Revista DIntBR – Ano I – Ed. n° 1.

É revista que vocês querem?

Então se joguem!!!

Acabou de sair do forno a primeiríssima edição da Revista DIntBR. (clique na imagem para baixar a sua).

Essa é a primeira – e única – revista brasileira feita por designers de interiores, falando sobre Design de Interiores. Nossa intenção é desmistificar e levar informações de qualidade sobre a nossa profissão.

Ela faz parte do Projeto Design de Interiores Brasil – ou Projeto DIntBR – que é um aglomerado de produtos e serviços voltados para o Design de Interiores.

Ontem rolou uma live no instagram do projeto onde expliquei certinho tudo isso: @designdeinterioresbr

SEGUE LÁ!!!

Espero que gostem!

Super abraço e uma feliz Páscoa!

HOME STUDIO – making of

Well, depois que postei as imagens do antes e depois do estúdio que montei aqui em casa, muitas pessoas me escreveram pedindo o making of do processo. Confesso que não me toquei de fotografar o passo a passo todo pois precisava fazer isso com urgência, o mais rápido possível. Então, as fotos são poucas. Mas vou descrever em detalhes o processo todo.

NECESSIDADE:

Bianco – foi solicitado que ele gravasse aulas para a especialização e o mestrado no qual leciona, além de ter que dar aulas ao vivo nos dois cursos.

Eu – preciso gravar vídeos, participar de reuniões e fazer lives no perfil o #ProjetoDIntBR.

Em resumo: precisamos de um espaço para realizar essas atividades.

PROBLEMA(S):

– A casa que estamos morando, aqui na chácara, carece de uma ampla – e cara – reforma. Foi construída pelo meu falecido sogro no final de sua vida e ficou fechada por mais de 5 anos. Viemos morar aqui ano passado, após não nos adaptarmos à vida na praia. Como a casa faz parte do inventário, decidimos não investir na reforma já que não temos certeza se ficaremos aqui ou não.

– São 4 quartos: suíte principal (maior) + 3 suítes (iguais ao desenho).

– Uma dessas suítes transformamos em nosso escritório provisório, onde montei esse espaço cenográfico. É, de certa forma, um cantinho morto (como podem verificar nos desenhos) onde tínhamos colocado uma cama de solteiro para visitas. Mas temos outra suíte para visitas.

– Toda a casa é pintada com caiada, o que dificulta muito a pintura com látex ou acrílica pois o pigmento da caiada mancha a tinta sobreposta.

– Não temos forro nesse espaço e o telhado é mal montado – muito vazamento e goteiras. Sempre que chove temos que cobrir tudo com plástico. Nesse cantinho (lado esquerdo da foto) não há goteiras.

– Pela não certeza de ficaremos aqui, juntamos algumas coisas que trouxemos de Londrina, outras do apto da praia e compramos algumas poucas coisas. O suficiente para morarmos com a estrutura necessária, com conforto e segurança. Com isso – e por não termos como prever a possibilidade dessa pandemia – fizemos algo bem simples, mas que agora mostrou-se insuficiente para atender às novas demandas já citadas anteriormente.

DEFINIÇÃO:

O primeiro passo foi definir o local onde seria montado o cenário.

Após isso comecei a procurar pela casa coisas que eu poderia utilizar, que tínhamos guardado no depósito.

Encontrei:

– 2 cavaletes de pinus

– Uma chapa de mdf

– 4 chapas de OSB

– 4 mãos-francesas

– Porta-retratos nossos

– Vasinhos

– Tinta para piso (para usar na varanda) e tinta acrílica (impossível, como já explicado anteriormente).

– Lustres (todos estão guardados) e lâmpadas.

– Luminária de piso (para fazer a luz de frente)

– Cadeira

IMPORTANTE>>>>> durante toda a busca por materiais, ficava imaginando a composição final sem ter definido o layout: como uma coisa encaixaria ou combinaria com as outras.

AMBIENTAÇÃO:

Passada essa fase, precisei analisar o espaço usando o celular para fazer imagens (tomadas gerais e focos) afim de identificar qual o melhor lugar para a bancada. Como tem a porta do banheiro que não dá para pintar (pois não tenho tinta a óleo para sobrepor), a melhor opção e colocar a bancada na parede oposta.

Definida a posição da bancada, passei a compor (na cabeça, sem desenhos) os outros elementos disponíveis pensando também na Ergonomia, segurança e estética e, principalmente, no posicionamento da câmera/celular.

Tudo ali é provisório: a bancada tem o tamanho suficiente para servir de apoio nas gravações; mãos francesas presas com 1 parafuso em cada; retratos com preguinhos; luminária amarrada na estrutura do provável futuro forro e ligada na tomada do banheiro. E não pintei o escritório todo afinal é apenas um cenário.

MONTAGEM:

– Pintura (foram necessárias 4 demãos bem fartas, pois o rosinha da caiada estava impregnando e manchando a tinta, mesmo escura)

– prateleiras (tá, eu arrumei a “torteza” dela)

– retratos

– luminária

– bancada

– cadeira

BANCADA:

Como podem ver na imagem, o tampo é pequeno.

E isso é proposital: isso evita a acumulação de um volume de materiais sobre a mesma. Outro fator é facilitar o posicionamento da câmera/celular em um tripé e a iluminação frontal, à sua frente.

Não importa que o tampo seja menor que os cavaletes – isso não vai aparecer nos vídeos!

