Cursos 2013 – Museu da Lâmpada

cursosMuseuLampada

 

Pessoal, taí a agenda de cursos do Museu da Lâmpada para o primeiro semestre 2013:

 

Cursos de MARÇO

05/mar 10:00 – 13:00  MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos de Iluminação Básica e Introdução a Projetos :: R$ 40,00

06/mar 09:00 – 10:30 Prysmian | Cabos elétricos não são todos iguais + DCE – residencial (aplicação e simulação de funcionamento de software de dimensionamento elétrico) :: R$ 20,00

07/mar 09:00 – 10:00  CEMAR | Curso Centrinho de distribuição – conceitos e aplicações :: R$ 20,00

12/mar 10:00 – 12:30 MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos e tecnologias de iluminação de Lojas :: R$ 40,00

13/mar 09:15 – 13:30  FASA | Fibra Ótica – A Iluminação além da Imaginação :: R$ 60,00

19/mar 10:00 – 11:30 PEDLED | A iluminação sustentável :: R$ 40,00

20/mar 09:00 – 10:30 PIAL | Noções de regras técnicas e instalações elétricas :: R$ 20,00

21/mar 10:00 – 12:30 MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos e tecnologias de iluminação de Hotéis :: R$ 40,00

22/mar 09:30 – 10:30 GIMAWA | Reatores  :: R$ 20,00

26/mar 10:00 – 12:30 Abalux | Conceitos básicos de iluminação e eficiência das luminárias :: R$ 60,00

27/mar 10:00 – 13:00 PHILIPS | Curso Automação em Iluminação :: R$ 60,00

28/mar 10:00 – 12:30 MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos e tecnologias de iluminação Residencial :: R$ 40,00

Cursos de ABRIL

02/abr 10:00 – 13:00  MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos de Iluminação Básica e Introdução a Projetos :: R$ 40,00

09/abr 09:00 – 12:00  OSRAM | Portfólio da Eficiência Energética  :: R$ 60,00

11/abr 09:00 – 10:00  TIGRE | Linha elétrica – conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

12/abr 09:00 – 10:00  DAISA | Produtos DAISA – Conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

17/abr 10:00 – 13:00  PHILIPS | Curso sobre LED’s – Tecnologia inovadora  :: R$ 60,00

19/abr 09:30 – 10:30 GIMAWA | Reatores  :: R$ 20,00

24/abr 09:00 – 10:00  STECK | Produtos STECK – Conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

30/abr 10:00 – 12:30 Intral | Princípios da Luz e Luminotécnica e introdução e aplicação dos leds :: R$ 60,00

Cursos de MAIO

02/mai 09:00 – 10:00  CEMAR | Curso Quadro de comando – conceitos e aplicações :: R$ 20,00

07/mai 10:00 – 13:00  MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos de Iluminação Básica e Introdução a Projetos :: R$ 40,00

15/mai 09:15 – 13:30  FASA | Fibra Ótica – A Iluminação além da Imaginação :: R$ 60,00

21/mai 10:00 – 11:30 PEDLED | A iluminação sustentável  :: R$ 40,00

22/mai 10:00 – 13:00 PHILIPS | Curso Automação em Iluminação :: R$ 60,00

23/mai 09:00 – 10:00  3M | Fitas isolantes de baixa tensão – Conceitos e aplicações :: R$ 20,00

24/mai 09:30 – 10:30 GIMAWA | Reatores  :: R$ 20,00

28/mai 10:00 – 12:30  Abalux | Conceitos básicos de iluminação e eficiência das luminárias :: R$ 60,00

29/mai 09:00 – 10:30  Prysmian | Cabos elétricos não são todos iguais + DCE – residencial (aplicação e simulação de funcionamento de software de dimensionamento elétrico) :: R$ 20,00

Cursos de JUNHO

04/jun 10:00 – 13:00  MUSEU DA LÂMPADA | Conceitos de Iluminação Básica e Introdução a Projetos :: R$ 40,00

06/jun 09:00 – 10:30 PIAL | Automação linhas Nereya e BTicino  :: R$ 20,00

12/jun 10:00 – 13:00  PHILIPS | Curso iluminação de Lojas – Conceitos e Tecnologias :: R$ 60,00

13/jun 09:00 – 10:00  TIGRE | Linha elétrica – conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

14/jun 09:00 – 10:00  DAISA | Produtos DAISA – Conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

19/jun 09:15 – 13:30  FASA | Fibra Ótica – Influências da iluminação com fibras óticas em ambientes clínico-hospitalares :: R$ 60,00

21/jun 09:30 – 10:30 GIMAWA | Reatores  :: R$ 20,00

25/jun 10:00 – 12:30  Intral | Princípios da Luz e Luminotécnica e introdução e aplicação dos leds :: R$ 60,00

26/jun 09:00 – 10:00  STECK | Produtos STECK – Conceitos e aplicações  :: R$ 20,00

Desconto de 50% para pagamentos até 28/02. Aproveite!

Para inscrever-se é só clicar neste link. No calendário ao lado direito da tela busque a data desejada e efetue a sua inscrição no curso de maneira fácil e ágil.

PARTICIPE!

Av. João Pedro Cardoso, 574 | CAMPO BELO, SÃO PAULO – SP

Após a inscrição serão informados por e-mail os próximos passos para a participação.

Pagamento via PAG SEGURO

* Caso haja imprevistos, você será informado com antecedência e todo o valor pago será restituído.

IPOG – Pós-Graduação em Iluminação – Campinas

 

O IPOG – Instituto de Pós-Graduação – inaugura no dia 22 de março próximo, a primeira turma do curso de Pós-Graduação em Iluminação & Design de Interiores na cidade de Campinas.

As aulas acontecerão no seguinte endereço:

Av. Aquidaban, no. 400, Centro.

Coordenado pela arquiteta, lighting designer e designer de interiores Jamile Tormann, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela UNB o curso já está presente em 24 estados do Brasil, através de 85 turmas.

O Curso, organizado nos termos da resolução CES 01/2007 do Conselho Nacional de Educação, tem por objetivos principais: – Formar Especialistas em Iluminação e Design de Interiores capazes de elaborar projetos de iluminação (de interiores, exteriores, pública, de museus, esportiva e cênica) e design de luminárias, de residências e de ambientes comerciais a partir do conhecimento teórico e prático adquirido no Curso; – Qualificar o profissional para a consultoria em iluminação e design de interiores; – Qualificar o aluno para a pesquisa; – Formar profissionais que atenda aos desafios propostos, inserindo a iluminação e o design como ferramenta qualitativa, com uma visão integrada de projeto e consultoria a empresas; – Capacitar profissionais para a investigação, compreensão e desenvolvimento do projeto de iluminação e design, considerando seus aspectos estéticos, funcionais, técnicos, ambientais e de gestão.

Público alvo:

Profissionais e alunos com curso superior especialmente nas áreas de Arquitetura, Engenharia e Design de interiores, bem como iluminadores, fotógrafos, cenógrafos, e outros profissionais com curso superior.

Formação curricular:

História da Iluminação Percepção Visual

Grandezas e Cálculos Luminotécnicos

Fontes de luz artificial

Design de Luminárias

Design de Interiores Residencial

Iluminação de Interiores Residencial

Projetos de Iluminação e Design de Interiores Residencial

Design de Interiores Comercial

Iluminação de Interiores Comercial e Corporativo

Projeto de Iluminação e Design de Interiores Comercial e Corporativa

Iluminação Cênica

Iluminação de Exteriores

Projetos de Iluminação de Exteriores

Iluminação Esportiva

Iluminação Natural e Eficiência Energética

Estratégias projetuais de iluminação natural

A luz sob controle

Metodologia do Trabalho Científico

Gestão de Carreira e Marketing Pessoal

Carga Horária:

480 horas/aula

Certificação:

Será considerado aprovado o participante que cumprir as seguintes exigências:

– Frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária de cada disciplina;

– Nota final igual ou superior a 7 (sete) em cada disciplina;

– Aprovação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Documentos:

Cópia do Diploma de Graduação AUTENTICADO em cartório;

Cópia do RG e CPF;

1 foto 3×4.

Na cidade de Campinas, o IPOG ainda vai oferecer descontos para quem entrar em contato e disser que faz parte do “GRUPO VALMIR PEREZ”. Isso vale para quem é assinante da lista de “Dicas de Iluminação”, do grupo CLD e ex-alunos da disciplina de introdução á iluminação da Unicamp. Eis os descontos:

Valor do Curso sem desconto para pagamento até dia 20 de cada mês.

Inscrição :R$ 250,00 R$

24X de R$ 700,00

Valor do curso com desconto GRUPO VALMIR PEREZ

Inscrição: R$ 250,00

24X de R$ 570,00

Importante :  Benefício de R$ 130,00 de desconto em cada parcela, que equivale a R$ 3.120.00 do valor total do curso, condição válida apenas para pagamento até o dia 10 de cada mês. Além disso, os dois primeiros matriculados do grupo “Valmir Perez” ainda ganharão um exemplar do livro “Luz e Arte – Um paralelo entre as ideias de grandes mestres da pintura e o design de iluminação” – Valmir Perez – De Maio Comunicação e Editora.

Para pré-matrícula e informações detalhadas visite o endereço: http://www.ipog.edu.br/nao-aluno/pos-graduacao/engenharia-arquitetura/iluminacao-e-design-de-interiores

Se preferir, entre em contato através do telefone: (11) 3251 1560 ou envie e-mail para: sp@ipog.edu.br

Workshop 2013

novalogo_quad

Em 2012 realizei junto com o Portal LightingNow o workshop “Mitos, verdades e erros frequentes em projetos de iluminação.”

Para 2013 estamos pensando em um novo workshop online e gostaríamos de saber de vocês o que desejam ver (e aprender) nesse workshop. Então vamos fazer este levantamento aqui pelo blog através dos comentários de vocês.

Que tipo de abordagem preferem: técnica/prática ou análise/crítica?

Também estamos pensando em realizar cursos presenciais no Rio de Janeiro. O que gostariam de ver nesses cursos? Qual o tempo de duração?

