¿CUANTO SABEMOS DEL ARTE-CIENCIA DE ILUMINAR?

Por Carlos Laszlo*

 

En este día Mundial del Arte, 15 de abril, declarado por la por la Asociación Internacional del Arte (IAA) en homenaje al nacimiento de Leonardo Da Vinci, he querido contribuir con algunos comentarios sobre nuestro arte/ciencia de iluminar.

En este año internacional de la luz, nos hemos preguntado

¿CUANTO SABEMOS DEL ARTE-CIENCIA DE ILUMINAR?

Yo diría que lamentablemente poco, muy poco!

Antes de entrar en esta nota, quisiera detenerme en el título de la misma, que no es sino una síntesis de la magnífica frase/definición perteneciente al innovador diseñador de iluminación norteamenricano Gerry Zekowski que ha recorrido el mundo entero como una de las definiciones más exactas de esta disciplina:

“La ciencia de iluminar es un arte y el arte de iluminar es una ciencia”

Esta simple frase encierra en sí lo que “debemos saber” de lo que significa “iluminar”, y para comprender su real mensaje, debemos desmenuzarla cuidadosamente.

En primer lugar, debemos admitir que “la ciencia de iluminar” corresponde a lo que yo llamo el luminotécnico, y “el arte de iluminar” al diseñador de iluminación. Esto en sí no es un descubrimiento que me pertenezca, ya que en USA existe el Lighting Engineering y el Lighting Designer. También en Francia se distingue entre el Éclairagiste y el Concepteur Lumière.

En nuestro país, se nos conoce como Luminotécnicos (por todo concepto,) ya que el mercado en general no da como para contemplar las dos especialidades. Pero…estamos a la altura de tal calificación?

Veamos; siendo que el luminotécnico debe abarcar dichas dos especialidades, es obvio que DEBE dominar ambas. Y aquí es donde debemos comenzar a analizar la intención del título de esta nota: “Cuanto sabemos del arte/ciencia de iluminar?

Por un lado: normas, reglas, fórmulas, niveles de iluminación, uniformidad de iluminación, deslumbramiento, etc. Por el otro la concepción de los espacios según las diversas corrientes, dominio del color, la textura, y todo lo relacionado con el aspecto estético y artístico.

No faltará quien traiga al tapete el lamento del inefable maestro y magnífico diseñador de iluminación Howard Barandston, quien en su libro “learning to see”, (aprendiendo a ver) señala que “las reglas son un substituto del pensar; los códigos y normas suelen interferir en nuestra idea del diseño”.

Por supuesto que no soy quien para discutir con el Sr. Brandston, pero admitamos que cuando él iluminó Las Petronas o La Estatua de la Libertad, las normas y reglas no tenían cabida; lo importante era lograr el magnífico efecto que él ha logrado en esas emblemáticas obras.

Ahora bien, veamos una situación totalmente diferente, una de las más comunes en nuestros días. Un arquitecto debe iluminar un edificio de oficinas, para la cual ha elegido los modernos escritorios negros. Las normas (que SÍ hay que respetar so pena de sanción) nos exigen una iluminancia media de 500 lux en servicio en el plano de trabajo de una oficina. Eso quiere decir mantenidos a lo largo del tiempo según el plan de mantenimiento de la instalación. (¡?)

Para mantener ese valor de iluminancia en el tiempo, tendremos que considerar una reserva; (factor de mantenimiento o conservación) generalmente 0.8. (aunque debería ser mayor de acuerdo al tipo de luminaria!) Para que el nivel medio de iluminancia sea de 500 lux, seguramente habrá puntos de 600 o 650 lux; (para lograr el promedio total en el local:G1; E= Em/Emin = 2 : 1 máximo ) además, para que estos niveles lleguen al valor establecido a lo largo del tiempo estipulado y considerando un factor de mantenimiento de 0.8, esos 650 lux serán inicialmente unos 800 lux!

Hasta aquí todo bien, aunque un tanto exagerada la iluminancia media inicial!. (pero normas son normas!) Ahora ha llegado el momento de la inauguración del edificio y la oficina se puebla de personas que ocupan sus escritorios. Acto seguido, a trabajar!

Como en el colegio, saquen una hoja! Y la hoja blanco níveo aparece sobre el escritorio negro. Para esta situación, la norma dice que la relación de “luminancias” (sabíamos que es y para qué sirve la “Luminancia”?) entre el foco de trabajo y el entorno inmediato no debe superar una relación de 3 : 1; donde el papel blanco es nuestro foco de trabajo y el escritorio el entorno inmediato.

