TCC: VALOR INSTITUCIONAL APLICADO À COORDENAÇÃO DAS AGRÁRIAS INSPIRADO EM AMACIO MAZZAROPI.

Fazia tempo que eu queria postar esse TCC que orientei, desenvolvido pelo meu ex-aluno Miguel Prado Silva.

Sabe aquele trabalho que dá orgulho orientar, que você vê a cada semana o crescimento do aluno como pessoa e como profissional, que fica evidente o amadurecimento intelectual e que te deixa a certeza de que sim, este aluno está preparado para o mercado?

Pois é, este é o caso.

Não pude postar antes pois ele me pediu para participar do Láurea Máxima Brasil de Design de Interiores, concurso acadêmico da ABD. Ele não foi selecionado entre os finalistas da categoria tecnológico mas tenho certeza que despertou paixão em todos os jurados com este belo e excelente projeto.

Segue o escopo do projeto:

Vê-se constantemente nas IES o cuidado excessivo com áreas comuns onde o nome e o padrão de qualidade das mesmas são facilmente perceptíveis. No entanto, estes cuidados tendem a diminuir conforme adentramos às áreas que não estão diretamente aos olhos do público. É comum que as coordenações e secretarias de cursos não recebam o mesmo cuidado que uma reitoria ou pró-reitorias, por exemplo (à exceção de coordenações de cursos da área criativa). Nesse sentido, percebe-se que estes espaços são, de certa forma, deixados de lado tendo de conviver com mobiliários e equipamentos reaproveitados. Isso gera um olhar de estranheza em todos os envolvidos pois, por mais que os cursos sejam de excelência e tenham diversos títulos recebidos, o descaso com estes espaços e com a qualidade de trabalho nos mesmos apontam para outra direção não refletindo coerentemente os valores declarados pelas IES. Não seriam estes espaços dignos de um melhor tratamento e cuidado tendo em vista que são o cartão de visitas destes cursos? Esta é a questão essencial deste TCC. Infelizmente faz parte do penúltimo grupo de alunos que teve TCC na instituição onde eu lecionava.

O objeto base utilizado na elaboração deste TCC é uma sala de aulas de 121,37m² que fora destinada pela IES para servir como Secretaria e Coordenações dos cursos do Departamento das Agrárias que agrega os cursos de Medicina Veterinária, Agronomia e Zootecnia. É uma sala no piso térreo, na ala frontal da edificação, localizada no Campus II. Por ser face Leste, este espaço recebe insolação direta nas janelas durante o período da manhã e tem uma ventilação natural cruzada facilitada pela disposição das janelas em paredes opostas.

Além dos três coordenadores, trabalham ali três professores de apoio aos coordenadores e duas secretárias: uma para serviços internos e outra para atendimento ao público, totalizando cinco funcionários fixos e três com horários livres. O uso do espaço considera, como já descrito, aspectos de secretaria de cursos e de coordenações: neste local são desenvolvidas todas as atividades de gestão acadêmicas, administrativas e financeiras dos cursos; possui área de espera/atendimento a alunos, corpo docente e visitantes, para armazenamento de documentos e materiais diversos relativos aos cursos e de TCCs, exposição de troféus e premiações recebidos pelos cursos, realização de reuniões, atendimento para professores e convidados externos e área de lanches rápidos – copa.

No levantamento inicial foram detectados problemas gerais que atrapalham o desenvolvimento das atividades por todos que frequentam o espaço. Ficou constatado que não há separação física entre os setores o que prejudica as atividades de todos; visualmente, os coordenadores ficavam expostos e em seus atendimentos, não existe privacidade; o mobiliário já antigo e que não atende as necessidades de armazenamento e guarda segura de documentos nem permite a construção de uma barreira de acesso para o público externo; Acrescente-se ainda, a inexistência da Identidade Visual – seja dos cursos ou da IES – aplicada dentro do espaço. Estes fatores promovem uma desorganização geral do espaço seja por questões estruturais (falta de mobiliário, layout ruim, etc.) ou visuais e estéticas. Tais problemas são de conhecimento comum dentro da IES e há algum tempo as coordenações tentam uma melhoria em sua sala porém, faltava um projeto para a mesma.