Participem, deixem as suas opiniões nos comentários e vamos juntos elaborar um workshop “porreta” e iluminado!!!

;-)

Lyon em festa das luzes – edição 2012

main-bg-2012
Pois é, aconteceu novamente a Fête des Lumières em Lyon, FR.

A edição deste ano foi entre os dias 6 e 9 de dezembro.

Abaixo, alguns vídeos do que rolou de mais interessante por lá:

1 – Place des Terreaux

2 – Cathédrale St-Jean

3 – Les “Anooki” de la gare St-Paul

4 – Les Velov’ Place Bellecour

5 – théâtre des Célestins

6 – Mysticète

7 – Bellecour

Aqui, uma geral de tudo que rolou por lá:

Se quiser ver mais imagens e vídeos, acesse a página oficial do evento.

Defesa da área como DESIGN

A seguir, a apresentação que fiz ontem (24/11) em São Paulo no Design na Brasa, na mesa sobre a regulamentação profissional, em defesa da área de Design de Interiores/Ambientes como uma especialidade do Design. Colocarei as imagens do PPT e farei alguns comentários sobre cada uma delas.

Sim, Design de Interiores/Ambientes também é Design!

Notem que risquei propositalmente a denominação Interiores pois estamos num momento de transição e formação de nossa identidade profissional. São muitos os profissionais que, assim como eu, rejeitam o termo e adotam AMBIENTES.

Isso se deve às velhas questões de cerceamento profissional impostas pelo termo “interiores” (entre quatro paredes) e as consequentes limitações profissionais. Os conhecimentos adquiridos por nós nos anos de faculdade nos habilitam a trabalhar além desta barreira imposta pelo termo “interiores”. Portanto, se você é formado, passe a adotar profissionalmente o termo AMBIENTES.

Infelizmente, apesar de todas as indicações e solicitações, o grupo que se reuniu para trabalhar na minuta do PL de regulamentação do Design resolver fazer tudo que eu e vários outros profissionais da área pedimos que não fizessem: foram atras da ABD, conversaram com Arquitetos em busca de informações sobre a área. Deu no que deu e acabamos ficando de fora da regulamentação.

A ABD é uma associação formada essencialmente por arquitetos decoradores e decoradores. Seu nome original é ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DECORADORES – tanto que sua sigla continua sendo ABD.

Num ato da diretoria, resolveram anos atrás alterar a denominação para Associação Brasileira dos Designers de Interiores contudo, sem distinguir os tres profissionais que ela pretendia agregar: arquitetos decoradores, desoradores e designers de interiores. Para ela, são todos iguais à excessão dos arquitetos que tem atribuições mais amplas dada a sua formação acadêmica. Ela não consegue fazer essa distinção simplesmente porque desconhece completamente a área de Design de Interiores/Ambientes. Não faz a menor idéia de sua amplitude, multidisciplinaridade e tranversalidade.

Já, questionar arquitetos sobre Design também é uma furada pois ha muito tempo os cursos de Arquitetura eliminaram de suas matrizes as disciplinas que a aproximavam do Design. O que vemos hoje, no máximo, é História do Design. Também não são uma referência que pode ser levada à sério nesse contexto.

Outro fator que provoca a distorção da concepção da área é que a maioria dos professores dos cursos de Design de interiores/Ambientes ainda são arquitetos. A maioria deles sem qualquer especialização ou vivência em DESIGN. Muitos dos coordenadores são arquitetos e muitos cursos estão engessados aos departamentos de Arquitetura. Um erro tosco que precisa com urgência ser combatido.

Num vídeo de um encontro da ADG sobre a regulamentação do Design, o Ernesto Harsi deixa claro que, além da egocentrismo da ABD em retirar a área do PL de regulamentação do Design outro problema teria de ser evitado: o confronto e o consequente lobbye dos arquitetos no Congresso Nacional. Porém, mais uma vez isso ocorreu por mero erro de concepção sobre a área. Se tivessem prestado atenção – ainda na época do Orkut, na comunidade Regulamentem o Design Já – em tudo que eu e vários outros profissionais escrevemos sobre a nossa área, esse confronto fatalmente não ocorreria e não haveria porque ter medo dos lobbies.

Vale lembrar também que nos diversos países onde o Design foi ou está sendo regulamentado, a área de Design de Interiores/Ambientes está contemplada nos respecivos projetos de regulamentação ou Conselhos já criados. Porque aqui o Brasil tem de ser diferente. Porque aqui no Brasil deve-se amputar o Design desrespeitando os profissinais das áreas não contempladas?

Creio que já somos maduros o sufuciente para encararmos os lobbies de frente, denunciarmos qualquer ato autocrático afinal, vivemos numa democracia.

Bom, a partir daqui eu comecei a desconstruir a falsa idéia que é vendida – e defendida pela ABD – de que o Design de Interiores é uma “evolução” da Decoração.

Começamos essa análise por dados básicos:

1 – a carga horária

Nos antigos cursos de Decoração raros eram os que chegavam às 400 horas aula citadas. Na verdade, também fui bem bonzinho em colocar como mínimo de 54 horas. Existiam muitos cursos com 16, 20 e 36 horas aula. Na verdade, estes eram os que predominavam.

Já os cursos de Design de Interiores/Ambientes tem uma carga horária muito mais cheia que vão de 1800 a 2670 horas aula ou até mais que isso.

2 – Pré requisitos:

Nos antigos cursos de Decoração a exigência era a idade mínima de 16 anos e o ensino FUNDAMENTAL completo. E só.

Já para os cursos de Design de Interiores/Ambientes a exigência é o ensino MÉDIO completo.

3 – Modalidades

Os antigos cursos de Decoração eram cursos livres, ministrados por instituições como Senac, Sesc, Instituto Universal Brasileiro (por correspondência) e outros. Cursos livres não são classificados como modalidades de ensino, são apenas de complementação curricular ou para adquirir conhecimentos básicos.

Já os cursos de Design de Interiores são classificados como Técnicos (ensino médio), Tecnológicos e Bacharelados (ensino superior). Estes são ministrados por instituições de ensino oficiais e devem ter seus Projetos Políticos e Pedagógicos (PPPs) aprovados pelo MEC.

4 – Público alvo:

Quem buscavam os antigos cursos de Decoração eram, em suma, vendedores de lojas de artigos de decoração, arquitetos em busca de uma complementação curricular e as madames que queriam “dar um novo visual” para suas casas. Tanto é verdade isso que até hoje carregamos o estigma de que é um curso de “gente fresca, que não tem o que fazer, etc”, por causa da confusão gerada entre Decoração e Design de Interiores/Ambientes.

Já quem busca os cursos de Design de Interiores/Ambientes são pessoas conscientes, que não quere apenas “decorar ou melhorar o visual” de suas casas. São sim pessoas preocupadas em melhorar a qualidade de vida das pessoas onde quer que elas estejam, sejam em qual ambiente for.

Vamos então analisar as Matrizes Curriculares dos cursos:

Pois é, esta é a matriz curricular dos antigos cursos de Decoração. Quando havia alguma diferença era coisa pouca que não alterava o conteúdo. E olhem que ainda errei ao colocar “planta baixa” pois na verdade o que eles faziam era no máximo um layout dos espaços internos.

Quando havia alguma disciplina sobre desenho de móveis resumia-se ao mesmo padrão que os cursos de Arquitetura oferecem: a linguagem de marcenaria, que nada tem a ver com a linguagem industrial.

Agora, observem a matriz curricular dos cursos de Design de Interiores/Ambientes:

Ok, nem todos os cursos oferecem todas estas disciplinas ou a quantidade de módulos. Mas na essência é esta a Matriz dos cursos de Design de Interiores/Ambientes.

Tem como alegar que Design de Interiores/Ambientes é uma “evolução” da Decoração?

Não mesmo. Tanto que ainda existem cursos de Decoração sendo ofertados no mercado por algumas escolas livres.

Como se pode observar, Design de Interiores/Ambientes é uma área multidisciplinar. Eu diria até transdisciplinar pois ela passeia por praticamente todas as especialidades do Design e outras formações.

Exemplificando rapidamente:

Do Design de Produtos trazemos os conhecimentos sobre projetos de móveis, objetos e acessórios em linguagem industrial. Não é porque um móvel projetado para determinado cliente é único que ele não possa ser inserido num ciclo industrial afinal o seu projeto é em linguagem industrial, completo. Se colocarmos o projeto na boca da fábrica, o produto sairá lá no final da produção seriada e pronta para ser vendida em larga escala. Também não cabe aqui dizer que por serem praticamente projetos únicos ou exclusivos os que fazemos que não seja Design afinal, não devemos nos esquecer que em Design também se trabalha com produtos exclusivos (padrão A) onde são feitos peças únicas ou com edições limitadas. Também aproveitamos os conhecimentos sobre materiais, revestimento, resistência, ergonomia, etc.

Do Design Gráfico aproveitamos todo o conhecimento sobre as Cores (significados, psicologia, etc), semiótica, informação visual, identidade corporativa entre vários outros conhecimentos.

Do Design Têxtil, aproveitamos os conhecimentos sobre texturas, tramas, resistência, sensorial, etc.

Do Design de Moda aproveitamos, assim como todas as outras áreas, as tendências, os estilos, as linguagens, os signos, etc.

Ainda aproveitamos conhecimentos de outras especialidades do Design, mas creio que por hora já basta para entender que temos sim a nossa formação fincada na raiz Design. Mas não paramos por aqui…

Podem estar se perguntando do porque eu ter colocado Engenharia e não Arquitetura. Simples: estes conhecimentos são da Engenharia. A arquitetura apodera-se deles também para formar a sua Matriz.

Mas não paramos por aqui… também vamos além:

Exatamente isso! Usamos o objeto arquitetônico APENAS quando é o caso de um projeto que envolva um espaço arquitetônico. Apenas quando estamos trabalhando em projetos de interiores residenciais, comerciais, etc.

