LD – Luz dinâmica

Um assunto bastante interessante e que infelizmente ainda não é utilizado aqui pelo Brasil salvo pouquíssimas excessões: a luz dinâmica.

Mas o que vem a ser essa tal de “luz dinâmica”?

De uma forma simples e rápida é a luz não estática.

Entende-se por luz estática aquela que estamos acostumados a usar nos projetos, que utilizam luminárias “normais” como spots embutidos ou nao, pendentes, arandelas, projetores, etc.

Já a luz dinâmica pode-se dizer que nasceu da iluminação cênica pura, especialmente a de shows musicais e boates.

Ela pode ser “fixa”: sofrendo alteração de cores (RGB e filtros), texturas ou imagens (através de gobos e filtros) sobre a superfície iluminada.

Mas ela também pode ser “móvel” utilizando-se de equipamentos específicos.

O vídeo a seguir mostra uma bela apresentação de efeitos para boates e eventos:

Toda esta movimentação, cores e texturas projetadas podem ser aproveitadas num projeto de LD voltado para a arquitetura ou Design de Interiores/Ambientes.

Observe neste vídeo uma fantástica aplicação para o espaço urbano:

Bom né? Pois observe este outro vídeo do mesmo grupo com outras idéias geniais:

Olha só o que este grupo de estudantes de design aprontaram:

Curti muito especialmente a parte de projeções de sombras dos transeuntes. Vivemos em cidades violentas, estressantes e este tipo de produção certamente pode ajudar a contrapor isso. Lembro-me de uma oficina que ministrei em Curitiba para professores da rede estadual de educação, na disciplina de educação Artística, e que mostrei a eles como é fácil brincar com o teatro de sombras nas escolas usando um retroprojetor e um lençol. Professores com 40, 50,60 anos viraram crianças ao brincar com suas proprias sombras. E é isso que a população necessita nas cidades.

Já postei este vídeo aqui num outro tópico mas vale a pena mostra-lo de novo pela beleza da instalação:

Agora, misturando LD com um painel cinético, diga que isso não caberia perfeitamente dentro de um shopping, uma boate ou até mesmo dentro de uma residência ou loja, guardadas as devidas proporções?

Outra boa forma de aplicação da luz dinâmica é com a aplicação de paineis fixos em LED que promovem maravilhosas alterações do espaço e o melhor de tudo: são programáveis. Sei que ainda são equipamentos caros, porém a beleza que estes trazem para os ambientes é incrível. Observe este vídeo de instalação e teste de um destes painéis:

Observem como a simples aplicação de um sistema RGB pode mudar muito o visual urbano, seu skyline:

Aqui no próximo, a aplicação em um objeto que pode ser, tranquilamente, uma mesa de centro ou apoio numa loja ou numa residência de um cliente mais descolado:

Ou também numa instalação parietal como estas de um estande da Flos e de algumas outras imagens que tenho aqui em meu PC, que eu acho geniais pela aplicação destes diversos recursos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Finalizando, para quem acha que os LEDs ainda são ineficientes para iluminação de grandes áreas, dê uma olhadinha neste próximo vídeo. Observem que em alguns momentos aperecem aplicações, por vezes simples, mas que fazem muita diferença:

Então, dá para encarar? Dá para pensar em como aplicar estas soluções em nossos projetos?

Arquitetura em Dubai

 Burj al Arab

 Haha Hadid Architecture Center

 Dubai Oman

 Dymanic Tower

Jumeirah Palm

Palm Trump Hotel

Dubai é a maior cidade e emirado dos Emirados Árabes Unidos. É a capital do emirado de mesmo nome. Tem cerca de 1.570.000 habitantes. Pertenceu a Abu Dhabi até 1833. Diz-se que Dubai possui 30% dos guindastes de construção do mundo. O petróleo representa apenas 3% da economia e o turismo 33%. Crescimento do PIB em torno de 19% (mais que o dobro da China). Para quem sabe admirar e reconhecer a boa arquitetura. Dubai cidade dos Emirados Árabes, pretende mesmo ser um ícone mundial por ser uma cidade jovem e com uma arquitetura moderna. O Dubai pode exercer todas as suas ambições de grandeza ao longo de sua costa, cujas vistas aéreas impressionam por parecer uma cidade virtual, tamanha tecnologia e perfeição das suas construções. A ousadia e autenticidade fazem da arquitetura uma obra de arte.

sugado: 4DECOR

Skyline

Dias atras estava conversando com um amigo sobre a elaboração de um evento. A conversa estava animada, divertida, com vários surtos criativos e idéias até que percebemos que para isso tudo acontecer necessitaríamos de um elemento básico: o skyline da cidade.