A orientação foi realizada com encontros semanais seguindo o padrão exigido pela IES para a elaboração e apresentação de TCCs. Além dos elementos tradicionais como briefing, estudos conceituais e técnicos, levantamentos inloco, pesquisas institucionais sobre os cursos e estudos sobre estilos e cores, foram inseridos pelo orientador outros estudos e abordagens de Design visando a melhor compreensão dos problemas tais como o Design Thinking, a Análise Volumétrica, o Design de Serviços e a correta distinção entre Briefing e Programa de Necessidades. Aparentemente, por ser uma sala ampla para apenas três coordenações, seria fácil a definição dos espaços. No entanto, ergonomicamente falando, o trabalho não foi tão simples dadas as peculiaridades de cada coordenação – e coordenadores – e do restante das áreas solicitadas pelos usuários fixos. A análise volumétrica – estudo através de blocos em 3D – foi necessária para a percepção de elementos e detalhes que poderiam ser modificados em sua dimensão e forma promovendo um melhor aproveitamento dos ambientes projetados além de garantir a correta análise do fluxo e da ergonomia nos espaços.

A região onde está inserido o projeto é bastante rica e tem sua renda predominantemente oriunda do agronegócio. Por este motivo, estes cursos estão entre os principais oferecidos pela Instituição e estão entre os mais procurados. O ponto em comum é a roça (chácaras, sítios e fazendas) onde os profissionais destas áreas atuam no dia a dia. O contato direto com as pessoas destes espaços ajuda a manter as tradições rurais bem como reforça nos estudantes o gosto por este estilo de vida. O jeito “jeca” representado por Amacio Mazaropi no cinema nos traz pistas de como é este modo de vida simples, regada a muito suor no labor diário da roça, uma alimentação simples porém saborosa e a honestidade e honradez pessoal e os fortes laços familiares. Trazer os valores do homem da roça, que descrevem muito bem o dia a dia dos cursos das agrárias, do modo de falar e pensar aos elementos físicos típicos das casas sertanejas da região sudeste do Brasil e que se fazem presente no dia a dia da cidade grande tendo sido incorporado à cultura local.

Dada a complexidade física das necessidades encontradas, o projeto propôs um excelente aproveitamento dos espaços através de um layout justo, racional e sem excessos expressando o cuidado institucional com seus setores. Aliado a isso, trazer para dentro da instituição a “cara” do meio onde os trabalhos são desenvolvidos através de formas, cores, materiais, elementos e detalhes típicos da roça reforça a preocupação na manutenção do elo social da IES com seu público alvo e final.

 

Parabéns meu (agora) colega profissional Miguel Prado!!!

Pró-DInt – Assessoria, Consultoria e Planejamento em DInt.

A necessidade de movimentar-se para sair do lugar comum é uma característica daqueles que buscam a inovação e a melhoria dos diversos aspectos que cercam seu meio profissional. Com isso em mente, entro em uma nova empreitada em minha carreira e passo a oferecer novos serviços através da PróDInt – Assessoria, Consultoria e Planejamento.

Atuar além dos projetos de Design de Interiores e Ambientes brasileiro sempre foi o meu foco buscando trabalhar e auxiliar na valorização, defesa e evolução de minha área profissional. E ainda tem muito a se fazer nesse sentido.

Com base em minha experiência adquirida durante estes anos atuando no mercado, pesquisando exaustivamente para meu blog e minha vivência acadêmica, possuo um bom conhecimento sobre aspectos relevantes para o ensino e prática do Design de Interiores e Ambientes para compartilhar com vocês.

A base de atuação desta nova empreitada está alicerçada sobre quatro esferas:

1) Para as IES e escolas, auxiliar o meio acadêmico através de consultorias e assessorias em suas revisões e atualizações curriculares de graduação e pós-graduação, de planejamentos de atividades de extensão, pesquisa, eventos e análise e treinamento de corpo docente para atuação em cursos de DInt.

2) Para os alunos dos cursos de Design de Interiores brasileiros, assessoria no desenvolvimento de projetos, pesquisas e trabalhos acadêmicos.

3) Para comunicadores e mídia em geral, serviços de consultorias no que diz respeito a projetos de Design de Interiores e Ambientes elaborando e revisando conteúdos e pautas, listas de entrevistados e abordagens de matérias e programas.

4) Oferecer palestras, cursos e workshops focados na real inserção do Design – suas metodologias, técnicas e abordagens – nos projetos de Interiores e Ambientes.

Fiquem a vontade para entrar em contato. É conversando, debatendo e dialogando que evoluímos.

E-mail: prodintconsultoria@gmail.com

Fanpage: https://www.facebook.com/ProDIntConsultoria/

Wpp: (43) 99905-9503

Paulo Oliveira.

Pesquisa: Design de Interiores brasileiro e sua identidade profissional.

Ola meus amigos e leitores!

Solicito a ajuda de vocês neste questionário que elaborei para uma pesquisa que estou realizando.

Fonte: CRED I.

Trata-se da identificação da visão geral que os estudantes e profissionais de DInt tem sobre a área profissional.

ATENÇÃO> Este questionário é destinado APENAS a estudantes e profissionais GRADUADOS (nível superior) em Design de Interiores.

Agradeço aos que puderem responder.