Porém, como coloquei no início desta apresentação temos rejeitado o termo Interiores exatamente por isso. Somos formados para ir muito além dos limites arquitetônicos. Somos formados para atuarmos em um amplo campo no mercado de trabalho que extrapola os limites arquitetônicos e vai onde quer que esteja um usuário.

Se há um usuário necessitando da solução de um problema, lá estaremos para atendê-lo.

Quem insiste em afirmar qualquer uma das duas coisas acima está simplesmente assinando o seu atestado de completo desconhecimento sobre a área.

Portanto, como já deu para perceber,

Não mesmo, nem de longe afinal,

Claro, a Arquitetura também trabalha nas questões do Urbanismo. Porém Design Urbano não pode e nem deve ser confundido com Urbanismo.

São coisas significativamente diferentes. O Design Urbano atua sobre o Urbanismo já implantado visando a melhoria da usabilidade, acessibilidade, embelezamento, humanização, etc. Ou, em casos de escritórios multidisciplinares (co-criação), ele já está presente desde o momento em que o arquiteto começa a pensar no plano urbanístico, num trabalho em conjunto com o designer.

Notem que no primeiro grupo temos a visão simplista e limitada daqueles que desconhecem a área (ABD). O segundo grupo, já é uma pequena ampliação.

Já escrevi em diversos posts neste blog sobre áreas de atuação profissional que vão além dos limites arquitetônicos. Resumindo, também podemos atuar

– nos interiores e automóveis

– nos interiores e exteriores de embarcações

– nos interiores de aviões

– em projetos de mobiliários e equipamentos urbanos

– em projetos de design urbano

Entre várias outras frentes que podemos, através dos conhecimentos adquiridos na academia, somos devidamente e legalmente habilitados para atuar.

Creio que não é necessário acrescentar mais nada sobre este slide.

Pois é, eis a grande questão: criamos um Conselho próprio ou, para agilizarmos o processo, nos enfiamos em algum já existente?

Dos possíveis existentes temos o CREA e o CAU. Mas vale ressaltar aqui alguns detalhes sobre isso:

CREA – começou a aceitar como associados os Técnicos em Decoração (posteriormente, Técnicos em Design de Interiores). Mesmo com o crescente aumento dos cursos superiores de Design de Interiores/Ambientes, eles se recusavam em fornecer as credenciais com nível superior e tampouco alterar as atribuições profissionais. Quem se filia ao CREA acaba jogando no lixo grande parte de seus conhecimentos adquiridos na faculdade pois ficara limitado às atribuições descritas no órgão. Porém, estas atribuições foram feitas quando existiam apenas os cursos de Decoração e não contemplam, nem de longe, a totalidade de conhecimentos que nós, designers de interiores/ambientes, possuimos.

CAU – Um conselho formado por e para arquitetos. Vale lembrar que foram os arquitetos que fizeram as atribuições dentro do CREA e também são eles que também confundem Decoração com Design de Ambientes. Certamente não será uma boa pois ocorrerão diversas ingerências na área do Design, por mais que venha a existir uma diretoria propria para o Design. O que eles sofriam dentro do CREA (mais engenheiros que arquitetos) fatalmente ocorrerá conosco.

Portanto, devemos sim lutar pela implantação de um Conselho Federal de Design. Pode demorar um pouco mais para estritura-lo, mas certamente é a melhor saída pois somente assim teremos condições de criarmos a nossa identidade e alcançarmos a nossa autonomia acadêmica e profissional.

Espero ter deixado claro que,

Design na Brasa 2012

Pois é pessoal, como alguns já estão sabendo, fui convidado pela designer Patricia Penna (e me sinto muito honrado com isso) para ser um dos integrantes na mesa sobre Regulamentação Profissional no Design na Brasa 2012. O evento será realizado em São Paulo no dia 24/11.

Abaixo a programação do evento:

9:00 Credenciamento

10:00 – 10:30 Mesa de abertura

– Prefeito da cidade de São Paulo ( a confirmar ) – Patricia Penna ( Autora do Design na Brasa )

10:30 – 12:00 1a. Mesa: A regulamentação da profissão

Esclarecer o projeto de Lei e orientar alunos e profissionais das possibilidades de mercado, trabalho e economia para o país.

Palestrante 1: Deputado Penna ( Autor do Projeto de Lei sobre a Regulamentação da profissão ) Palestrante 2: ABDesign ( Associação das agencias de design do Brasil ) ( a confirmar ) Palestrante 3: Bruno Porto – Representante do grupo REGULAMENTEM O DESIGNER JÁ! ( a confirmar ) Palestrante 4: Paulo Oliveira (Lighting Designer e Designer de Ambientes)

12:00 – 13:00 Break para almoço

13:00 – 14:30 2a. Mesa: Design e Economia Criativa

O design no Brasil ocupa hoje, espaço na Secretaria de Economia Criativa que por sua vez está inserida no Ministério da Cultura. Quais os benefícios, desafios e ameaças dessa posição?

Palestrante 1: Representante da secretaria de cultura de SP ( a confirmar ) Palestrante 2: Representante do Ministério da Industria e Comércio ( a confirmar ) Palestrante 3: Representante da Faculdade

14:30 – 16:00 3a. Mesa: Design e Sustentabilidade

Hoje tudo que produzimos no planeta já deu para consumir mais ou menos, segundo cientistas, uns 4 planetas. Quais os critérios de sustentabilidade que podemos aplicar no desenvolvimento de produtos?

Palestrante 1: Cristian Ulmann ( a confirmar ) Palestrante 2: Indústria que respeita o meio ambiente Palestrante 3: Ong

16:00 – 16:30 Break para café

16:30 – 18:00 4a. Mesa: Design, tipografia e o mundo digital

Inúmeras possibilidades existem hoje que integram o virtual e o real. Conheça as discussões e ideias sobre este tema!

Palestrante 1: Representante da Cidade Digital da USP ( a confirmar ) Palestrante 2: Empresa que trabalhe com mídias sociais Palestrante 3: Alexandre Lopes

18:00 – 19:30 5a. Mesa: Design e a Indústria Brasileira

Como as indústrias brasileiras estão sobrevivendo no cenário em que a China domina o mercado industrial internacional?

Palestrante 1 : Representante da FIESP ( a confirmar ) Palestrante 2: Representante de uma indústria Palestrante 3: Designer Insdustrial

19:30 Encerramento

Vale ressaltar aqui a dinâmica deste evento composta apenas de mesas de debates. Assim, a troca de idéias, informações, conceitos, opiniões, posicionamentos torna-se parte de uma grande dialética, ao contrário do que ocorre em eventos onde há apenas um palestrante como foco das atenções. Em cada mesa há um moderador que irá controlar o tempo de exposição de idéias de cada palestrante (15 minutos) bem como as perguntas ao final das apresentações.

Além disso, já estão rolando uma ação muito interessante pré-evento onde os designers são convidados a montar uma “máscara” com saco de papel, fotografar e enviar para ser inserida no site. Creio que isso tem muito a ver com a falta de identidade ( ou rosto) do Design brasileiro perante o mercado ou também a diversidade de identidades dentro de nosso meio.

Saliento a importância da presença da maior quantidade possível de Designers de Interiores/Ambientes para defendermos a inserção de nossa área no PL de Regulamentação do Design contrapondo a tentativa falaciosa da ABD de regulamentar a área em separado.

Somos Designers, nossa matriz é o Design. Então, não tem porque sermos ignorados ou deixados de lado.

Para inscrever-se, basta acessar este link.

Mais informações, acesse o site do Design na Brasa 2012.

Nos vemos lá ok?

Top 100!!!

Pois é pessoal, surpreendeu-me meu blog aparecer entre os 100 finalistas do Top Blog 2012.

Fiz minha inscrição neste prêmio a vários anos atras e nunca me importei em divulga-lo. Assim, fiquei realmente surpreso ao ver meu blog entre os 100 deste ano.

UAU!!!

Então, já que estamos lá, que tal ajudar este blog a chegar na reta final???

Para isso é fácil, é só clicar neste link ou na imagem ali ao lado e votar através de seu e-mail, Facebook ou Twitter.

Depois de votado no site, você receberá em seu e-mail um link de confirmação de voto. É só clicar no link e pronto!!

Valeu pessoal. Na surdina, sem qualquer divulgação – e sem eu saber – vocês me colocaram entre os 100 melhores blogs do Brasil em 2012.

Agradeço a confiança em meu trabalho!!!

Workshop online: LEDs – Origem, atualidade, aplicações e futuro

O Portal LightingNow traz para vocês mais um workshop online: LEDs – Origem, atualidade, aplicações e futuro

Objetivo:

O Workshop on-line tem por objetivo, desvendar os mistérios da Iluminação com LEDs, abordando o tema com uma linguagem simples, clara e objetiva, facilitando seu entendimento.

Público-Alvo:

Profissionais e Estudantes da área de Arquitetura, Decoração, Design e Iluminação.

Certificado:

O workshop emitirá ao final um certificado de Participação On-Line.

Formato e Disponibilidade:

O workshop será ministrado no formato de apostilas em PDFe estará dividido em 4 módulos com início em 01/10 e vai até 26/10 (4 semanas).Todo o conteúdo ficará disponível 24 horas por dia até o final previsto. Será disponibilizado na própria tela do Workshop, um link “Tira Dúvidas” diretamente com o Professor Mauri Luiz.

O Programa    

Introdução
Fontes de Luz (Tipos)
Incandescência e Descarga
Eletroluminescência
LED
Para melhor entender os LEDs
Grandezas Luminotécnicas
Grandezas Elétricas
LEDs (História)
Características construtivas
Fatores Determinantes da eficiência
Influência do Calor
LEDs na atualidade
– Durabilidade (Vida útil)
– Temperatura de cor
– Reprodução de cores
– Uso externo
Equipamentos auxiliares
– Fontes (Drivers)
– Dimerização
– Ligações
– Controles
Ótica
Normas Internacionais
Certificação Compulsória no Brasil
Tipos de produtos de LEDs   
– LED Componente  
– Módulos 
– Lâmpadas
– Luminárias
LEDs na Iluminação em Geral
Residencial 
Comercial
– Escritórios
– Bancos
– Lojas
– Hoteís
– Hospitais
Industrial
Estacionamentos
Esportiva
Iluminação Pública
Iluminação Externa
OLEDs (LEDs Orgânicos)
LEDs são ecológicos
Principais dúvidas sobre o tema
O Futuro da Iluminação a LEDs

IMPORTANTE:

O workshop será ministrado no formato de apostilas em PDF e está dividido em 4 módulos com início em 01/10 e vai até 26/10 (4 semanas). A cada segunda -feira será disponibilizado um novo módulo que o participante pode assistir on-line ou baixar para acompanhar posteriormente nos dias e horários que mais lhe for adequado. Durante a semana, o participante pode tirar suas dúvidas sobre o conteúdo exposto com nosso especialista pelo próprio site. Todas as aulas ficarão disponíveis para consulta até o final do último módulo.

