário ressaltar que consegui o apoio de alguns profissionais renomados na área de iluminação para esta minha proposta:

A mega iluminadora Jamile Tormann se dispôs a fazer o projeto de iluminação da caixa cênica gratuitamente.

O Maria Clara De Maio, editora da Revista Lume Arquitetura, ofereceu uma matéria na revista assim que o meu projeto e a reconstrução estejam concluídos.

Também recebi e-mails de apoio e como referências profissionais do Farlley Derze e do Oswaldo Perrnoud, dispondo-se a ajudar no que for preciso.

Agradeço também o contato da Srª Magali Kleber, da UEL, agradecendo a minha disposição em me doar para este projeto.

Agora é aguardar o andamento de tudo isso e formalizar os contatos com os responsáveis pela reconstrução do nosso cine Teatro Ouro Verde.

Chegando com muitas novidades – I – Iguape SP

Bom pessoal, cheguei ontem de minhas férias (virei sapo de tanta chuva) e tenho bastante novidades para vocês.

Vou posta-las divididas por assunto pois tem muita coisa legal, mas também muitos assuntos sérios que envolvem a nossa profissão.

Para começar então 2011 com o pé direito gostaria de compartilhar com vocês uma de minhas viagens: Iguape-SP.

Iguape é uma cidadezinha deliciosamente bucólica com uma arquitetura de cair o queixo pela beleza e importância histórica, tanto que é tombada como patrimônio histórico, cultural e paisagístico nacional.

Iguape localiza-se na Estação Ecológica Juréia-Itatins, daí a sua importância como patrimônio paisagístico.

Além das belezas naturais, possui atrativos culturais, históricos e religiosos. Fundada em 1538, encontrou no passado sustentação econômica nos ciclos do ouro e do arroz, período em que foram construídos os casarões coloniais, hoje tombados como patrimônio nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Oficialmente fundada em 3 de dezembro de 1538, data em que é comemorado o seu aniversário, Iguape era em 1577 a Freguesia de Nossa Senhora das Neves de Iguape, que se transformou em Vila em 1635. Em 3 de abril de 1849, a antiga Vila chega à categoria de cidade com o nome de Bom Jesus da Ribeira de Iguape, mudado para Bom Jesus de Iguape em 1850, e, mais tarde, simplificado para Iguape, atingindo em 30 de março de 1858 a categoria de Comarca.

Sucessivas pesquisas realizadas na região comprovam sinais de ocupação antes do contato com os europeus.Iguape possui um grande número de sítios arqueológicos. Hoje estão cadastrados cerca de 140 sítios, datados de milhares de anos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como podem ver, visitar Iguape é ter acesso a uma “baita” aula de história nacional.

Tem também a Igreja Matriz que leva anualmente milhares de romeiros a festejarem o Bom Jesus de Iguape, uma das mais antigas e tradicionais festas católica do Brasil.

É uma pena que as principais imagens originais tenham sido removidas para o Vaticano.

A igreja precisa de uma restauração urgente pois alguns pontos estão com sérios problemas e muitos afrescos, pinturas e estruturas estão sofrendo com infiltrações e corrosão.

O que eu realmente amei de paixão foi a edificação da imagem abaixo. Nela funcionou o Consulado Francês no Brasil. Uma pena que estava fechado e não pude entrar para fotografar.

Outro ponto que vale muito a pena em Iguape é a natureza e as belas praias. Além de Ilha Comprida, tem um lugarzinho chamado Barra da Ribeira que é simplesmente delicioso. Praia do jeito que eu gosto: vazia, limpa, sossegada.

E olhem que belezura essa casinha de frente pro mar:

Não dá vontade de ficar lá, e ficar, e ficar, e ficar… (?)

Bom, no meu perfil no facebook tem mais fotos de minhas férias e de Iguape. Espero que gostem e, principalmente, vão até lá para conhecer assim que possível. Vale a pena.

Para quem quiser conhecer mais sobre a cidade é só acessar o site da prefeitura.

Também tem este PDF disponível com a história completa da cidade e região que vale a pena ler.

*As partes em itálico do texto foram retiradas deste PDF.