PARA ACESSAR O QUESTIONÁRIO, BASTA CLICAR AQUI.

Att,
Paulo Oliveira

PROJETO COMBOIO UNOESTE – CARRETA ARTISTÍCA

Por:

Lisleângela de Carvalho Leite

Luís Otávio Sanches Barreto

Maísa Bianchi Vieira

 

Projeto apresentado à disciplina de Projeto de Ambientes Institucionais e Serviços, ministrada pelo Prof. Esp. Paulo Oliveira ao 3° termo do curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores da UNOESTE.

 

BRIEFING

  • Empresa: Instituição Unoeste;
  • Finalidade: Levar conhecimento/cultura para cidades da região em um caminhão;
  • Tipo de caminhão: Caminhão Truck, bitrem.
  • Estilo: Artístico (teatro, música e dança);
  • Publico alvo: Moradores de cidades com carência de cultura;
  • Sexo: Feminino e masculino;
  • Idade: todas as idades;
  • Classe social: Todas as classes sociais com foco nas menos favorecidas;
  • Escolaridade: Todas as escolaridades, com foco nas menos favorecidas;
  • Programação visual: adesivagem no baú;
  • Conceito: Arte;
  • Modelo de palco: Palco tipo Italiano;
  • Capacidade de assento de lugares : 236 lugares;
  • Camarins: capacidade para 08 pessoas, no mínimo;

PROBLEMA

O trabalho refere-se ao projeto de um caminhão truck onde seu baú deverá ser adaptado para atender todas as necessidades de um Teatro móvel, o qual também terá apresentações de música e dança. A Instituição UNOESTE visa levar com seu truck das Artes cultura para todas as cidades da região.

Este trabalho busca apresentar procedimentos para o tratamento acústico de baú buscando analisar o uso adequado de materiais acústicos e condições que permitam à a inteligibilidade e audibilidade plateia, relatando formas e tamanhos adequados de aberturas, utilização de elementos decorativos com aplicações corretas de materiais difusores e absorventes, localização adequada caixas de som e mesa de som e iluminação, tempos de reverberação em relação a volume e finalidades especificas para a atividade a ser desenvolvida.

O QUE É?

Teatro

O termo teatro deriva do grego theatrón, que significa “lugar para contemplar”. O teatro é um dos ramos da arte cénica (ou performativa), relacionado com a atuação/interpretação, através do qual são representadas histórias na presença de um público (a plateia). Esta forma de arte combina discurso, gestos, sons, música e cenografia.

É uma forma de arte na qual um ou vários atores apresentam uma determinada história que desperta na plateia sentimentos variados. Imprimir dramaticamente às próprias palavras e/ou atitudes, para suscitar comoção ou interesse.

Pode expressar a realidade. Neste caso, torna-se instrumento de divergência, advertência, ensinamento, documentação e instrução. As formas pelas quais se desempenha essa missão são diferentes e variadas.

Dá-se o nome de dramaturgia à arte de escrever peças de teatro, sendo o dramaturgo a pessoa responsável pela composição dos textos.

Existem muitos gêneros de teatro, dentre os quais destacam-se: auto, comédia, drama, fantoche, ópera, musical, revista, tragédia, tragicomédia.

Dança:

É a arte de movimentar expressivamente o corpo seguindo movimentos ritmados, em geral ao som de música. O significado da dança vai além da expressão artística, podendo ser vista como um meio para adquirir conhecimentos, como opção de lazer, fonte de prazer, desenvolvimento da criatividade e importante forma de comunicação. Através da dança, uma pessoa pode expressar o seu estado de espírito. A dança pode ser acompanhada por instrumentos de percussão ou melódicos, ou ainda pela leitura de diferentes textos.

Música:

É a combinação de ritmo, harmonia e melodia, de maneira agradável ao ouvido. No sentido amplo é a organização temporal de sons e silêncios (pausas). No sentido restrito, é a arte de coordenar e transmitir efeitos sonoros, harmoniosos e esteticamente válidos, podendo ser transmitida através da voz ou de instrumentos musicais.

A música é uma manifestação artística e cultural de um povo, em determinada época ou região. A música é um veículo usado para expressar os sentimentos.

A música evoluiu através dos séculos, resultando numa grande variedade de gêneros musicais, entre eles, a música sacra ou religiosa, a erudita ou clássica, a popular e a tradicional ou folclórica. Cada um dos gêneros musicais possui uma série de subgêneros e estilos.

NECESSIDADES

Espaço cênico: O assunto principal deste elemento é o Palco. A primeira parte desta série de matérias será sobre os diferentes tipos de palcos e suas histórias.

Cenografia: Cria e transforma o espaço cênico. Técnica que organiza os elementos que representarão os lugares onde acontecem as cenas, as ações.