O Instrutor:

MAURI LUIZ DA SILVA

– Especialista em Iluminação; – Ex. gerente Regional da OSRAM (Trabalhou 39 anos com lâmpadas e iluminação); – Colaborador de Revistas e Sites, escrevendo sobre a luz e seus efeitos; – Palestrante com mais 1000 palestras sobre iluminação para os mais diversos públicos; – Professor na Escola PROJETHA em Porto Alegre-RS sobre Iluminação Artificial;

Autor dos Livros:

– Luz, Lâmpadas & Iluminação

– Iluminação: simplificando o projeto

– LED: a luz dos novos projetos

Serviço:

LEDs – Origem, atualidade, aplicações e futuro Data: de 01/10 a 26/10

Onde: Evento On-Line (internet)

Valor: R$ 60,00 (Cartão de Crédito ou Boleto Bancário pelo PagSeguro)

Para participar, faça a sua inscrição clicando aqui.

Eita! – Campina Grande PB

Aê pessoal, vamos para o Eita Design 2012??

2º Encontro Estadual dos Estudantes de Design da Paraíba. Que será realizado esse ano em Campina Grande na UFCG, de 27 a 30 de Setembro de 2012.

Encontro de caráter acadêmico e mercadológico onde estudantes e profissionais de design do estado e da região podem conversar de maneira unificada com empresas e a sociedade.

Eu estarei por lá ministrando duas palestras e uma oficina:

Na sexta (28/09):

Palestra (2 horas): Design de Ambientes: “N” Jeitos de atuar.

No sábado (29/09):

Palestra (2 horas): Formação e vida profissional: inconsistências acadêmicas.

Oficina – Pensando a área: textos! (2 horas): Design de Ambientes: Análise e Crítica.

Maiores informações e inscrições aqui no blog do Eita! ou ainda pela page deles no facebook.

Nos vemos lá???

;-))

sumido e consumido…. Expoflora 2012

É, muitas pessoas tem me perguntado o porque de eu estar tão sumido aqui do blog. A resposta é simples:

Muito trabalho, graças à Deus!!!

Bom, mas esta última semana especialmente muitos sentiram a minha ausência inclusive no facebook. O caso é que eu estava montando junto com a Marcia Nassrallah e o Marco Frossard um ambiente na Expoflora 2012.

Escolhemos um jardim externo bem amplo. Como é ponto de passagem obrigatória para os visitantes (além de ser uma das áreas mais visitadas da feira) elegemos um ponto fundamental para a conceituação do projeto: ergonomia.

Dentro da ergonomia encontram-se a acessibilidade e a segurança. E foi daí que partimos o projeto.

Também pensamos na questão da sustentabilidade e preservação ambiental. Como já havia no ambiente algumas espécies de grande porte e bem formadas decidimos mante-las, pois a retirada delas poderia danifica-las ou até mesmo levar à perda das plantas. Então buscamos trabalhar com vegetação média/baixa.

Dentro do elemento segurança, escolhemos plantas com baixa ou nenhuma toxidade e também cuidamos para escolher aquelas que não causa ferimentos (laminas, espinhos, etc).

Também optei por realizar um projeto de iluminação que não colocasse os visitantes em risco. Toda a área proxima à circulação está iluminada com luminárias solares (em led) fornecidas pela PedLed, ou seja, não há fiação elétrica no entorno do caminho e nas áreas acessíveis aos visitantes. A parte elétrica ficou no lado oposto do lago (inacessível) e afixada no beiral da cobertura do restaurante.

Também, ainda na sustentabilidade, busquei junto à PedLed projetar utilizando essencialmente Leds promovendo a eficiência energética. O gasto total energetico do ambiente todo é de aproximadamente 650W. Lembro que são em média, 350m² de área.

Foram utilizados os seguintes materiais, plantas e equipamentos para a montagem do espaço:

Materiais:

Plantas: Lírios True Emotion, Kalanchoe Dobrado EVITA, Spathiphyllum, Musgo Cushion moss,  Musgo Cushion moss Yellow, Musgo Club moss, Planta Ovo, Ageratum, Laranjinha, Hera roxa, Grama Azul, Chifre de Veado, Véu de Noiva, Aspargus, grama.

Vasos de fibras vegetais celulósicas recicladas, com minerais oriundos da própria natureza; Painel Jardim Vertical; Vasos Trapézio MMD; Substrato; Irrigação; Tintas e materiais para pintura

Moveis e acessórios:

Móveis para área externa em alumínio, fibra sintética e estofamento; Lareira à alcool; Deck  de Madeira ecológica; Mesa tronco de eucalipto; Vasos, cachepôs e adornos

Arte:

Escultura Eikonox by Jadir Battaglia; Arte em madeira by Hidéia; Aramados (gaiolas e adornos) by Só Art’s.

Iluminação:

Luminaria solar inox decorativa espeto led; Luminaria solar pvc spot espeto led branco; Luminaria solar pvc decorativa gancho led branco; Mangueira led branca frio; Fita led branco morno; Fita led cor vermelha; Espetos externos; Lâmpadas par20; cordão de natal LED azul; SpotBeam LED; Hallucination.

O resultado desse árduo trabalho você poderão visualizar durante a Expoflora 2012.

Aqui, uma pequena amostra do que fizemos com o espaço:

Para a montagem deste espaço contamos com os seguintes fornecedores:

Jandewit  – Veiling Holambra – www.veiling.com.br   www.jandewit.com.br
Grupo Swart –  www.swart.com.br
Spathiphyllum Viva Flora 
Okubo Flores
Horizonte Flores e Plantas – www.veiling.com.br
Viveiro Viviane
Caputo Casa Idea – www.caputocasaidea.com.br
Jadir Battaglia – www.jadirbattaglia.com.br
LaCasa Design  – www.lacasadesign.com.br
Suvinil – www.suvinil.com.br
Ecoxim – www.ecoxim.com.br
Pepled – www.pedled.com.br
Guaporé Pisos e Revestimentos
Mundo Metal Design – www.mundometaldesign.com.br
Casa Bela Café, Bar e Restaurante – www.casabelarestaurante.com.br
Casa Bela Decorações – www.casabelaimportadora.com.br
Base Soluções em Substrato
Agrolink – www.agrolinkholambra.com.br
Só Art’s Ateliê – www.soarts.com.br

E contamos ainda com o apoio de:

Toninho e equipe de jardinagem
Anaí Hereman
Bruna Bentivoglio Pires
Zuleide do Carmo Oliveira
Pollyana Gonçalves de Oliveira
Gera Diniz
Marcelo Edgard

A Expoflora estará aberta de 30 de agosto à 23 de setembro, de quinta à domingo das 9:00 às 19:00 horas.

Aguardamos a sua visita em nosso espaço!!!

;-))

N Jeitos – organização

Mais que necessário fazer este post.

Como já escrevi nos outros posts, o NDesign 2012 foi um divisor de águas: Existe o NDesign “antes do” e o NDesign “depois do” NJeitos!!!

E tudo isso foi fruto dessa galera da CONDe, mais que empenhada e que ralou muito para a realização deste grandioso evento:

A CONDe

Gestão:
Georges Michailidis (Presidente), Carlos Camape (Financeiro), Priscila Lobo (Planejamento e RH).

Conteúdo:
Juliana de Castro (Coordenadora de célula / convidadas), Sofia Camargo (Conselheira de célula / convidadas), Tiago Lopo (convidadas), Isadora Prado (Inscritas), Valquíria Maia (Inscritas / desfile), Viviane Carvalho (Paralelas / Desfile), Nathália Lisboa (Paralelas / Desfile), Marina Alves (Paralelas / Desfile).

CoNE:
Bianca Oliveira

Estrutura e Logística:
Rayane Carvalho (coordenadora de célula). Alice Guimarães (Conselheira de célula), Thiago Duarte (Tecnologia de Informação – T.I), Pedro de Menezes (T.I), Rodrigo Amaral, Clarissa Resende, Taciana Amorim, Dayana Rodrigues.

Recursos:
Ágatha Araújo (Coordenadora de célula), Tatiana Lemos, Bruno Bento, Gustavo Goulart, Marina Stael

Comunicação:
Ayuni Takizawa (Coordenadora de célula), Nathan Araújo (conselheiro de célula), Rachel Clemes, Marcelo Caetano.

Relações Externas:
Carolina França, Laira Ávila, Lucas Fix.

Relações Internas:
Amanda Gouveia e Ana Mendonça.

Registro:
Isis Medeiros.

Integração:
João Pedro Carvalho (coordenador de célula), Christiano Alvin (Apoio), Luísa Ganzarolli (conselheira de célula), Fernanda Melo, Alexander Rodrigues, Rafael Smyth, Stefania Cargnino.

Para vocês terem idéia do Que foi o NJeitos, seguem alguns números:

ESTRUTURA – 3 Locais

1. CEFET Campus I
– Alojamento: Campo de Futebol e Ginásio (encontristas), 5 Salas de aula (CONDe e apoio/monitores)
– 1 Auditório (Reuniões diárias do CoNE)

2. FUMEC – Campus Cruzeiro
– 2 auditórios
– 2 espaços Multimeios
– 40 salas de aula (média 50 pessoas)
– Refeirório
– Bazar

3. GUINARD – UEMG
– Auditório
– Gramado – Desfile

CONTEÚDO

65 Convidados:
6 Cases
21 Palestras
11 Dedos de Prosa (Mesa Redonda)
10 Workshop
5 Oficinas de Processos
18 SePAs (seminário e produção acadêmica)
130 Oficinas (ministradas por econtristas)
1 Desfile

Números do Evento

Aproximadamente 1800 encontristas
Total aproximado de 2000 pessoas envolvidas no 22º N Design.

