Você é designer mesmo? Tem certeza disso?

Resolvi escrever melhor sobre este assunto aqui em meu blog por causa de algumas mensagens privadas e comentários que recebi nas postagens em meu Facebook e Instagram por causa desta imagem que postei (não sei a autoria).

Confesso que, me assustou o desconhecimento e a leviandade de muitos. De outros profissionais até dá para entender a falta de noção e/ou desconhecimento.

Mas de DInts, é IMPERDOÁVEL.

Não vou me aprofundar, detalhar ou dar aula de graça sobre estes assuntos. Vou apenas lançar alertas sobre coisas que vem me incomodando faz tempo nas redes sociais.

Bom, vamos lá.

Quando projetamos um determinado espaço, enquanto designers de interiores/ambientes, devemos pensar no uso que será feito do mesmo por todos os usuários, especialmente quando falamos de espaços comerciais, institucionais e de serviços. Neste texto apresentarei questões relacionadas às práxis projetuais do Design – raiz de nossa especialidade. Algumas conhecidas pelos DInts, outras nem tanto – deixando clara falhas na formação acadêmica pela maioria das escolas que precisam ser estancadas com urgência urgentíssima (mas isso é assunto para outro texto sobre perfil mínimo necessário dos professores de DInt que escreverei ainda este mês).

É bastante comum ouvirmos falar em programa de necessidades e briefing – favor ignorar os achismos (Morin) daqueles que afirmam que estas duas ferramentas são a mesma coisa pois não são. Programa de necessidades é uma ferramenta QUANTITATIVA. Briefing é QUALITATIVA. São complementares e em alguns aspectos parecidos, mas não a mesma coisa. Ressalte-se que, parecido não é o mesmo que igual (Google it!).

Além do briefing e do programa de necessidades, os designers trabalham com outras ferramentas/abordagens específicas da área. E somente através da correta aplicação destas e da análise atenta dos dados das mesmas é que temos condições de entender a dimensão do(s) problema(s) relacionados à estrutura e uso dos espaços projetados. Em suma, parafraseando Paul Rand, “Design de Interiores é uma disciplina que soluciona os problemas existentes na interface “usuários <> espaços” ocupados”.

Para começar, nenhum projeto pode ser considerado como Design se não atende à todos os 3 eixos da Ergonomia (pilar da profissão). Não se trata apenas de dimensionamento e, tampouco de acessibilidade/mobilidade. Estes são apenas recortes pequenos dentro desta ciência, típicos daqueles reducionistas que – mais uma vez – “acham” que sabem do que estão falando. Se, durante o levantamento do briefing e do programa de necessidades não é realizado o correto levantamento ergonômico – do espaço e dos usuários – o projeto certamente terá erros. E erros ou problemas ergonômicos, nem o(a) melhor PHD em Estética do universo consegue esconder. Eles afloram no decorrer do uso dos espaços. E, após o levantamento, assim como os anteriores, deve-se atentar para a correta e atenta análise de todos os dados coletados aplicando os resultados no projeto.

Mas não para por aqui. Creio que já deu para perceber que cada abordagem tem uma finalidade específica. Como estamos trabalhando (no exemplo deste texto) com espaços comerciais, institucionais e de serviços, existem outras abordagens que devem ser realizadas afim de entender a complexidade do “negócio” bem como, dos usuários fixos e visitantes.

O Design de Serviços é uma ferramenta utilizada para conhecer e entender todo o funcionamento, logística e qualidade de uma empresa – pública ou privada – que oferece algum serviço material ou imaterial ao público. Desde questões internas (logística, layout, funcionários, etc) às externas (experiência e reação do público, mídia, etc), esta ferramenta busca identificar os elementos positivos e negativos, muito além da estética e ergonomia. O Design de Serviços adentra no cotidiano do empreendimento para entender o seu funcionamento de uma forma ampla, atento a detalhes. Especialmente, às respostas dos clientes sobre o todo oferecido pela empresa.

E sim! Tem muita coisa do dia a dia da empresa que se o designer não detectar e corrigir, de nada vai adiantar fazer o proprietário gastar fortunas. Se o serviço é ruim, nem mesmo centenas de milhares de reais irão garantir a sobrevivência. Dois exemplos simples:

– Atendimento inicial (recepcionista/telefonista) que sempre está com a cara/voz trancada, brava, trata os clientes de forma seca. Isso só afasta os clientes, por mais belo que seja o espaço ou a qualidade dos produtos/serviços oferecidos.

– Localização (e seus complicadores). Também não adianta gastar fortunas em uma obra mal localizada, distante, em um bairro não seguro, sem estacionamento, sem segurança. A insegurança e desconforto (ansiedade) dos clientes os afastarão do local.

E sim! Isso é trabalho do designer de interiores. Partindo da premissa de que Design é investimento, de que adianta investir em algo fadado a quebrar por causa de um serviço ruim?