Iluminação: Parte técnica muito importante para o teatro, pois através dela é possível ambientar as cenas e ampliar as emoções que estarão contidas nas mesmas.

Sonoplastia: Técnica que une um conjunto de sons (vocais ou instrumentais) para destacar ações de uma cena. A música tem função semelhante à iluminação: enfatizar cenas, emprestar-lhes maior ou menor conteúdo dramático e reforçar os sentimentos expressos pelos atores.

Figurino: Conjunto de acessórios e vestimentas, usados pelos atores em cena, que facilita a compreensão dos personagens. Possui funções específicas no contexto, como marcar a própria presença, chamar a atenção e dar destaque a determinadas partes do corpo.

Maquiagem: Elemento fundamental, que faz parte da composição do espetáculo, auxiliando na criação do personagem e na transformação estética dos atores, servindo também para fazer modificações da aparência do rosto ou de partes descoberta do corpo, a fim de adequar essa aparência aos efeitos singulares das luzes de cena.

CORRELATOS

O presente projeto utilizou ambientes arquitetônicos de teatros, bem como teatros móveis para entender as necessidades das atividades que ocorrem nesses espaços. Foi observado que tais atividades exigem ambientes específicos, tais como: caixa cênica, coxia, camarins, plateia, equipamentos de som e luz, entre outros.

Esses espaços dependem de materiais que ajustem os efeitos de forma flexível, pois trata-se de espetáculos culturais que envolvem a necessidade acústicas de forma inteligível em situação itinerante.

Entretanto, os projetos de tetros móveis observados utilizam pequenos espaços e de forma improvisada.

Nota-se que através de estudos e análises, o profissional de Design de Interiores pode atuar de forma a atender as necessidades desses ambientes móveis, sem perder a qualidade oferecida nos ambientes arquitetônicos.

Assim, o presente projeto teve como desafio ajustar o baú do truck para ganhar espaço nos ambientes. Por maior que fosse o baú escolhido ainda não atingia a proporção desejada nesse projeto. Através do sistema hidráulico pode-se alcançar a expansão desejada da caixa cênica e demais espaços.

Para isso, foi necessário estudos de sistemas hidráulicos, trilhos, formas de aberturas com embasamentos em empresas especializadas em maquinas que existe uma variedade de suportes nesse sentido, o que demonstra ser possível e viável tal utilização no presente projeto. Ressalta-se que são necessários profissionais competentes da área de engenharia elétrica e mecânica para executar tal projeto juntamente com o Design de Interiores.

Portanto, este projeto utilizou as experiências já realizadas nesse sentido e adequou de forma ousada, flexível e segura atingindo assim resultados satisfatórios quanto ao atendimento das necessidades oriundas das atividades artísticas desse projeto.

DIFERENCIAIS SOCIAIS

Para o público alvo de Prudente e região temos gostos ecléticos, mas o sertanejo e a moda de viola estão ligados às raízes das famílias que viveram no campo e da cultura agropecuária, assim como, eventos regionais influenciaram com musicas de axé (trio elétricos). Em algumas localidades ou bairros afastados, há também a predominância do funk e Rap. No caso de público infantil, teatro, danças e musicas que levam conhecimento em geral, os folclores e clássicos infantis.

O teatro pode se desenvolver em vários níveis: na socialização, criatividade, coordenação, memorização, vocabulário. Ajuda a expressar, comunicar, e também a perceber traços da personalidade, do comportamento individual e em grupo, do seu desenvolvimento. O teatro também ajuda na cooperação e na socialização, pois envolve o grupo inteiro.

Pode ser um instrumento para educar, preparar para a vida prática na sociedade e ao mesmo tempo proporcionar lazer.

A música propicia a abertura de canais sensoriais, facilitando a expressão de emoções, ampliando a cultura geral e contribuindo para a formação integral do ser.

No que diz respeito à dança, esta não se resume em aquisição de habilidades, mas sim, contribui para o aprimoramento de habilidades básicas, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo. Segundo os PCNs ( 2003), a dança é uma forma de integração e expressão tanto individual quanto coletiva, em que o aluno exercita a atenção, a percepção, a colaboração e a solidariedade. Ela atua como elemento transformador, pois, sem dúvida, promove em quem dela participa a aceitação de si mesmo e uma maior receptividade nos relacionamentos com os outros, mediante o envolvimento que se estabelece num trabalho prático.

 

OBJETO BASE DO PROJETO

Bitrem ou treminhão:

01

É uma combinação de veículos de carga composta por um total de seis eixos, que permite o transporte de um peso bruto total de 57 toneladas. Os semirreboques dessa combinação podem ser tracionados por um cavalo-mecânico trucado.