Este é um dos principais elementos de eventos deste tipo. Parei o carro numa região alta da cidade e, já ao entardecer, percebemos que, apesar de Londrina ser uma bela cidade, ter um skyline interessante, faltam elementos de destaque e tudo é muito chapado, quadradinho, parecido. Se olharmos atentamente e desconsiderarmos as cores das edificações, tudo é muito igual.

Pensamos então em outra cidade: Maringá. Lá existe aquela maravilhosa catedral em forma de nave espacial, existem também dois prédios que se destacam facilmente no skyline, e só…

Vamos a Curitiba então? Infelizmente esta verdade se faz presente até mesmo na “cidade modelo”. Lembro-me de quando morei lá que, ao voltar da faculdade ou do trabalho sempre tinha à minha frente o skyline central. E também é a mesma coisa: quadradinhos, retinhos, iguaizinhos…

Voltando a Londrina começamos a pensar na cidade e esquecemos do projeto. O que acontece? Até mesmo os mega lançamentos são todos, iguais, tem a mesma casca, é quadradinho, caixotinho, sem graça.

Para piorar, o skyline noturno é triste. Tirando as luzes das janelas, não se vê um projeto de Light Design que faça com que o empreendimento se destaque na paisagem urbana. A única coisa que vemos são os esqueletos fantasmagóricos refletidos na sobra da iluminação pública (péssima por sinal).

Por falar em iluminação pública, nem mesmo os parques, praças, monumentos e árvores recebem uma iluminação de destaque e acabam transformando-se em áreas de risco, tráfico e prostituição.

O que acontece?

O que passa na cabeça de quem faz este tipo de projeto?

Será que falta “o dedo e o olho” de um Designer?

Será que a capacidade criativa secou?

Será que isso é algum tipo de LEI imposta por alguma associação ou órgão que diz que TEM DE SER ASSIM, CAIXOTINHO, QUADRADINHO E SEM GRAÇA?

Aí resolvemos ir até o estacionamento do Shopping Catuaí onde temos uma bela visão da área dos condomínios horizontais da cidade. Crentes de que encontraríamos referências na paisagem noturna, nos decepcionamos. Novamente apenas luzes vindas das janelas e aquelas das ruas.

No outro dia tivemos de ir novamente ao shopping comprar alguns materiais e, novamente nos aproximamos do beiral que nos favorece esta visão privilegiada. Mas novamente a decepção foi enorme.

Até mesmo dentro dos condomínios de residências – que são individuais, cada um faz a sua como quer e pode – percebemos a tímida (pra não dizer nula) exposição de criatividade projetual. Isso tudo sem falar naqueles bem comerciais mesmo onde um mesmo projeto é reproduzido quantas vezes couber dentro do terreno.

O que parece é que nada se cria, tudo se copia, realmente.

A impressão é que os únicos pontos que valem uma pirada ao aplicar uma pitada de Design são as entradas e salões das áreas comuns.

Comecei a dar uma olhada geral no país e tristemente constatei que a criatividade realmente anda em baixa na arquitetura brasileira. O que vemos são projetos isolados, feitos por algum maluco que ousou romper o código de enfeiamento urbanistico vigente e que, por isso mesmo, não foi seguido pelos outros profissionais.

Quando vemos algo de inusitado, criativo, legal mesmo, geralmente este se encontra afogado, imerso num paredão de concreto sem graça, quadradinho, caixotinho… Logo, desaparece. Por algum tempo o projeto é festejado, elogiado, ganha prêmios, destaque e projeção e pensamos: dessa vez vai mudar algo.

Ledo engano…

Em São Paulo começamos a perceber algumas alterações neste sentido, especialmente às margens do rio Pinheiros e na região da Av. Berrini onde algumas construções estão saindo fora deste padrão.

Porém, ainda estamos longe de ter um skyline interessante como os de várias cidades estrangeiras.

Quem sabe um dia…

Quem sabe um dia numa outra geração…