Supongamos que tuvimos la desgracia de que nuestro escritorio se encuentre justo bajo el punto de 800 Lux. Ahora tendremos que calcular ambas luminancias (papel blanco/escritorio negro) para lograr la relación que exige la norma. Si somos generosos y suponemos al escritorio negro como con cierto brillo, nuestra luminancia podrá ser de L= 20cd/m2 (sabíamos lo de L= cd/m2?)) mientras que el papel blanco tendrá unas 200cd/m2. Esto nos indica que nuestra relación de luminancias será de 10 : 1!!! ó sea, más de 3 veces lo admitido por las normas.

Vale señalar, que esto no solo NO cumple con las normas, sino que origina un serio perjuicio fisiológico afectando nuestra vista, la que continuamente salta del papel al escritorio y viceversa inconscientemente, obligando a la pupila a dilatarse al máximo y contraerse al máximo infinidad de veces al día, a veces en fracciones de segundo!

Esto es solo un ejemplo de los muchos elementos que se deben sopesar al realizar un proyecto, como lo son además y entre otros: el deslumbramiento fisiológico, deslumbramiento psicológico, luminancia de paredes y techos y en las nuevas tendencias que apuntan a potenciar el bienestar del personal, considerando entre otras cosas la Exitancia o Emitancia (Sabíamos que es esto?) de estas superficies, etc.

Todos estos estudio requieren fundamentalmente de una correcta elección de la luminaria, lo cual nos exigirá los necesarios conocimientos sobre óptica y fotometría, interpretación de una curva de distribución luminosa polar u ortogonal, coeficientes de utilización y su origen, etc. Ni que decir si la obra apunta a alguna certificación LEED!!!

Cuando todas estas premisas se hayan cumplido, recién podremos encarar libremente nuestras ideas acerca del Diseño de Iluminación, en el cual también habrá componentes luminotécnicos como la temperatura del color y la reproducción cromática (¿?) entre otras.

Luego de este breve análisis, que obviamente debería ser mucho más extenso y profundo, vuelve como un bumerang el epígrafe de esta nota:

REALMENTE:…¿CUANTO SABEMOS DEL ARTE-CIENCIA DE ILUMINAR?

Algunas consideraciones al margen:

He tenido alumnos que luego de “asistir” a uno de mis cursos básicos que abarca desde las magnitudes y unidades de la luminotecnia hasta la iluminación de paisajismo, todo en tan solo 18 capítulos en 6 clases de 2 horas cada una, han emitido tarjetas profesionales auto titulándose Diseñador de Iluminación o más aún, Lighting Designer! Yo me pregunto: no es un tanto aventurado? Puede un curso de 12 horas preparar a un individuo sin conocimientos previos para afrontar con idoneidad todas las dificultades que ofrece un diseño de iluminación? Para tener una idea más cabal, solamente mi curso sobre el manejo del Software de Cálculo de Iluminación (herramienta imprescindible para el diseño y cálculo de iluminación) insume al menos 12 horas reloj, y a veces algo más! Todo esto no solo atenta contra el bolsillo del cliente sino que lo hace contra los especialistas realmente avezados y con décadas de preparación y experiencia y en definitiva porqué no, contra si mismos!

Para los Arquitectos y Diseñadores de Interiores, quienes darán un carácter definitivo a cada ambiente valiéndose en gran parte de la iluminación, el consejo es: si queremos lograr algo distinto y especial en materia de iluminación, se debe atacar esta disciplina desde el mismísimo comienzo del proyecto. Cuando los plenos de los cielorrasos se encuentren abarrotados de conductos de aire acondicionado, agua, etc., el diseñador de iluminación se verá seriamente comprometido por tales elementos impidiendo muchas veces diseñar una garganta en el cielorraso, o rajas iluminadas, o bien una determinada distribución de las luminarias; en fin, su trabajo se verá limitado y supeditado al resto de los servicios que integran una obra.

Carlos* CARLOS LASZLO é diretor na Carlos Laszlo Lighting Design & Assoc – Consultora Luminotécnica. Possui mais de 40 anos de experiência em projetos de Iluminação. Para saber mais clique aqui.

