HOME STUDIO – making of

Well, depois que postei as imagens do antes e depois do estúdio que montei aqui em casa, muitas pessoas me escreveram pedindo o making of do processo. Confesso que não me toquei de fotografar o passo a passo todo pois precisava fazer isso com urgência, o mais rápido possível. Então, as fotos são poucas. Mas vou descrever em detalhes o processo todo.

NECESSIDADE:

Bianco – foi solicitado que ele gravasse aulas para a especialização e o mestrado no qual leciona, além de ter que dar aulas ao vivo nos dois cursos.

Eu – preciso gravar vídeos, participar de reuniões e fazer lives no perfil o #ProjetoDIntBR.

Em resumo: precisamos de um espaço para realizar essas atividades.

PROBLEMA(S):

– A casa que estamos morando, aqui na chácara, carece de uma ampla – e cara – reforma. Foi construída pelo meu falecido sogro no final de sua vida e ficou fechada por mais de 5 anos. Viemos morar aqui ano passado, após não nos adaptarmos à vida na praia. Como a casa faz parte do inventário, decidimos não investir na reforma já que não temos certeza se ficaremos aqui ou não.

– São 4 quartos: suíte principal (maior) + 3 suítes (iguais ao desenho).

– Uma dessas suítes transformamos em nosso escritório provisório, onde montei esse espaço cenográfico. É, de certa forma, um cantinho morto (como podem verificar nos desenhos) onde tínhamos colocado uma cama de solteiro para visitas. Mas temos outra suíte para visitas.

– Toda a casa é pintada com caiada, o que dificulta muito a pintura com látex ou acrílica pois o pigmento da caiada mancha a tinta sobreposta.

– Não temos forro nesse espaço e o telhado é mal montado – muito vazamento e goteiras. Sempre que chove temos que cobrir tudo com plástico. Nesse cantinho (lado esquerdo da foto) não há goteiras.

– Pela não certeza de ficaremos aqui, juntamos algumas coisas que trouxemos de Londrina, outras do apto da praia e compramos algumas poucas coisas. O suficiente para morarmos com a estrutura necessária, com conforto e segurança. Com isso – e por não termos como prever a possibilidade dessa pandemia – fizemos algo bem simples, mas que agora mostrou-se insuficiente para atender às novas demandas já citadas anteriormente.

DEFINIÇÃO:

O primeiro passo foi definir o local onde seria montado o cenário.

Após isso comecei a procurar pela casa coisas que eu poderia utilizar, que tínhamos guardado no depósito.

Encontrei:

– 2 cavaletes de pinus

– Uma chapa de mdf

– 4 chapas de OSB

– 4 mãos-francesas

– Porta-retratos nossos

– Vasinhos

– Tinta para piso (para usar na varanda) e tinta acrílica (impossível, como já explicado anteriormente).

– Lustres (todos estão guardados) e lâmpadas.

– Luminária de piso (para fazer a luz de frente)

– Cadeira

IMPORTANTE>>>>> durante toda a busca por materiais, ficava imaginando a composição final sem ter definido o layout: como uma coisa encaixaria ou combinaria com as outras.

AMBIENTAÇÃO:

Passada essa fase, precisei analisar o espaço usando o celular para fazer imagens (tomadas gerais e focos) afim de identificar qual o melhor lugar para a bancada. Como tem a porta do banheiro que não dá para pintar (pois não tenho tinta a óleo para sobrepor), a melhor opção e colocar a bancada na parede oposta.

Definida a posição da bancada, passei a compor (na cabeça, sem desenhos) os outros elementos disponíveis pensando também na Ergonomia, segurança e estética e, principalmente, no posicionamento da câmera/celular.

Tudo ali é provisório: a bancada tem o tamanho suficiente para servir de apoio nas gravações; mãos francesas presas com 1 parafuso em cada; retratos com preguinhos; luminária amarrada na estrutura do provável futuro forro e ligada na tomada do banheiro. E não pintei o escritório todo afinal é apenas um cenário.

MONTAGEM:

– Pintura (foram necessárias 4 demãos bem fartas, pois o rosinha da caiada estava impregnando e manchando a tinta, mesmo escura)

– prateleiras (tá, eu arrumei a “torteza” dela)

– retratos

– luminária

– bancada

– cadeira

BANCADA:

Como podem ver na imagem, o tampo é pequeno.

E isso é proposital: isso evita a acumulação de um volume de materiais sobre a mesma. Outro fator é facilitar o posicionamento da câmera/celular em um tripé e a iluminação frontal, à sua frente.

Não importa que o tampo seja menor que os cavaletes – isso não vai aparecer nos vídeos!

RESULTADO:

Um espaço simples, com a nossa cara, de fácil – e seguro – uso e manutenção, montado por mim em aproximadamente 3 horas. Isso é o que vocês irão ver em nossos vídeos:

Agora, é só arrumar uma internet decente e começar a fazer as gravações!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.