O Design Thinking aparece para acolher, agrupar, analisar, compreender todos os dados coletados para identificar corretamente os problemas e propor soluções para os mesmos. Por exemplo, a dona da casa pode ter a impressão que sua sala é “feia” e o contrata para deixa-la com cara de revista. Porém, ao passar por todos estes filtros percebe-se que o problema real era apenas a falta de organização, ou um layout nada atrativo, entre outras respostas inesperadas.

Devemos nos atentar, especialmente, à correta análise de todo o escopo do projeto através do Design Thinking e do Design de Serviços. Caso estas ferramentas (abordagens) do Design não sejam aplicadas ou aplicadas de forma incorreta, os projetos correm o risco de serem finalizados com erros diversos.

Por isso o BRIEFING jamais deve ser tratado apenas como uma conversa inicial e algumas outras trocas de informações com o cliente. Ele deve ser COMPLETO e COMPLEXO, abrangendo todas as possibilidades relacionadas ao projeto.

Se não há análise através das abordagens específicas do Design, não é Design de Interiores e sim, apenas Decoração.

 

Revista Intramuros – 2ª Edição, 2019.

Acaba de sair do forno a 2ª Edição da Revista Intramuros. Para quem não sabe, esta é a única revista acadêmica específica em Design de Interiores no Brasil, escrita por designers de interiores.

Na primeira edição da revista, resolvi não enviar nenhum material para ser publicado. Tinha sim artigos e ensaios para encaminhar mas preferi não. Já haviam me questionado nas redes sociais se “coordenadores acadêmicos tinham vantagem na seleção”. Para evitar falatórios, não encaminhei nada.

Nessa 2ª edição da #RevistaIntramuros, publicação acadêmica da ABD, fiz questão de participar. E, para infelicidade dos maldosos, saibam que tive que passar pelo mesmo crivo que todos os outros no processo de seleção. Aliás, creio que até mais puxado exatamente por ser Coordenador Acadêmico da Regional PR da ABD.

Mandei 4 – 2 artigos completos e 2 ensaios. Os 4 foram aprovados mas resolvi escolher apenas 2.

Um artigo e um ensaio:

Artigo:
A AUSÊNCIA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL AUTÔNOMA E PLENA NO DESIGN DE INTERIORES: Os reflexos no ensino, na pesquisa, no mercado e a identificação de sua origem.
Resumo: Considerando como objetivo deste estudo evidenciar os entraves e as possibilidades para o resgate e o fortalecimento da identidade do profissional designer de interiores e ambientes, os fundamentos teórico-práticos pertinentes necessários para o pleno exercício profissional relacionado com a construção da identidade do designer de interiores de forma autônoma, este artigo faz uma análise da atual situação relacionada à percepção social reduzida e a auto identificação dos profissionais da profissão Designer de Interiores e Ambientes. Busca-se portanto, através de levantamento bibliográfico e documentos oficiais, identificar onde estão e quais são os problemas geradores de distorções que atingem – e prejudicam – a área e propõe, por fim, um modelo para superar tais dificuldades.

Ensaio:
DIREITOS AUTORAIS NO BRASIL: O erro conceitual os abusos sobre o que não é de direito real e que atrapalham o pleno exercício profissional do designer de interiores.
Resumo: Este ensaio traz uma reflexão sobre a questão dos Direitos Autorais no Brasil – em especial quando relacionados à Arquitetura – demonstrando, através de exemplos e dados, como a prática atual fere princípios constitucionais, os direitos dos consumidores e da liberdade e autonomia de outros profissionais quando o objeto base dos projetos é arquitetônico. Seja como for, faz-se necessário uma urgente revisão dos dispositivos que legalizam atos claramente corporativistas, protecionistas e que beneficiam apenas aos arquitetos através de uma reserva de marcado criminosa e ilegal, prejudicando toda a sociedade em sua liberdade de escolha e direito patrimonial e profissional.

Obrigado ABD por esse grande serviço em prol da academia brasileira de #DesignDeInteriores!!!

É uma honra fazer parte dessa história!!!

Para ler meus trabalhos e os outros selecionados, acesse o link: http://abd.org.br/revista-intramuros

Ergonomia?

Se tem uma coisa que me tira do sério, é a quantidade de posts nas redes sociais com imagens como a acima (tirada de Neuffert). Poucos são os que tem a capacidade de real de escrever sobre o tema. Minha vontade é de entrar e comentar algo, mas prefiro me calar e prefiro escrever aqui em meu blog para evitar gente melindrosa que certamente se sentirá ofendidinha ao invés de repensar seu “conhecimento” e rever suas postagens carregadas de baboseiras.