Lacombeando ou livrando-se das gaiola

Revista Lume Arquitetura
Coluna Luz e Design em Foco
Ed. n° 71 – 2014
“Lacombeando ou livrando-se das gaiola”
By Paulo Oliveira

71

Nada evolui engaiolado. Abra um livro e sua cabeça. Liberte suas ideias. Deixe o mundo entrar.” (Gustavo Lacombe, jovem escritor carioca)

Por que uma coluna sobre LD começar com esse tipo de reflexão? Simples: os conflitos relativos aos direitos de diversas categorias profissionais são criados e alimentados por pessoas egocêntricas e engaioladas. Egos incapazes de olhar as relações de mercado, o mundo além de seus umbigos. Lembra muito a questão da Caverna, de Platão.

Nota-se que as tentativas de argumentação utilizadas por esses, sobre quem pode ou não iluminar a arquitetura, vem de pensamentos engaiolados. Vitruvius embasou muito bem a área. Porém, a humanidade evoluiu, as tecnologias evoluíram, a urbe e a moradia não são mais como naquela época, as necessidades mudaram e tornaram-se mais complexas; a sociedade é outra, mas o pensamento desses não, continua engaiolado lá na época de Vitruvius.

“Fiat Lux!” diz a Bíblia. Oras, se assim ocorreu mesmo, é uma prova de que Deus, antes de tudo, foi um físico. E depois, as diferentes matérias que criaram o Universo também não são arquitetura. Está mais para paisagismo pleno, pois lida com estruturas físicas, químicas, geológicas, biológicas, entre outras, antes que possamos perceber qualquer lastro de fundamento arquitetônico na sua criação.

“Tudo é Arquitetura e tudo depende dela”, afirmam alguns. Mas reagem raivosamente contra a aplicação de uma prova no estilo OAB.

Porém, a verdade é que nem tudo depende da arquitetura, assim como a arquitetura não é capaz de tudo. Nem tudo o arquiteto pode fazer, assim como existem profissionais de outras áreas que podem.

Sinceramente, o resultado prático das normas, resoluções e diretrizes da arquitetura brasileira, seja de mercado ou acadêmica, traz aos atingidos por elas a lembrança e a sensação das piores ditaduras que mancham a história da humanidade. São forjadas nos bastidores, abusando do desconhecimento de muitos para legislar em benefício próprio e, posteriormente, impostas como se decretos fossem, como verdades absolutas. Tudo isso pensado e implantado por esses egos engaiolados. Hitler, Stalin e outros asquerosos dessa estirpe, viviam em gaiolas.

Nota-se que a percepção do todo, por parte desses engaiolados, resume-se à área interna de sua prisão. Ops, gaiola. Ops, zona de conforto.

A Resolução n° 51/2013 é uma prova disso. Foram contra o que a própria Lei 12378/2010 prega. Aquela parte que diz que qualquer decisão sobre atividades compartilhadas deveria ser tomada numa decisão conjunta. Percebe-se que a gaiola é tão absurda que nem a sua própria Lei eles conseguem cumprir e respeitar. Nem as decisões judiciais que derrubaram essa resolução eles entenderam.

Esse pensamento retrógrado continua sendo passado pela academia aos estudantes. Impressiona como profissionais já com anos de mercado não conseguem entender coisas simples que estão ali escancaradas na frente deles, são noticiadas pela mídia, explodem nas redes sociais. Estão cegos para a realidade, pois não perceberam que estão, também, engaiolados.

Mas existem, sim, arquitetos que conseguiram perceber a portinha aberta e libertaram-se. São aqueles que têm a capacidade de ver o mundo com realidades e necessidades multidisciplinares; que reconhecem, em outros profissionais, habilidades e competências que a arquitetura não possui; que rejeitam os desmandos do CAU e não ficam melindrados ou com medo da concorrência, pois sabem que o trabalho colaborativo é o que chega mais próximo da perfeição, e é até mais lucrativo.

Oscar Niemeyer que o diga!

Extensão CESUMAR – 2° semestre

Saiu a lista de cursos de extensão para o segundo semestre do CESUMAR.

Vou ministrar dois cursos:

CONTRATOS E DOCUMENTOS – COMO ELABORAR CORRETAMENTE

MINISTRANTE
PAULO OLIVEIRA
 
OBJETIVO GERAL
Conscientizar os profissionais sobre os principais pontos de atenção quanto a elaboração de documentos e a necessidade de que estes sejam muito bem elaborados.

CRITÉRIOS
Freqüência de 80%, participação e desenvolvimento dos trabalhos em sala.