RESULTADO:

Um espaço simples, com a nossa cara, de fácil – e seguro – uso e manutenção, montado por mim em aproximadamente 3 horas. Isso é o que vocês irão ver em nossos vídeos:

Agora, é só arrumar uma internet decente e começar a fazer as gravações!

CURSO: DESIGN DE SERVIÇOS APLICADO AO DESIGN DE INTERIORES

Uma das pautas que sempre defendi – e continuo insistentemente defendendo – diz respeito ao uso das ferramentas do DESIGN no processo de projeto no Design de Interiores.

Se ousamos utilizar o termo “DESIGN” precedendo o “de Interiores” como nome de nossa profissão, precisamos fazer jus a isso de uma forma bem simples: SENDO designers, literalmente.

A academia, de um modo geral, tem falhado muito nisso. E isso tem uma fundamentação: a quantidade massiva de não-designers nos corpos docentes dos cursos, especialmente nos de tecnologia. A maioria esmagadora desses professores não sabem o que é Design e não estão nem um pouco afim de saber. Preferem a sua zona de conforto a encarar uma especialização ou um novo curso para aprender realmente do que deve ser ensinado em salas de aulas.

E assim se perpetua nos cursos o repasse massivo de práticas e padrões projetuais que não são do Design. Acaba virando um arremedo de alguma coisa da Arquitetura que, honestamente, nem deveriam existir em nossos cursos. Arquitetura apenas quando o objeto base do projeto é o arquitetônico. Talvez por isso os professores recusem as ideias dos alunos de trabalharem com outros objetos base como transportes, por exemplo.

Daí surge a necessidade urgente da criação desse curso, destinado a estudantes e profissionais de Design de Interiores.

Alguns afirmam que as análises feitas durante o briefing e o programa de necessidades (PN) são suficientemente abrangentes para entender, também, os serviços prestados. De certa forma, sim, mas apenas parcialmente. Porém, questões primordiais diretamente ligadas aos serviços prestados pela empresa X e consumidos pelos clientes não conseguem ser levantados pelo briefing nem pelo PN. São pontos muito específicos dessa relação empresário<>funcionários<>clientes que necessitam de um olhar mais atento e cuidadoso que somente através da ampla abordagem do DS conseguimos atingir.

Alguns designers de interiores alegam que essa não é atribuição de nossa área e que devemos indicar algum profissional especializado nisso. Porém, como identificar se existem problemas nos serviços prestados se não se sabe como chegar até eles, identificando-os corretamente? Vale lembrar que no briefing existem questões “não ditas” e que só descobrimos com o andar do projeto.

Existem questões relacionadas ao atendimento. Nesse aspecto concordo que devemos sim indicar algum profissional especializado que irá analisar profundamente os mesmos afim de encontrar as melhores soluções. Mas nesse ponto fica a questão: como nós podemos identificar tais problemas se acreditamos que “isso não faz parte de nossas atribuições” e não damos a devida atenção aos mesmos?

E, identificados, como você irá se dirigir ao empresário para mostrar tais problemas e indicar a real necessidade da contratação de um outro profissional? Nesse sentido, na Netflix tem uma série curta da Mary Portas que mostra bem esse tipo de coisa.

Mas existem os problemas espaciais, ambientais e estéticos que também influenciam na prestação de serviços. E é exatamente aqui que devemos focar o nosso olhar enquanto DESIGNERS de interiores. Nesse sentido, abro o curso pedindo o seguinte aos alunos:

“A partir desse momento, esqueçam que vocês são designers de interiores, principalmente as práticas formais e tradicionais de projeto que aprenderam e vem utilizando até agora. De agora em diante, deixem suas mentes livres de barreiras e permitam um olhar holístico sobre os problemas apresentados para que a criatividade flua. De agora até o final do curso vocês são DESIGNERS!”.

Isso é fundamental para que os alunos consigam mergulhar devidamente no processo do curso.

Seja em problemas encontrados no layout, na ergonomia, na estética, no conforto, na segurança, nas sensações e emoções despertadas em todos os usuários envolvidos ou em qualquer outro aspecto do projeto, o nosso olhar deve estar atento a tudo isso para que consigamos realizar uma profunda análise do problema afim de garantir a melhor experiencia aos usuários.

É exatamente nesse sentido que trabalho esse curso. Pode ser em um salão de beleza ou em uma padaria, a pergunta é a mesma: como podemos garantir que através dos serviços prestados essa experiencia do usuário, física ou sensorial, seja positiva e garanta a fidelização de clientes, a publicidade positiva boca-a-boca através de elogios feitos pelos clientes a terceiros e, ao mesmo tempo, garantir a satisfação dos funcionários e os lucros da empresa?

É nessa pegada que levo esse curso. E garanto que, após muito estudo sobre o tema, a afirmação de terceiros apontada no início desse texto de que “já fazemos isso através do briefing” não é verdadeira. Tudo são engrenagens que fazem parte de uma grande máquina chamada empresa. Se uma está com defeito ou fora do ponto exato, já era.

Afinal, acredito que ninguém aqui seja irresponsável ao ponto de desejar ver o seu cliente gastando uma fortuna em um projeto que não irá resolver os problemas e manterá a mesma sob o risco de uma falência.

Ficou interessado(a)?

Entre em contato, forme um grupo de até 20 pessoas e vamos aprender a analisar esses problemas e encontrar as melhores soluções para eles.