Quando postados por DInts, deixam claro que sua formação nessa disciplina foi superficial, certamente ofertada por alguém não especializado na ciência, tampouco formado(a) em Design. Provavelmente daquele tipo de “professor(a)” que não está ali para ensinar e sim, apenas pra ganhar uns trocados afim de pagar suas contas no final do mês. Ou seja, está ocupando uma vaga, atrapalhando e atrasando o ensino em nossos cursos.

Já nos posts de arquitetos (a maioria, diga-se de passagem), resta evidente que nem de longe margeiam o real significado da Ergonomia.

Pior é que vejo tais postagens sendo republicadas e/ou compartilhadas freneticamente por outros estudantes e profissionais.

Para quem não prestou atenção nem na capa do livro, isso se trata APENAS de dimensionamento. E, mesmo assim, não é aplicável a qualquer (ou todos) os usuários uma vez que temos biotipos diversos dentro de um mesmo núcleo familiar. Quiçá dentro de uma empresa… isso é apenas um pequeno conteúdo (recorte) dentro da Ergonomia.

No Brasil, décadas atrás, diversos grupos acadêmicos se uniram para fazer um levantamento na tentativa de definir as medidas padrão de nossa população de acordo visando ajustar Neuffert à nossa realidade bem como, outros aspectos da Ergonomia. Foram centenas de pesquisadores trabalhando e outros milhares de voluntários servindo de modelo. Mas simplesmente desistiram. Nossa mistura de raças é tão grande que não há um padrão de biotipo – ou dimensional – que atenda às necessidades de todos. Por fim, a indicação que ficou pode ser resumida da seguinte forma: observe atentamente as características INDIVIDUAIS antes de projetar. E projete de maneira a atender as necessidades ergonômicas de TODOS.

Vejo isso em minha própria família:

Eu, 1,82m;

Meu pai, 1,78m;

Minha mãe, 1,60m;

Minha irmã, 1,65m.

Além das diferentes alturas, existem as questões de extensões de membros superiores e inferiores que também variam bastante. Também, acuidade visual, auditiva, alergias, tons e sensibilidade de peles, etecéteras. Somos uma mistura de italianos, portugueses, espanhóis e índios(!) que vem de, ao menos 4 gerações se misturando. Dê uma espiada no Google sobre as características físicas destes povos. Agora tente imaginar cruzar tudo isso e os possíveis resultados.

Dê uma analisada de leve em sua família e perceba se não estou escrevendo uma verdade. Faça uma listinha com cada integrante e anote as características de cada um.

Logo, as medidas “padrão” demonstradas por Neuffert servem apenas – e tão somente – de base para os projetos e não para serem levadas ao pé da letra como muitos pregam em seus posts – e em sala de aulas.

Lamentavelmente, percebo que nas aulas de Ergonomia, em muitos cursos de DInt, ainda é pregada a questão da “distância mínima” entre sofá/mesa de centro, cadeira/mesa/parede, altura de bancadas e similares, reduzindo de forma absurda a disciplina mais importante de nossa profissão. Por acaso seus professores de Ergonomia e de iluminação alguma vez falaram sobre aspectos ergonômicos da luz? DUVIDO!

Longe de desmerecer os decoradores, mas essa preocupação é a deles que trabalham de forma mais superficial/visual os espaços. Nós, designers, não ficamos na superfície e temos o dever de mergulhar fundo nos problemas dos espaços. E este mergulho começa pela análise ergonômica completa.

O(a) de Ergonomia provavelmente ficou nessa brincadeira e o(a) de iluminação certamente se prendeu na NBR e na estética. Escrevo isso baseado na quantidade de curtidas e pelo conteúdo – se é assim que posso chamar – dos comentários nesse tipo de post.

Se serve de alerta, evite compartilhar esse tipo de postagem. Assim você estará ajudando a não disseminar desinformação.

Quer aprender realmente sobre a área? Leia livros, faça cursos, siga perfis de ergonomistas (profissionais e empresas) e, principalmente, de grupos de pesquisa e estudos sobre o assunto. Também, leia artigos sobre Ergonomia.

Menos desinformação.

Mais informação e conhecimento por favor!

Revista Intramuros – ANO 02 – N°02 – JAN|19

Bastante aguardada pelo meio acadêmico, vem aí a segunda edição da Revista Intramuros, uma publicação do ABD Acadêmico.

A segunda edição da revista está em processo de finalização da edição e a previsão é que saia até o dia 31/01/2019.

Destaco que a Revista Intramuros é disponibilizada gratuitamente no formato digital através do site da ABD, na aba ABD Acadêmico.

Desta vez, entrei com 2 materiais que serão publicados:

  • Um artigo bastante sério e necessário sobre a nossa profissão;
  • Um ensaio, também importante e necessário, conclamando a todos para iniciar o debate sobre o assunto abordado e que tanto nos afeta profissionalmente.

Não posso revelar os conteúdos ainda por questões óbvias.

Aguardando ansioso a publicação.