REQUISITOS
Trazer os modelos adotados pela empresa para serem discutidos em sala de aula.

PÚBLICO ALVO
Acadêmicos, professores, profissionais das áreas de Design, Arquitetura e Engenharia e demais interessados.

VAGAS
30

CARGA HORÁRIA
16 horas/aula

AULAS
01 e 08|Novembro

INSCRIÇÕES 
http://www.cesumar.br/inscricao/inscricao/extensao/inscricao_form.php

AULAS
Sábados, das 8h às 12h e 14h às 17h30

INVESTIMENTO 
ALUNO DO CESUMAR 1x R$ 65,00
COMUNIDADE 1x R$ 75,00 
EX-ALUNO DO CESUMAR 1x R$ 65,00
FUNCIONÁRIO DO CESUMAR 1x R$ 65,00
PROFESSOR DO CESUMAR 1x R$ 65,00

DISCIPLINAS
ACOMPANHAMENTO E EXECUÇÃO
ADENDOS E ANEXOS (PÓS-CONTRATOS)
CONTRATOS – MODELOS E MODALIDADES
DESIGN – PRODUÇÃO OU DIREITOS?
ÉTICA CONTRATUAL
IMPORTÃNCIA E NECESSIDADE
INTERIORES, ARQUITETURA E LIGHT – EMPREITADA OU OBRA?
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
RISCOS

LIGHT DESIGN I

MINISTRANTE
PAULO OLIVEIRA

OBJETIVO GERAL
Apresentar o trabalho, mercado, campos de atuação, referências técnicas e metodologia projetual de um Light Designer.

CRITÉRIOS
Freqüência de 80%, participação e desenvolvimento dos trabalhos em salas de aula. Projeto final de curso.

REQUISITOS
Conhecimentos básicos de iluminação e AutoCAD.

PÚBLICO ALVO
Acadêmicos,professores, profissionais das áreas de Design, Arquitetura e Engenharia e demais interessados na área de Light Design.

VAGAS
30

CARGA HORÁRIA
48 horas/aula

AULAS
06, 13, 20, 27|Setembro, 04 e 11|Outubro
Sábados, 8h às 12h e 14h às 18h

INSCRIÇÕES 
http://www.cesumar.br/inscricao/inscricao/extensao/inscricao_form.php

INVESTIMENTO
ALUNO DO CESUMAR 1x R$ 180,00 
COMUNIDADE 1x R$ 200,00 
EX-ALUNO DO CESUMAR 1x R$ 180,00 
FUNCIONÁRIO DO CESUMAR 1x R$ 180,00
PROFESSOR DO CESUMAR 1x R$ 180,00 

DISCIPLINAS
APLICAÇÕES BÁSICAS E EFEITOS
EQUIPAMENTOS I – LÂMPADAS
EQUIPAMENTOS II – LUMINÁRIAS
EQUIPAMENTOS III – ESPECIAIS E TECNOLOGIAS
ESTUDO DE CASOS – OBSERVAÇÃO, ANÁLISE CRÍTICA E CONSTEXTUALIZAÇÃO
ILUMINAÇÃO ARQUITETURAL
ILUMINAÇÃO CÊNICA
INTRODUÇÃO AO LD
LIGHT EM EVENTOS – CÊNICO, SHOWS, EVENTOS DIVERSOS
LIGHT INTERIOR E EXTERIOR – COMERCIAL
LIGHT INTERIOR E EXTERIOR – RESIDENCIAL
NORMAS TÉCNICAS
SOFTWARES PARA LD

Qualidade num projeto de LD

Preparando materiais (textos, artigos, etc) para os alunos do curso que estou ministrando em Maringá sobre LD, no meio de um deles encontrei um tópico que fala sobre questões de qualidade em um projeto de LD.

Trata-se do artigo e material que o prof. Luis Antônio Greno Barbosa usa nos cursos sobre LD na Universidade Estácio de Sá falando sobre LD em Museus, Galerias de arte e similares.

Ele baseou-se no IESNA Lighting Handbook (9ª ed) que coloca os procedimentos recomendáveis para projeto que estão baseados no conceito de qualidade da iluminação.

Segundo Peter Boyce (Lighting Research Center), a qualidade de um projeto de iluminação está dividida em três categorias:

Iluminação ruim: quando o sistema de iluminação sofre defeitos de qualidade;

Iluminação  imparcial: quando o sistema de iluminação não tem defeitos de qualidade;

Iluminação excelente: quando o sistema de iluminação está tecnicamente correto, sem defeitos, e estimula o sentidos do observador, atingindo o estado da arte.