Como podem ver, foi um evento grandioso onde o diálogo e a integração entre as áreas do Design foi uma constante.

Eles dizem que houveram alguns problemas. Eu digo que SE algo deu errado, eles foram tão bons e perfeitos na rapidez e solução que ficou imperceptível.

Então pessoal da CONDe, sinto-me orgulhoso em ter sido convidado para este evento e foi uma honra participar do mesmo!!!!

E vocês, cada um de vocês que trabalharam tanto para a realização do NJeitos, sintam-se também orgulhosos e recompensados por tanto esforço pois, como já coloquei acima, o NDesign existe “antes do” e “depois do” NJeitos!!!

(Deixaram os organizadores dos próximos em maus lençóis ehehehe)

Então é isso pessoal, um brinde a cada um de vocês e à equipe toda!!!!

Vocês merecem!!!

LD> Workshop presencial em Londrina

Dias:
6, 20 e 27 de outubro (sábados).

Carga horária:
20 horas/aula

Ementa:
Este workshop tem como objetivo corrigir a cultura sobre o Lighting Design, levando a informação correta sobre esta especialidade. Mostrar as diferenças entre iluminação e Lighting Design. Conscientizar sobre a necessidade da especialização na área e a cultura de parcerias profissionais para a construção de uma comunidade criativa.

Através de estudos de casos, mostrar os erros mais comuns cometidos nos projetos de iluminação. Demonstrar como um projeto de Lighting Design pode agregar valor e qualidade a qualquer projeto, empreendimento, produto enfim, onde houver luz.

Também apresentar como o Lighting Design deve ser inserido no contexto público seja pela melhoria da qualidade de vida nas cidades, seja por questões de eficiência, segurança. Embelezamento.

Com metodologia teórico-conceitual-prática. Pensar, analisar, criar, manipular a luz.

Público alvo:
Estudantes e profissionais das áreas de arquitetura, engenharia (civil e elétrica), design (produtos, gráfico, moda, interiores/ambientes), cênicas, publicidade e propaganda, marketing, fotografia, comunicação, gestores públicos (urbanismo, cultura, etc).

Conteúdo:

Modulo 1 – 06/10  (14:00 às 18:00 horas)
– Introdução – Diferenças entre Iluminador e Lighting Designer
– Cultura de parcerias profissionais na Economia Criativa
– Erros I.

Modulo 2 – 20/10
Manhã (08:00 às 12:00 horas):
– Erros II.
– Produtos e Pesquisas
Tarde (14:00 às 18:00 horas):
– A valorização dos ambientes através da iluminação.
– Softwares para iluminação

Modulo 3 – 27/10
Tarde (13:30 às 17:30 horas):
– Tópicos de Ética
– Manipulando a luz – prática
– Lighting Guerrilha I – o que é?
Noite (18:30 às 22:30):
– Afinação
– Lighting Guerrilha II – prática

Turma:
Mínimo 20 alunos
Máximo 50 alunos

Valores:
Profissionais: R$ 400,00
Estudantes: R$ 200,00
Bônus para as primeiras 20 inscrições:
Profissionais: R$ 250,00
Estudantes: R$ 150,00

Informações e inscrições:

Aldeia Coworking Londrina

(43) 3028-2882

E-mail: londrina@aldeiaco.com.br

Realização:

Aldeia Coworking Londrina

Apoio:

Via Light Iluminação

Lume Arquitetura

N Jeitos – Ô trem bão!!!

É, o NDesign em BH foi um evento daqueles que nos fazem pensar “Ô trem bão sô”!!!!

Foi tão bão, mas tão bão que ninguém queria que acabasse…

Foi tão bão, mas tão bão que ouvi de alguns organizadores dos próximos eventos que o NJeitos complicou a vida deles pois vão ter de trabalhar muito para ao menos igualar o nível do evento.

No Open Space (atividade em grupos para pensar os próximos eventos), antes da plenária final, decidi participar para aproveitar e colocar mais atenção sobre a nossa área, Interiores/Ambientes, nos próximos eventos.

Acabei falando antes da plenária final, parabenizando-os e incitando (energizando) todos os presentes. Pena que eu não tinha conhecimento deste vídeo, senão teria pedido para passar antes do encerramento:

The Wayseer Manifesto – Visionarios do Caminho (Legendado)
watch?v=hlSX3e6Kbx0&feature=player_embedded

Tem tudo a ver com o espírito do evento, dos participantes e dos Designers!!!

Então propus aos presentes o seguinte desafio daqui para a frente:
“Antes do designer, vem o DESIGN.”

Para os próximos eventos dei a idéia de que no primeiro dia, as primeiras atividades não foquem em nenhuma área específica e sim, apenas no DESIGN. Que seja apenas uma palestra, mesa redonda, bate papo onde o “apartheid”, a segregação não estejam presentes. Derrubar os preconceitos entre áreas já de início. Após “abrir a mente” dos participantes, parte-se para as especificidaders.

Antes de eu ser designer de ambientes, a minha raiz, base, estrutura está no DESIGN. Uma idéia para quebrar barreiras, derrubar paradigmas, eliminar os guetos profissionais e dos departamentos…

Se você é de produto, não interaja apenas com o pessoal do seu curso, não leia apenas sobre produtos, não produza apenas sobre produtos, não pense apenas em produtos. Isso é um paradigma imposto pelo sistema que precisa ser questionado até ser derrubado.

Promovam a interação entre os departamentos de design nas universidades estudando como um segmento pode contribuir, colaborar, somar com os outros.

Ampliar a mente, expandir a visão e o foco. Somos multi, pluri, trans e megadisciplinares.

E nunca pedir informação sobre ambientes para um gráfico. Faça isso diretamente a um de ambientes.

O N Jeitos trouxe uma nova forma de ver o Design, várias atividades foram multifacetadas (inter-áreas). Não deixem isso morrer.

Como falei no encerramento, o nome “N Jeitos” foi uma sacada genial da organização. Já derrubaram inúmeras barreiras só através do nome escolhido.

Também elogiei o pessoal que está organizando o RDesign de Curitiba (acho que em outubro próximo): 360°.

É isso, abram suas mentes, ampliem seu mundo, nosso campo visual é em média de 150° e com isso, deixamos de perceber o restante que fica escondido nos 210°.

Me esqueci de falar na hora mas tinha um grupo bem na minha frente e o nome do R é bem isso: Revolução!!!

Revolucionem, não se contentem, não aceitem pacificamente tudo que lhes é imposto. Que a partir do N Jeitos, esse pensamento de inovação, inquietação, indignação, inspiração, integração esteja presente não só nas organizações dos próximos eventos mas, principalmente, na cabeça de todos.

Como falei, estou a disposição de todos para auxiliar, indicar, propor, participar enfim, ajuda-los a construir os proximos eventos. É só entrar em contato que terei o maior prazer em ajuda-los.

Afinal, somos parte dos “Visionários do Caminho”!!!

Valeu pessoal!!!

NDesign 2012 – N Jeitos – BH

Bom, pra quem perdeu e para aqueles que não fazem a menor idéia do que são os NDesign, taí o vídeo que foi apresentado no encerramento do N Jeitos para que vocês vejam e sintam um pouquinho do que foi, o que rolou, como é…

watch?v=YTy4oC-MFRc&feature=player_embedded

Gente, vocês não fazem idéia do quanto me senti honrado em participar como convidado deste evento e como estou mega feliz com o resultado positivo da inserção da nossa área de Design de Ambientes dentro da grade oficial.

Pensei que eu fosse o único professor que não suporta ficar na sala dos professores nas horas livres e curte muito ficar no meio dos alunos interagindo, mas percebi que os outros convidados também adoram fazer isso.

Interagir, contribuir, compartilhar, construir, instigar, direcionar sem o uso de rédeas, derrubando muralhas e levantando em seu lugar pontes.

É isso.

 

 

N Jeitos – conteúdos

Foi realizado entre os dias 15 a 21 de julho, na cidade de Belo Horizonte, o N Design 2012. O tema deste ano foi N Jeitos.

N Jeitos de fazer, pensar, aplicar, estudar, atuar, produzir, formar, enfim, N Jeitos de sair do quadradinho.

Pela primeira vez a minha área ganhou espaço e recebeu o devido respeito dentro de um evento de Design. Digo isso, pois em outros eventos quando aparece alguma atividade em minha área, ela não recebe a mesma prioridade das outras e para piorar a situação, sempre convidam designers ou outros profissionais de outras áreas para falar sobre. O resultado é sempre a distorção e a disseminação da desinformação.

Tanto é verdade que estamos fora do processo de regulamentação do Design porque os membros do comitê não entendem Interiores/Ambientes como área do Design. Porém só firam buscar informações dentro dos grupos de arquitetura e, pior ainda, da ABD.

Mas desta vez, quem esteve presente como convidado foram pessoas realmente comprometidas com a profissão, com formação na área, que sabem muito bem o que estão afirmando e mostrando tornando possível a eliminação do “achismo” que impera sobre a nossa área e acima de tudo, são Designers de formação específica na área.

Dentro do projeto original de construção do N Jeitos os pilares foram:
– Foco no processo
– Integração com outras áreas (não só do Design)
– difusão do conhecimento.

Dentro desse espírito foi lançada a grade de atividades. Dêem uma olhada em tudo que rolou (palestras, oficinas, workshop, plenárias, atividades, exposições, sepas, bazar, etc.) através deste link:

http://www.ndesign.org.br/2012/atividades/

Como podem perceber, foi muita coisa, cobrindo todas as áreas do Design e muitas ainda mostrando como o Design pode e deve contribuir com outras profissões.