O baú do projeto terá comp. 14m, alt. 3,37m e larg. 2,60m. O primeiro baú terá um sistema de gaveta hidráulica horizontal que amplia a largura total do mesmo para o lado esquerdo, que por sua vez, abre outra gaveta, no sentido vertical, dando altura para a caixa cênica (para o palco). Esses deslocamentos serão dados pelo sistema hidráulico. haverá também o deslocamento horizontal da lateral direita para proporcionar mais profundidade e condições de alocar adequadamente a cozia e os camarins.

Escolheu-se esta carreta para nosso tema, teatro, por haver a necessidade de espaço para acoplar todos os materiais necessários para os efeitos (tanto em comprimento, largura e altura). E como utiliza-se materiais muito pesados, pensou-se na que melhor suportaria esta carga. A escolha de um bitrem (segundo baú) é dada pela necessidade de um baú para guardar as arquibancadas retráteis, e o material que usará como piso para a mesma, caixas de som, tenda, dentre outras necessidades.

MEMORIAL TÉCNICO

O tema deste projeto é a Arte onde engloba o Teatro, a música e a dança, onde serão adaptados os baús de um bitrem com comp. 14 m, alt. 3,37 m e larg. 2,60m. O primeiro baú terá uma “gaveta” de 10 m centralizada que se abrirá para o lado esquerdo ganhando profundidade e outra dentro desta, abrindo-se para cima proporcionando a altura para a caixa cênica. Os dois metros intactos do baú que sobram para os lados estarão os banheiros no mesmo sistema dos de ônibus. Para a abertura que dá largura para os camarins tem-se a mesma ideia da abertura do palco, abre-se como outra gaveta na lateral direita do baú, com a mesma medida de 10 m. Esses deslocamentos serão todos dados por sistemas hidráulicos. Ainda lembrando-se que na traseira do baú tem-se uma porta com altura total do mesmo (descontando-se as medidas do piso e de teto) e sua largura de 1,48 m. A fixação destas aberturas é dada pela plataforma tucklift horizontal o qual é formado por um sistema hidráulico compacto e provido de válvula de segurança. Observe as imagens para entender o sistema:

A

Baú fechado.

Palco: etapa 1.

Palco: etapa 1.

Palco: etapa 2.

Palco: etapa 2.

Palco: etapa 3.

Palco: etapa 3.

Palco aberto: Vista superior.

Palco aberto: Vista superior.

Camarins: baú fechado.

Camarins: baú fechado.

Camarins: etapa 1.

Camarins: etapa 1.

Camarins abertos: Vista superior.

Camarins abertos: Vista superior.

Escolheu-se esta carreta para tal tema, por haver a necessidade de espaço para acoplar todos os materiais necessários para os efeitos (tanto em comprimento, largura e altura). E como utiliza-se materiais muito pesados, pensou-se na que melhor suportaria esta carga. A escolha de um bitrem é dada pela necessidade de um segundo baú para guardar as arquibancadas retráteis, o material que usará como piso portátil, caixas de som, tenda, dentre outras necessidades.

Valendo-se ressaltar que o projeto teve parceria de engenheiro mecânico para analisar a proposta da parte estrutural da carreta.

Fazendo parte da composição do teatro tem-se os Mecanismos Cênicos, onde as varas de iluminação, cenário e vestimentas são movimentados para a montagem de cada apresentação, fixação de cenários, refletores, etc. Esses mecanismos de suspensão são constituídos em sistemas motorizados, pois apresenta maiores condições de segurança e operabilidade. O sistema de motorização consiste em varas ajustáveis através de motores e tambores de recolhimento de cabos, que são simplesmente comandadas por um quadro touch-screen. Juntamente com esta motorização, fez-se a automação dessas varas tornando-se um sistema seguro, onde qualquer peso excedente faz com que o sistema inteiro pare. Esses mecanismos ajudam na fácil configuração e instalação do espaço cênico para abrigar uma variedade de espetáculos.

A Vestimenta Cênica tem como destaque protegendo o palco a cortina de boca e o lambrequim. A cortina de boca é instalada na abertura da boca de cena, podendo ser utilizadas diversas formas de aberturas de acordo com o tipo de apresentação que será realizada. O lambrequim tem um corte reto e é ajustável em sua altura para ajudar a esconder da plateia os equipamentos instalados no teto e dando também o acabamento a cortina de boca. Dentro da caixa cênica já estão os reguladores, que se dividem em horizontal e vertical, cuja função é definir a altura e largura da boca de cena em cada apresentação. Em seguida temos as pernas que estão localizadas nas laterais do palco e escondem o que acontece nos espaços da coxia. Já as bambolinas que são penduradas em varas de cenotecnia ocultam da plateia as varas de cenário quando recolhidas, ou as varas de luz. Essas varas de cenotecnia se dividem basicamente em 3 tipos: as varas de iluminação, responsáveis por comportar os refletores de luz; as varas de cenário, e as varas de vestimenta cênica que se subdividem em: as bambolinas, as pernas laterais, a rotunda e o ciclorama. A Rotunda consiste em um pano de fundo com a função de delimitar a profundidade do espaço cênico no palco, e o Ciclorama que consiste em uma tela branca que tanto pode ser usada para efeitos com luzes, como para ser projetados filmes e imagens a partir de um sistema de reprodução. E por fim tem-se a concha acústica constituída por peças de madeira em que se encaixam com sistema macho-fêmea com a finalidade de refletir o som para plateia.