Para atingirmos estes graus de qualidade, temos de observar alguns critérios que foram utilizados para a elaboração das Diretrizes Avançadas para Iluminação do IESNA:

Distribuição da Luz:

      – Iluminação de tarefa e do ambiente;

      – Integração com a iluminação natural;

      – Poluição luminosa e luz abusiva.

Considerações sobre o ambiente e local de trabalho:

      – Flexibilidade;

      – Aparência do local e luminárias;

      – Aparência da cor;

      – Luminância das superfícies do local;

      – Tremulação da luz;

      – Ofuscamento direto;

      – Ofuscamento refletido.

Iluminação sobre pessoas e objetos:

      – Modelagem de feições e objetos;

      – Características das superfícies;

      – Pontos de destaque e interesse;

      – Cintilamento.

Posto isto, passemo a destrinchar e detalhar estes critérios para as Diretrizes para a Qualidade da Iluminação:

1- Aparência do Local e das luminárias:

      – Estilos de luminárias de acordo com o estilo do projeto de interiores/arquitetura;

      – Luminárias embutidas ou aparentes;

      – Sistemas de iluminação auxiliam na formação da imagem do espaço (casual, luxuosa, industrial, modernista).

2- Aparência e contraste de cor:

      – Temperatura de cor (cromaticidade);

      – Índice de Reprodução d Cor (IRC);

      – Curva de Kruithof (amenidades);

      – Atualmente preferência por temperatura de cor entre 3000K e 4500K;

     – Influência das latitudes (geográficas) na escolha da cor;

      – Influência da TC na percepção do conforto térmico;

      – Integração com a luz natural;

      – IRC – qualidade da cor

      – 100% = luz natural fonte padrão CIE;

      – Influência dos filmes e tratamentos nos vidros da janelas:

      – Classes de temperatura de cor:

         – 2500-3000 – morna

         – 2950-3500 – neutra

         – 3500-4100 – fria

         – 4100-5000 – muito fria

         – 5000-7500 – gélida

3- Controle e integração com a luz natural:

      – Conservação de energia;

      – Controle automatizado da luz artificial;

      – Acendimento individualizado;

      – Compatibilidade entre a cor das fontes de luz.

4- Ofuscamento direto:

      – Visão direta da fonte de luz – evitar visão direta a fonte de luz dentro de m ângulo entre 0° e 40° com a horizontal;

      – Brilho exagerado da fonte de luz – fontes de pequenas dimensões;

      – Curvas de limites de ofuscamentos.

5- Efeitos de tremulação e estroboscópico:

      – Frequencias mais altas evitam o efeito estroboscópico;

      – Persistência das fluorescência com o uso de modernos pós fluorescentes;

      – Baixa voltagem provoca tremulação.

6- Distribuição da luz nas superfícies:

      – Erros da montagem do ambiente pela iluminação;

      – Luminárias embutidas próximas às paredes criam “conchas” de luz e espaços de sombra;

      – Luzes dirigidas para o teto, com menos de 60cm de dist^ncia para o teto, causam manchas e explosões de luz;;

      – Desequilíbrio da iluminancia de teto, parede e piso (grandes variações);

      – Desalinhamento entre a malha das luminárias no teto e o alinhamento desta com as paredes ou variaçõs na modulação das luminárias;

      – Aproximação em excesso das luminárias da parede.

7 – Uniformidade da iluminação:

      – Distribuição da luz no local da tarefa;

      – Estabelecer a iluminância efetiva entre 1/3 e 2/3 do total desejado, completando com a iluminação geral do ambiente.

8- Luminância das superfícies do local:

      – Aproximação da luminância das paredes e do teto da luminância do local da tarefa;

      – A ilumiância entre as superfícies do ambiente e a iluminância do fundo da tarfa (papel branco) deve ser entre 1/10 e 10 do nivel da tarefa e preferencialmente ser inferior a ela;

      – Evitar grandes contrastes de luminância, utilizando cores com reflexões aproximadas;

      – Luz difusa sobre superfícies claras e redução na utilização de superfícies escuras.

9- Modelagem dos objetos e feições:

      – As sombras e luzes de destaque provocam uma melhor percepção de objetos tridimensionais, evidenciando profundidade, forma e textura;

      – A luz do sol acentua a modelagem e a luz do céu difuso (nublado) iguala a iluminação, reduzindo a modelagem;

      – Uma mistura entre luz direciona e luz indireta é interessante, e a luz direta pode corresponder a no mínimo 20-25% do total.