Em Design de Interiores/Ambientes tivemos:

MESA REDONDA
Dedo de Prosa – Design de Ambientes
Mediador: Viviane Gomes Marçal
Com
Paulo Oliveira e Samantha Cidaley
Era para ser uma mesa redonda e acabamos fazendo um bate papo onde a Viviane também pudesse participar mais ativamente, expondo seus pontos de vista e opinar afinal, ela também é uma profissional e educadora da área.

PALESTRA
Design de Interiores/Ambientes – N Jeitos de atuar
Palestrante: Paulo Oliveira
Descrição da Atividade:
Falará sobre os diversos segmentos onde o profissional de design de ambientes/interiores pode vir a atuar no mercado, esclarecendo sobre nichos específicos e as áreas já tradicionais. Apresentará a multidisciplinaridade e amplitude da área mostrando muito mais do que é mostrado em salas de aulas nas universidades.

SEPAS

“As SePAs, ou Seminários de Produção Acadêmica, são espaços destinados à apresentação de trabalhos e pesquisas acadêmicas. Atividade tradicional no N Design, é, desta vez, adaptada para se adequar melhor à proposta N Jeitos. As SePAs serão divididas em Mercado, Universidade e Pesquisa, de forma a melhor orientar o encontrista no momento de sua escolha.” E dentro desta parte tivemos especificamente em Design de Interiores/Ambientes:

Agencia bancaria referencia: valorização da interação ambiente-usuário (Thabata Regina de Souza) – A pesquisa propôs estudar a interação dos usuários com o ambiente das agencias bancárias, tendo como cliente o grupo Santander.

Experiências sensoriais em ambientes interiores (Maryana Mondini) – Este trabalho traz um tema para a reflexão dos ambientes interiores atuais. Partindo de um novo conceito em ambientes: o branding design.

Consultoria participativa para demanda popular no Design de Ambientes: método de Livingston (Talita Marques Soares) – Metodologia participativa que pode ser aplicada no Design de Ambientes, o método Livingston, que abrange técnicas, recursos e práticas de consultoria destinadas a parcelas pobres da população.

A identidade corporativa e o uso do Design de Ambientes para o seu reforço: o caso Google. (Juliana Rizola) – A essencialidade da inserção do design nos ambientes corporativos e de como eles interagem na relação da sociedade com as empresas.

GT – GRUPO DE TRABALHO DESIGN DE AMBIENTES

Esta atividade surgiu por solicitação dos participantes após a mesa redonda: um grupo de trabalho onde pudéssemos pensar ações visando a melhoria da formação acadêmica, a acreditação e afirmação da área como integrante sim do Design e para promover a visibilidade da área. Tudo isso combatendo de forma positiva a informação imperante, desvinculando-a da arquitetura e decoração.

(tema de mais um post MEU que provavelmente gerará uma guerra declarada com a ABD e minha expulsão da mesma. Tou nem aí, basta!)

OUTROS

Senti falta de oficinas específicas na área, porém diversas das de outras áreas puderam ser aproveitadas pelos acadêmicos de Design de Ambientes.

Vale ressaltar também algumas outras atividades que aconteceram e me chamaram a atenção como, por exemplo, a SEPA Transdisciplinaridade do Design (Deborah Maeda Brasil) que expôs como o Design se relaciona com outras áreas de conhecimento, o que o caracteriza como transdisciplinar. (falarei mais sobre isso em outro post).

Nas oficinas, Design Social – o Designer a favor da sociedade (Fabricio Silva Albuquerque). O Designer e a Economia Criativa (Barbara Schrage e Rômulo Pellizzaro).

Passando por gestão, produção, pensamento, educação/formação enfim, por tudo, cada componente da grade do N Jeitos foi altamente positiva.

Surpreendeu-me também a quantidade de acadêmicos da área participando do evento vindo de diversos cantos do país. Mas os acadêmicos de nossa área devem participar mais e mais sim.

Portanto fica o recado para os cursos de Design de Interiores/Ambientes: fiquem atentos aos RDesign que acontecem na sua região e ao próximo NDesign que em 2013 será realizado em Salvador-BA.

OPEN SPACE

Foi uma atividade criada pela organização e lançada no N Jeitos que foi realizada antes da plenária de encerramento.

São formadas mesas onde cada um pode propor um tema e os interessados se reúnem e debatem, propõem idéias e ações visando o NDesign do próximo ano e os próximos Rs. De assuntos, palestras, eventos, oficinas até a parte organizacional, estrutural e de conteúdos.

Uma sacada genial deles e que deu muito certo. Foi bastante produtiva, interativa.

Quem esteve presente e eu fiquei doido porque não consegui acompanhar nenhuma de suas atividades foi, simplesmente, Jum Nakao. Óbvio que terminou com um desfile dele, mas rolou palestra e oficina. Além de ser, no meu ponto de vista. O “the Best” em moda aqui no Brasil, o cara é antes de tudo Designer. Mostrou que não é porque é da moda que deve ficar preso ali no seu quadradinho.

Eu, Samantha e Viviane também batemos nessa tecla no dedo de prosa e reforcei novamente na palestra, depois no GT e também no Open Space. Vou escrever um post específico sobre isso.

Como podem ver, o N Jeitos apresentou o Design antes das áreas. Tanto que isso surgiu bastante forte nos assuntos do Open Space.

Porém, o melhor de tudo foi perceber, por parte do pessoal de outras áreas (participantes e convidados), a receptividade e um melhor entendimento do porque Interiores/Ambientes é sim Design. Até mesmo um dos convidados que já tive debates com ele onde ele não aceitava e nem admitia (categoricamente) nossa área como parte do design. Após a mesa redonda e a palestra ele veio conversar comigo e me pedir desculpas pelas vezes em que ele foi ate mesmo grosseiro comigo pelos fóruns da web. Hoje ele entende sim a nossa área como Design e não mais como arquitetura ou decoração.

Bom, como primeiro post sobre o N Jeitos, acho que já deu para vocês perceberem que foi “bão demais!”, em todos os sentidos.

À organização (vou escrever um post específico sobre isso), os meus parabéns pelo conteúdo transdisciplinar e abrangente. Também agradeço (em nome de todos os estudantes e profissionais) o espaço que finalmente uma organização deu à minha área.

Até o próximo post sobre o N!!!

LightingNow > workshop online

É pessoal, à convite do Alexandre, gestor do Portal Lighting Now, vou ministrar um workshop online em junho/julho.

Trata-se do workshop “Lighting Design: mitos, verdades e erros frequentes em projetos de iluminação”.

Objetivo:

Este Workshop On-Line tem por objetivo, trazer à discussão o papel do Ligthing Designer no cenário brasileiro, evidenciando suas qualificações, relações entre profissionais, atividades projetuais complementares e desmistificando o projeto luminotécnico, apontando o que é Mito e o que é Verdade quando o assunto é luz.

Todos estes pontos, além dos Erros mais frequentes nos projetos de iluminação, serão tratados de forma simples, clara e objetiva junto aos profissionais do mercado, buscando um melhor entendimento sobre o assunto e promovendo cultura orientada à qualificação e diferenciação em seus projetos.

Público-Alvo:

– Profissionais da área de Arquitetura, Decoração e Iluminação;
– Contratantes de projetos e serviços correlatos que precisam de maiores conhecimentos sobre o assunto;
– Estudantes e pesquisadores das áreas acima citadas.

Formato:

O workshop será ministrado no formato de apostilas em PDFe está dividido em 4 módulos com início em 18/06 e vai até 13/07 (4 semanas).

A cada semana (segunda -feira) será disponibilizado um novo módulo que o participante pode assistir on-line ou baixar para acompanhar posteriormente nos dias e horários que mais lhe for adequado.

Durante a semana, o participante pode tirar suas dúvidas sobre o conteúdo exposto comigo pelo próprio site.

Todas as aulas ficarão disponíveis para consulta até o final do último módulo.

O Programa

1º Módulo – 18 a 22/06
Introdução
Cultura de parcerias profissionais (importância das parcerias)
Comunidade criativa
Diferenças entre Iluminador e Lighting Designer

2º Módulo – 25 a 29/06
Erros mais comuns e frequentes em projetos de iluminação
Estudos de casos
É mais caro consertar do que iniciar certo

3º Módulo – 02 a 06/07
A valorização da arquitetura e dos ambientes através da iluminação
Intervenções urbanas
Desenvolvimento de produtos

4º Módulo – 09 a 13/07
Pesquisa
Mitos e verdades
Tira dúvidas

Maiores informações:

Workshop Lighting Design com Paulo Oliveira
Data: de 18/06 a 13/07
Onde: Evento On-Line (internet)
Valor: R$ 49,90 (Cartão de Crédito ou Boleto Bancário pelo PagSeguro)

Inscrições: clique aqui para inscrever-se.

Expolux 2012 – impressões

Bom, é mais que necessário fazer algumas considerações sobre a Expolux. Então vamos ao trabalho:

1 – Crescimento da feira

Para quem visitou as edições anteriores pode notar como esta feira cresceu. Ótimo isso pois é um sinal claro de que o mercado da iluminação está sólido e crescendo. Confesso que me assustei um pouco com o crescimento, mas no sentido positivo pois pude constatar que sim, o mercado de iluminação já está independente.

Para quem não foi, acesse esse link e veja a planta da feira, com os expositores.

2 – Divisão na feira

Um dos pontos positivos – e que eu sempre torci para que acontecesse – é a separação da Expolux da Feicon. Digo isso pois esta separação é sadia para o mercado de iluminação e mostra o quanto este segmento vem crescendo e tornando-se independente.

A feira amarrada à Feicon, acontecendo nos mesmos dias e no mesmo espaço, sempre atrapalhou a visitação de quem foi atras de equipamentos de iluminação.

Tudo bem que alguns aleguem que comercialmente é melhor pois aproveita o fluxo de visitantes da Feicon que é bem maior. Mas essa suposta vantagem é irreal pois quem vai atras de cimento não vai atras de fios, lâmpadas, luminárias, etc.

Conheço muitas pessoas que foram à Feicon e nem entraram na área da Expolux. Viram que tinha essa outra feira colada (separada apenas pela cor do carpete) mas não entraram.