O tratamento da qualidade sonora interna é denominado tratamento acústico e incide no acabamento que é dado às paredes com o intuito de diminuir a reflexão das ondas sonoras dentro do ambiente interno, (fenômeno de reverberação) com o desígnio de melhorar a inteligibilidade do som. Sendo assim, foi utilizada como revestimento de chão para o palco, local das apresentações feitas, a madeira freijó, uma madeira resistente e ao mesmo tempo não muito dura. Para instalação construiu-se uma estrutura metálica para a colocação dos barrotes e eventualmente do assoalho. Já para as áreas da coxia e camarins foram dispostos o carpete, qual preenche duas funções: para revestir pisos e para absorver o som, assim evitando que toda a correria interna não venha a chegar à plateia. A capacidade do carpete em absorver sons (música, vozes) é de até 10 vezes maior a dos outras espécies de revestimentos. Além disso, consegue-se diminuição de ruídos de superfície (impacto de quedas, arrastar, andar) o que faz do carpete um ótimo isolante acústico. Eles são também muito seguros, evitam escorregões e deslizamentos que podem provocar quedas com efeitos mais ou menos sérios. E, mesmo que elas ocorram a sua capacidade de amortecer é superior a dos outros tipos de revestimentos.

Outro elemento que compõe os bastidores são as placas acústicas utilizadas nas paredes e teto. Elas proporcionam uma ótima acústica e são sustentáveis. As referidas placas harmonizam a nitidez das palavras e o conforto, reduzindo os níveis de ruídos dos ambientes. A sua geometria superficial adapta a difração do som, ou seja, reduz a distorção das ondas causadas por obstáculos, enquanto sua estrutura celular promove absorção sonora através do atrito. Sua excelente capacidade de absorção é graduada pelas diferentes espessuras, dando a redução de ruído e conforto acústico.

Comumente, o tratamento acústico interior é feito com materiais leves e porosos, com boa idoneidade de absorção, tais como espuma, tecido ou carpete, por contraste com os materiais pesados usados para isolamento acústico. Estes materiais em geral são eficientes para absorver agudos, por terem tamanhos de onda pequenos, e assim qualquer pequena irregularidade do material é capaz de atenuar a energia da onda sonora. Já no caso dos graves, é necessário designar dispositivos compatíveis com os tamanhos de ondas grandes, o que é feito com painéis específicos de amortecimento que vibram com os graves e também concentram a energia dessa vibração, não retornando a onda ao espaço.

Quanto mais perto as caixas de som estiverem com o publico, menor será a necessidade de aumentar o volume do equipamento, sem dizer que o publico também abafará uma boa parte do som emitido pela fonte sonora. O som se propaga em linha reta em todas as direções, sendo assim, o lugar deve ser estudado para a locação ideal das caixas de som, as quais devem ser dispostas e norteadas de forma a diminuir a vazão do som.

Outro componente de suma importância é o tratamento feito a partir da cabine de comando, capaz de regular de várias maneiras as configurações de áudio do palco e da plateia, deixando configurações pré-determinadas.

A Cabine de Comando é composta por mesas de comando de luz cênica e som, os equipamentos de áudio e os painéis de controle da luz da plateia.

É essencial a iluminação aplicada no espaço cênico, devendo ser inteiramente controlável e flexível, de forma que se habituem às mais diversas apresentações que o espaço puder comportar. Por isso, a dimerização dos pontos de iluminação cênica é imprescindível. Os dimmers são unidades de potência que proporcionam o controle da luz com intensidades variáveis em todos os refletores, a cada cena. Estes são programados e controlados diretamente da cabine de comando durante uma apresentação.

Outro elemento indispensável são estruturas metálicas para dois outros elementos usados nos teatros. A primeira delas é a varando de palco, que são estruturas metálicas levantadas nas laterais e nos fundos do palco para manobra e manutenção na parte elevada do palco. A outra é a passarela, que são construídas em estruturas metálicas acima da plateia, tendo como emprego permitir o acesso às varas de iluminação e os refletores de luz.