10- Pontos de destaque:

      – A vista é atraída para pontos mais claros (iluminados) de um ambiente, com variações superiores a 10 vezes das superfícies próximas.

11- Reflexões de ofuscamentos:

      – Ofuscamentos desabilitadores e reflexões celatórias estão associads a superfícies brilhantes, que proporcionam reflexões especulares (papéis brilhantes,  monitores de vídeos, canetas, vernizes);

      – Iluminação indireta cria uma solução uniforme e difusa, um boa solução para prevenir ofuscamentos desabilitadores em locais de trabalho;

      – Observar os angulos críticos de visão, evitando reflexo direto da própria luminária;

      – Atenção especial para os monitores de vídeo.

12- Sombras:

      – Sombras podem dificultar a visibilidade da tarefa, se algm detalhe estiver dentro da área sem luz;

      – Sombras realçam a percepção de objetos tridimensionais;

      – Iluminação localizada reduz as sombras no local de tarefa.

13- Tarefa / Percepção visual:

      – Relação entre o ângulo de maior sensibilidade do campo de visão (cone de 60°) do observador, a tarefa e a luminária.

14- Brilhância / Reflexos propositais:

      – Está relacionado ao princípio dos pontos de interesse, explorando aqui o brilho das superficies.

15- Características da superfície:

      – Destaque das caracteristicas (textura, cor, relevos) da uperfície.

16-Flexibilidade e controle do sistema:

      – Possibilidade de reposicionar as luminárias em função da modificação do posicionamento do mobiliário ou do uso do local;

      – Luz ligada quando necessária, luz desligada quando não necessária;

      – Versatilidade na ligação elétrica e mecânica das luminárias.

17- Iluminância horizontal:

      – Medida da iluminância sobre os planos de horizontal;

      – Verificação das normas e níveis sugeridos.

18- Iluminância vertical:

      – Medição da iluminância sobre os planos verticais;

      -Verificação das normas e níveis sugeridos.

Muitos podem vir a dizer depois disso tudo que com esta formatação os projetos de iluminação acabarão por ficarem engessados pois estas diretrizes eliminam muitos efeitos possíveis. Porém não é bem por aí.

Esta diretrizes apontam os erros mais comuns cometidos por aqueles que se colocam a iluminar um ambiente e apontam elementos que muitas vezes passam despercebidos. Porém é aí que entra o trabalho criativo do LD onde mantendo os efeitos e fazendo uso destas observações todas, consiga atingir este grau de qualidade em seus projetos.

Para que isto aconteça, de nada adianta o LD ser um exímio calculista, conhecer todas as normas e lidar primorosamente com softwares específicos. Ele tem sim de conhecer as caracteristicas da luz “in loco”. Tem de manipula-la, brincar com ela sea em casa, o trabalho, na rua, no carro. É só através desta manipulação que ele terá conhecimento de como a luz comporta-se e como os diversos equipamentos disponíveis no mercado podem nos auxiliar no trabalho com os projetos.

Dias atrás comentei com os alunos do curso de LD em Maringá sobre a importância disso. Se você tiver espaço (sala, quarto, oficina) e dispor de dinheiro para investir em equipamentos (luminárias, lâmpadas, etc) será de grande importância estes exercícios na hura de projetar e criar. Caso não haja disponibilidade você pode começar brincando com lanternas, papel celofane e outros materiais e objetos que lhe permitam moldar e perceber a luz.

De qualquer forma, um outro exercício fundamental é a observação dos espaços onde você vai. Neste caso, não basta apenas sentir a iluminação (que é imporante sim) mas antes de tudo, a observação dos fachos (desenhos), instalações (como, onde, distâncias), equipamentos, lampadas e acessórios que foram utilizados no projeto observado.

Com este simples exercício a sua biblioteca de informações vai crescendo gradativamente e os leques de possibilidades para seus projetos também. Isso sem contar que neste mesmo exercício de observação é onde conseguimos detectar os erros e falhas projetuais (ofuscamentos, instalações imperfeitas, fiação aparente, desalinhamento, mistura de cores e lâmpadas diferentes, etc).

Lembre-se: você trabalha com a luz, portanto da próxima vez que entrar num ambiente olhe e perceba-a. Depois pode partir para a observação dos móveis, etc.