Portanto, por causa desse pensamento burro, algumas empresas não participaram da Expolux 2012.

Bom, só posso dizer uma coisa: perderam!!!

Perderam a oportunidade de estar num espaço onde todos os visitantes estavam focados no mercado de iluminação.

Perderam a oportunidade de ajudar na solidificação da nossa área e mostrar que sim, hoje temos vida própria e independente.

Perderam a oportunidade de calar a boca e não ficar provocando a cizânia, afastando outros possíveis expositores.

É uma pena que algumas empresas que eu trabalho com seus produtos tiveram esta visão burra. Sinal de um departamento de marketing mais burro ainda e falido.

Espero que na próxima edição isso não volte a acontecer e que todas as empresas estejam ali na feira. Que a administração da Expolux tenha percebido a importância desta separação física da Feicon para o mercado de iluminação e mantenha assim.

As empresas que boicotaram a Expolux só deixaram espaço livre (estandes) para os chineses e seus produtos…

3 – Chinesas

Sinceramente eu me assustei com a quantidade de empresas chinesas na feira. Vou pontuar algumas coisas sobre isso:

– impossibilidade de comunicação: com todo o barulho, ficou impossível tentar conversar com qualquer um deles que, só falavam inglês ou chinês.

– disputa: me senti um frango numa arena sendo caçado por todos eles, disputado no tapa… você estava conversando com um e o outro do lado já tentando te puxar para o estande dele…

– 25 de março: pois é, foi assim que me senti… numa grande 25 de março da iluminação… uma mega variedade de produtos e muita tecnologia de ponta mas, visivelmente, sem qualidade alguma…

#EuHeim

=0

4 – Cópias

Me assustou também a quantidade de cópias descaradas de designs famosos e vencedores de prêmios internacionais… Para piorar a situação algumas cópias muito mal feitas e com materiais de péssima qualidade.

O Brasil precisa rever com urgência questões sobre direito autoral e patentes. Assim como está não dá.

5 – Clientes

Algumas coisas me deixaram extremamente irritado na Expolux. O que é um “cliente”? Vou narrar um acontecido num dos estandes de uma marca famosa.

Cheguei e fui recebido por uma recepcionista sorridente com um “bem-vindo”. Comentei que eu era profissional e precisava do catálogo da marca e ela me direcionou a um balcão no centro do estande. Ali dois atendentes de prontidão.

Cheguei ao rapaz, me apresentei e solicitei um catálogo. A resposta:

– Pois não senhor, qual o cnpj de sua loja?

Respondi que eu não era lojista e sim projetista. Ele me cortou a fala com um:

– O nosso catálogo é só para clientes.

Já imaginando onde tudo iria parar, respondi que eu era cliente da marca pois sempre especifiquei os produtos dela em meus projetos e ele me cortou novamente, porém com cara de desdém e impaciência:

– O nosso catálogo é apenas para clientes.

Respondi então que eu sou cliente, afinal sou eu quem especifica os produtos para o consumidor final e ele me cortou novamente já bem grosseiro:

– Eu já falei que não tem catálogo pra você pois são apenas para clientes.

Aí soltei em alto e bom som dentro do estande:

– Parabéns! São ações idiotas como a sua que fazem uma empresa como essa perder clientes.

Virei as costas e fui saindo quando fui abordado pela recepcionista perguntando o que estava acontecendo. Expliquei o acontecido, quem eu era e que fiquei extremamente irritado com aquela situação. Descaso total com os profissionais pro uma empresa que se diz séria. Ela então chamou o responsável pelo estande e expliquei novamente toda a situação. Desta vez, dei uma carteirada nele quando dei-lhe meu cartão e disse que sou colunista da Lume Arquitetura além de blogueiro reconhecido e respeitado. Qual a resposta?

– Lamento senhor Paulo, mas o nosso catálogo é só para clientes.

Isso porque o fulano é um diretor da empresa…

Outra nesse estilo:

Num outro estande de uma empresa que está crescendo bastante, fiquei impressionado com os produtos. Belos, práticos, versáteis…

Um rapaz veio me atender, me apresentei e ele ficou me mostrando algumas peças mais específicas, os carros chefe da coleção. Até aí tudo bem.

Depois de uns 15 minutos dentro do estande, solicitei o catálogo. Ele me disse que estavam sem catálogo ali pois a gráfica tinha atrasado a entrega. Continuamos a conversa e ele então se apresentou corretamente como sendo o designer responsável pelas criações.

Nisso, chegou um outro rapaz do estande, cortou a nossa conversa e tascou:

– Fulano, pega um catálogo para este cliente (apontando para outro cara).

Ele me pediu licença, saiu e voltou com um catálogo e entregou para o outro cara.

Fiquei olhando para ele sem dizer uma única palavra até ele se tocar e se lembrar do que tinha acabado de me falar menos de 3 minutos antes…

Aí veio a frase:

– Olha senhor Paulo, o nosso catálogo é apenas para clientes…

Virei as costas e saí do estande.

Bom, vamos analisar essa situação:

Clientes não são apenas os lojistas. No rol de clientes existem também os profissionais, projetistas que são quem especifica as peças para o consumidor final comprar onde? Nas lojas.

Assim, eu, como projetista e especificador, sou um cliente das marcas também. O catálogo impresso é de extrema importância para que apresentemos os produtos para os nossos clientes (consumidores finais deles) bem como para termos acesso às informações técnicas dos produtos – item fundamental para projetarmos.

Mas infelizmente existem empresas que tem um departamento de marketing idiota que não vêem assim. Para estes departamentos, clientes são apenas os vendedores lojistas.

Vale lembrar que, nos dois casos, nenhum consumidor final vai chegar numa loja e comprar um candeeiro de cristal, que custa boas dezenas de milhares de reais, para colocar sei lá onde, sem o acompanhamento de um especificador.

6 – Catálogos

Infelizmente muitas empresas estão eliminando os catálogos impressos. Agora o que mais se ouve é:

– Acesse o nosso site e lá encontrará todas as informações sobre os nossos produtos.

Isso ao mesmo tempo em que nos entregam um panfletinho mequetrefe e mal feito… Essa frase parece que foi criada em conjunto pois ouvi isso em vários estandes…

Porém devo ressaltar que o catálogo impresso é de extrema importância para o projetista. É muito mais fácil estarmos com um catálogo aberto sobre a mesa enquanto projetamos pois ali temos todas as referências sobre o produto que são necessárias para a especificação. Imagine você com AutoCAD aberto, mais a planilha de especificação, mais um monte de páginas de fabricantes tendo de ficar rodando e rodando e rodando atras daquela peça…

É bem diferente do lojista que abre o site e pesquisa uma peça específica para um cliente.

Se existe vida inteligente nesses departamentos de marketing eles deveriam rever essa posição e fazer as diretorias serem menos sovinas, mão de vaca, e voltarem a fornecer estes catálogos impressos.

7 – Decoração

Infelizmente, apesar de muita coisa linda, o que predominou nos estandes foi a iluminação decorativa. Ótimo para decoradores, arquitetos…

Mas muito pouco se viu de iluminação técnica, aquela que realmente interessa para nós Lighting Designers. Vou fazer alguns posts durante a semana apresentando algumas coisas técnicas que vi por lá.

Algumas empresas investiram sim pesado nesse segmento e apresentaram peças excelentes. Porém o domínio da parte técnica ficou com as indústrias de lâmpadas.

Mas o domínio foi para a iluminação decorativa.

8 – Encontros

Durante a visita pude me encontar com diversos amigos e profissionais..

Acácia Caitano (Philips)

Wilson Sallouti (Fasa)

Maria Clara De Maio (Lume) e Malu Junqueira

Valmir Perez (LabLuz/Unicamp) – infelizmente a foto não saiu..

Jamile Tormann (IPOG) – fugiu antes de tirar foto comigo rsrsrs

Alexandre (LightingNow) – vou fazer um post específico sobre o estande rsrsrs

Tinha muita gente legal que encontrei por lá.

Valeu por encontra-los, todos vocês! Pelos papos rápidos ou conversas mais extensas.

9 – Lume Arquitetura

Como é bom estar em família!!!!

Um espaço lindo, mais que agradável, onde pude me encontrar com diversos profissionais de respeito além, é claro, de finalmente conhecer pessoalmente esta minha nova família: a equipe da Lume Arquitetura.

Maria Clara, Nelson, Kátia… Enfim, este pessoal todo que já faz parte de minha vida e que amo de paixão!!!

Destaco também a presença do Valmir Perez que estava lá lançando o seu livro “LUZ e ARTE – Um Paralelo Entre as Ideias de Grandes Mestres da Pintura e o Design de Iluminação”. É claro que adquiri um para mim e recebi uma bela dedicatória dele.

O mais engraçado é que, tanto o Valmir quanto a Maria Clara e o pessoal da Lume, apesar de não nos conhecermos pessoalmente, a sensação é que já éramos amigos pessoais e reais de longa data.

Também tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a Malu Junqueira, uma mega profissional, queridíssima, que passou pelo estande e pudemos bater um excelente papo sobre associações, profissão, formação, etc.

Agradeço todo o carinho com que fui recebido no estande da Lume Arquitetura por essa equipe brilhante que faz a maior e melhor revista sobre LD do país!!!

10 – Reconhecimento

Confesso que me assustei um pouco em alguns estandes com isso. Foram vários os que entrei e, sem me apresentar, vinha alguém me cumprimentar com frases como:

– Seja bem-vindo senhor Paulo Oliveira, colunista da Lume!

O tratamento que recebi em vários estandes foi bárbaro.

Carinho, atenção, respeito, reconhecimento, elogios…

Nossa, não imaginam como isso me fez bem!!!

Bom, é isso pessoal.

Estas são as minhas impressões que eu precisava compartilhar com vocês sobre a Expolux 2012.

Museu da Lâmpada

Bom, chegando de Sampa, vamos às news!!!!

Tive o imenso prazer de ir conhecer o Museu da Lâmpada.