Dos ogros, invejosos e mal resolvidos…

Vejam bem como são as coisas minha gente. Um amigo me pediu para escrever um texto falando sobre briefing relacionado à marcenaria. Ele havia publicado um vídeo falando sobre isso e notei alguns pontos errados no seu entendimento do que é o briefing realmente. Conversando com ele, me solicitou que escrevesse um texto explicando o que eu havia conversado com ele inbox no facebook. Segue o texto:

“Briefing na marcenaria? (Parte I)

À pedido do Luiz Mariano vou tentar descrever o processo relativo à busca e ao entendimento sobre o que o cliente deseja, na visão da marcenaria.

Primeiramente, já afirmo que não consigo ver o “briefing” (na exata concepção da palavra) como uma ferramenta de marcenaria. Vejo sim, no lugar deste, algo semelhante ao programa de necessidades – que é bem diferente.

O briefing é uma ferramenta bastante complexa que não tem um momento para começar e, tampouco, para terminar. É um processo em andamento, evolução e adaptação constantes. Não é algo que se faz em uma ou duas reuniões com o cliente.

Para esta minha abordagem devo, antes de tudo, fazer uma distinção entre o Design de Produtos e a Marcenaria (por serem os mais próximos).

Quando o designer é chamado para criar um novo produto a sua análise (briefing) sobre o problema em busca das possíveis soluções, vão muito além do “querer” de um determinado cliente. Esta análise passa, entre outros pontos, pela análise de mercado, pesquisa de materiais, capacidade de produção (seriação) e distribuição, concorrência, diferenciação, prototipagem, avaliação, ajustes, etc. Processos que não acontecem na Marcenaria.

Já sei, alguns já estão pensando: então os designers de interiores também não utilizam o briefing!

ERRADO!

Utilizam sim e muito, apesar desta ferramenta ser ensinada de forma errada na academia quando colocam o programa de necessidades como se fosse o brieffing. A diferença entre o trabalho sobre um determinado espaço feito pelo Design de Interiores daquele desenvolvido pela Marcenaria é bem diferente. Enquanto o Design de Interiores se preocupa com diversas variáveis que comporão o espaço no total (mobiliário sob medida e pronto, uso e usuários, acessibilidade e ergonomia plenas, luz, texturas, conforto ambiental, “stimmung”, problemas, estética, etc), a Marcenaria lida com aspectos específicos de mobiliários sob medida para solucionar determinado problema.

O mais correto, no meu ponto de vista, é a Marcenaria adotar a abordagem mais próxima do programa de necessidades (lembrando que este é apenas uma etapa do briefing). Explico:

Digamos que você, marceneiro(a), foi chamado por um cliente para fazer o closet. O primeiro ponto a levantar é o espaço disponível. Aí pode-se conversar com o cliente enquanto analisa este espaço em busca de informações estético-funcionais. Porém, o problema maior não é este e sim “o que e quanto” terei que acomodar nos armários. Pense num casal de advogados, como exemplo. Ele tem diversos ternos, sapatos, camisas, gravatas, outras roupas, cabans e sobretudos, etc. ela tem diversos tailleurs (terninhos), incontáveis sapatos (4 pares de botas cano alto-duro)e bolsas, jóias e bijoux, vestidos longos, saias, outras roupas, etc. Aliado a isso, vale lembrar que os closets sempre acabam servindo também para guardar outras coisas, como por exemplo, enxoval.

E aí, quanto espaço cada um deve ter para acomodar tranquilamente suas coisas? Quanto espaço deve ser destinado para o enxoval? Você sabe quanto espaço (volume) essas coisas todas ocupam? Você tem idéia de quanto espaço 5 jogos de cama king, completos, ocupam quando guardados? UM edredom queen ao menos?

Não entendeu ainda? Passemos então para a cozinha da vovó.

Estes são sempre os ambientes mais complexos para dimensionar. E para isso devemos saber exatamente TUDO o que será guardado ou exposto além, é claro, do que está por ser comprado ainda. Pegando um apartamento atual (raros dispõem de despensa), qual o volume necessário para guardar todos os talheres e utensílios, as panelas, vasilhas, travessas, baixelas e caçarolas, os jarros, copos, taças, xícaras, os aparelhos de jantar, chá e café, os potes plásticos, os mantimentos e temperos, os equipamentos como forno, fogão, micro-ondas, geladeira e exaustor/coifa, utilitários como batedeira, liquidificador, triturador, centrífuga e cafeteira entre tantos outros objetos e “coisas” que temos dentro de uma cozinha?

Qual o volume de um aparelho de jantar completo para 12 pessoas (incluindo os talheres, copos e taças) para que sejam guardados sem o risco de danos às peças (por empilhamento) ou acidentes pessoais por lotação de compartimento dos armários?