Apesar de ser um espaço ainda pequeno posso afirmar que é bárbaro!!! Uma grande contribuição e ferramenta para o conhecimento!!!

E importantíssimo ressaltar que é o 1° Museu do gênero da América Latina!!!

Uma breve história:

Dois sócios, Gilberto Pedroni e Wladimir Pedroni, abriram ha 24 anos atrás a Gimawa Materiais Elétricos. Empresa séria e consolidada no mercado paulistano.

Com o comércio de lâmpadas surgiu a curiosidade e paixão pelas lâmpadas. E, na lida com os fornecedores e fabricantes começaram a aparecer as “velhinhas” e a coleção.

Sentindo a falta de um espaço que tratasse com a seriedade e o respeito que este elemento tão importante nas nossas vidas merece, surgiu um sonho de cria-lo. Assim nasceu o Museu da Lâmpada, dentro da própria empresa Gimawa, que é a mantenedora e patrocinadora do Museu.

A marketóloga Bruna Alves, responsável pelo departamento de eventos da Gimawa, é quem assumiu o Museu. Toda a parte de pesquisas, a criação dos vídeos, eixo temático, programação visual enfim toda a parte expositiva e documental ficou sob sua responsabilidade. E cumpriu o papel com primor!!! Olha eu e ela aqui:

Apresentados os responsáveis, vamos rodar pelo Museu da Lâmpada.

Nada mais justo que as estrelas do Museu tenham a sua própria calçada da fama!!! Ficou muito bom isso!!! ;-)

Bom, e tudo começou onde?

Pois é gente!!! Tudo começa lá atrás, ainda na época dos homens das cavernas quando dominaram o fogo. Na verdade,a relação dos seres vivos com a luz sempre existiu. O bicho-homem e outros bichos sempre dependeram da luz natural seja ela a luz da lua, a luz do sol, a luz das estrelas ou a luz do fogo. Esta última foi a que o homem na época conseguiu dominar – com muito trabalho, observação, medo e ferimentos – e nos trouxe ao hoje.

Mas para chegar ao hoje, passamos por muitas fases, tochas, fogueiras, apetrechos, velas, lamparinas, óleos, e um monte de coisas…

Tudo isso (além das várias peças expostas tem muito mais nos vídeos dos diversos monitores espalhados pelo espaço) chegamos ao nosso mestre e “pai” Thomas Edison que está ali presente com a sua lâmpada:

Arrepiantemente hipinotizante olhar para esta lâmpada ao vivo….

Bom, na sequência, viajamos pela evolução da lâmpada até chegarmos aos dias de hoje. A evolução é mostrada por tipo de lâmpada. Temos desdeas primeiras incandescentes até as últimas; das primeiras halógenas até as mais recentes; das primeiras fluorescentes até as mais recentes e assim por diante além de expor todos os tipos de lâmpadas:

Um elemento bastante interessante é o expositor sobre o IRC. Temos três nichos, cada um iluminado por uma lâmpada com um IRC:

Observando-os (na foto não ficou muito visível a diferença) você consegue perceber claramente a importância do bom IRC. Mas tirei essa outra foto mostrando dois deles:

Você sabe dizer qual braço está sendo iluminado por uma lâmpada com maior IRC?

Outro elemento que chama muito a atenção é uma lâmpada fluorescente tubular desenvolvida pela Philips especialmente para o Museu. Trata-se de uma lâmpada comum, porém ela está sem o revestimento de fósforo (aquela “capa” branca que vemos). Assim, quando acesa vemos o fluxo (um risco) do raio ultravioleta em seu interior:

Gente, isso é “lindo de doer”!!!! É para ficar parado na frente dela, olhando, e olhando, e olhando e viajando… Não faz parte da linha de produção e tampouco encontra-se à venda. Também SE – se somente SE – fôssemos aplica-la num projeto, seria para algo meramente decorativo…

Tem também toda a parafernália LED e fibra ótica exposta onde o visitante tem a possibilidade de conhecer o equipamento e visualizar produtos aplicados pelo espaço:

E, claro que não poderia faltar, um espaço para nos fazer refletir sobre a importância da reciclagem das lâmpadas e sobre a sustentabilidade afinal, lidamos e convivemos com produtos agressivos e/ou nocivos ao meio ambiente e à nossa vida:

Enfim, este Museu mostra claramente que A LÂMPADA É

Pois, quem aqui consegue imaginar a humanidade vivendo sem a luz?

Acesse o site do Museu da Lâmpada, agende a sua visita e deleite-se nesse espaço feito para conhecer e para o conhecimento!!!

A Bruninha (olha a intimidade ahahaha) irá recebê-los com esse sorriso lindo e uma simpatia ímpar!!!

E já vou avisando: a Bruna entende muito mais de lâmpadas e iluminação do que muitos profissionais da área rsrsrsrs.

Ah, claro que eu não poderia deixar de citar que o projeto de LD foi feito pelo Everton Cordeiro, projetista da Gimawa.

Um outro detalhe: o sucesso do Museu é tanto que ele mal nasceu e já está prestes à ser ampliado!!!!

Pensam que acabou??

Que nada!!!

Tem mais!!!

A Gimawa, junto com o Museu da Lâmpada ainda montou um auditório onde estão sendo oferecidos cursos de iluminação!!!

Para vocês terem uma idéia, a Philips que teve o LAC (espaço físico) desativado, está começando a oferecer seus cursos lá, a Fasa fibra ótica também e adivinhem???

Fui convidado para ministrar cursos lá também!!!

(UEBAAAA!!!!)

Para ver a grade de cursos já disponíveis acesse esse link.

Finalizando, gostaria – e é mais que necessário – deixar uma nota:

Em nosso mercado brasileiro onde temos empresas (lojistas, fabricantes, etc) nacionais e multinacionais, que movimentam milhões de dólares – algumas mensalmente – ver uma ação desta importância surgir de uma empresa de pequeno porte (se comparada às grandes) deve ser motivo de orgulho não só para ela, para mim, para as revistas e para os visitantes.

Isso deve ser, com urgência, reconhecido pelos governos estadual e federal e também, principalmente, pelas Universidades dando um Título Honorífico à Gimawa Materiais Elétricos dada a importância deste empreendimento que é, aberto ao público e não cobra ingresso, apenas um pré-agendamento pelo site.

Para mim, a Gimawa merece um prêmio diamante, uma distinção de honra e todo respeito e louvor de todos nós cidadãos brasileiros!!!

É motivo de orgulho nacional!!!

Outro detalhe: se você tem filhos em idade escolar e é de São Paulo, a Bruna me falou que eles estão começando a agendar visitas monitoradas para escolas, principalmente as públicas. É só conversar com os professores e direção da escola e pedir para entrer em contato com ela para agendar.

Bom, é isso gente. Não tinha como fazer um post menor. Espero que tenham gostado!!!

N Jeitos

Olá pessoal, vamos nos agendar???

Este ano o N Design será em Belo Horizonte entre os dias 15 e 22 de julho, e eu estarei lá!!!

Também devemos comemorar pois finalmente a área de Design de Interiores/Ambientes conquistou o merecido espaço dentro deste evento tendo uma programação bem mais ampla que nas edições anteriores.

Fui convidado para palestrar no dia 21 de julho e falarei sobre os diversos segmentos que os profissionais podem atuar após formados, que vão bem além dos projetos residenciais e comerciais que aprendemos nas universidades. Também falarei sobre nichos bem específicos do mercado bem como daquelas áreas que exigem, além da graduação, especializaçao e atualização constante.

Também irei participar de uma mesa redonda onde o tema ainda está sendo definido pela coordenação do evento.

E então? Vai ficar de fora???

Entre no site do N Design, faça seu cadastro, monte a sua caravana e vamos nos encontrar por lá ok?

De N Jeitos!!!

Eu, agradeço o convite e fico muito honrado em poder compartilhar com estudantes e profissionais de todo o país um pouco do que sei sobre a nossa área.

;-))

IPOG> Percepção Visual

Bom pessoal, infelizmente eu perdi a oportunidade de assistir ao módulo Percepção Visual aqui em Londrina, agora ministrado pela excelente professora Vivian Ritter (a figuraça da foto à seguir:

Fui no domingo pela manhã até o hotel onde a turma Londrina2 está tendo aulas para pegar uma encomenda com o Sandro e descobri que o módulo era o dela. Fiquei doido pois queria e muito assistir novamente a este módulo.

Para quem não sabe, a Vivian entrou substituindo o antigo professor. Em menos de um ano de casa (IPOG) ela conquistou o primeiro lugar na avaliação geral entre todos os professores do IPOG. Pouco competente a loira aí heim??? ^^

Como estava para começar a apresentação dos trabalhos dos grupos, o Sandro me chamou para assisti-las. Entrei e me surpreendi muito com tudo que vi.

A começar com a forma das apresentações que foi totalmente diferente do que a minha turma fez. Algo bem mais leve porém com um foco preciso não apenas na percepção visual, mas sim, em todos os 5 sentidos humanos.

Não foram trabalhos focados apenas na percepção visual da arquitetura ou da iluminação mas sim trabalhos que exigiam a aplicação de elementos que favorecessem aos usuários a utilizar – consciente ou inconscientemente – seus 5 sentidos.

Por aí já deu para perceber a grande diferença e na qualidade extra que o curso ganhou ao chamar a Vivian para ser professora.

Após o final da aula fomos almoçar (o Sandro como sempre correndo foi voar para Curitiba). Eu, Vivian, a arquiteta e aluna do curso Carina Müller e o Bianco.

Passamos um bom tempo ali no Mercado Palhano papeando sobre assuntos diversos e nos conhecendo um pouco melhor. Idéias surgindo, planos para colocá-las em prática e dando altas gargalhadas.

Com certeza irei à Curitiba assistir à aula dela daqui uns dois meses mais ou menos.

Assim que eu receber o material dela vou degustá-lo e farei um post sobre.

E, Vivian, quero e muito uma entrevista com você aqui no blog ok?

Além de uma mega profissional, é gente boa pacas!!!

Valeu e muito conhecê-la pessoalmente! Daquelas gratas surpresas que a vida nos guarda!!!