Aliado a esta análise, entra todo o conhecimento de vocês, marceneiros(as), sobre o material mais adequado às necessidades físicas do móvel e do modo e processo de montagem dos mesmos. O encaixe tipo escama para uma cabeceira de cama pode não ser a melhor opção pois a mesma pode deslocar-se bem como, existem diversos tipos de dobradiças, algumas bem específicas e também os pistões que não devem ser utilizados apenas porque estão na moda.

Assim, fica claro que o uso do termo briefing aplicado à Marcenaria é equivocado.

Espero, através de exemplos, ter contribuído um pouco com este debate.

garfield10

 Pois bem, escrevi este texto como uma parte introdutória apenas. Com o tempo iria escrever a sequência baseado nos questionamentos levantados pelos membros de seu grupo para complementar o assunto. Iria ser um “be-a-ba” mesmo.

Mas sempre existem os ogros, os mal intencionados, os invejosos, os maledicentes, os recalcados e ignorantes. Bastou que o Luis Mariano postasse o texto para estes aparecerem vomitando toda a sua ignorância, em estado pleno e em êxtase.

De pronto já desviaram o foco do texto impondo, como seu tivesse escrito, que briefing é apenas uma ferramenta para diplomados. Outro ogro chegou até mesmo a questionar se marceneiros poderiam utilizar autoCAD e outros programas.

Como não faço parte do grupo, que é secreto, muitos que me bajulam em público aproveitaram a oportunidade para descer o porrete em mim e distorcer a cada novo comentário o meu texto. Argumentação? ZERO!

Passaram então a me atacar questionando a minha capacidade profissional seja como designer, lighting designer, educador além, é claro, de minha pessoa. Termos como arrogante, entre outros, permearam os ataques pessoais. Ataques estes vindos de um bando de baba ovo de um invejoso e mal resolvido que adora me perseguir pelas redes sociais e não mede esforços em me citar de maneira pejorativa, com ataques grosseiros, vis e baixos.

Não vou me estender por aqui sobre este assunto, mas fato é que não vou dar continuidade nesta ajuda que estava dando a um amigo meu. Prefiro voltar minha energia e fritar meus neurônios com meus livros que estou escrevendo.

Uma coisa muito séria que aprendi, especialmente ano passado, é que quando o outro lado não está disposto a entender de nada adianta suas tentativas, nem desenhando. Também que pessoas mal intencionadas são incapazes de ler qualquer coisa sem fazê-lo através de sua régua interna distorcendo, deturpando, desviando, relativizando e inserindo palavras que não existem no discurso alheio. Cada um entende o mundo de acordo com a sua capacidade intelectual (ou falta dela) e isso, como docente, sei muito bem como funciona. Especialmente quando estes dois aspectos se cruzam numa mesma mente doentia.

Mas, gargalhando, percebo que todos aqueles não passam de ogros mal resolvidos.

Sinto pena? Não!

Sinto dó? Também não!

Sinto compaixão? Menos ainda…

DESPREZO TOTAL E ABSOLUTO. SIMPLES ASSIM.

Fato é que eu nunca precisei pisar em ninguém, humilhar quem quer que seja, atacar pessoas e fazer qualquer outra ação típica de recalcados invejosos para ser quem eu sou hoje. Fiz meu nome profissional, ganhei respeito no meio acadêmico e fora dele sem precisar fazer nada disso, mesmo quando estive sobre ataques pessoais.

Sempre fui (e continuo sendo) combativo na argumentação. O problema é quando o outro lado perde o argumento e deixa aflorar seu lado barraqueiro partindo para o lado pessoal. Desses, só rio.

Diante disso tudo, sou convidado constantemente para os maiores eventos de minha área aqui no Brasil e, tenho certeza, isso é apenas um dos elementos que faz com que estes invejosos se contorçam, com seu veneno corroendo suas vidinhas medíocres e pobres em todos os sentidos. O convite para ser colunista da Revista Lume Arquitetura também não foi comprado e tampouco precisei disputa-lo com ninguém > é um presente em reconhecimento da competência e credibilidade de meu nome profissional.

E este blog, com quase 2 milhões de acessos, também não ganhou o respeito internacional e tornou-se referência bibliográfica à toa ou na base de chantagens, baixarias e fofoquinhas.

Então, fica aqui a dica para estes pobres coitados:

bitch

Façam por merecer se querem, algum dia, serem respeitados.

E vão sonhando.

Podem até delirar silenciosamente

“AH, EU QUERO SER PAULO OLIVEIRAAAAA!!!”

Só que não é assim que conseguirão. Sejam, no mínimo, gente decente.

E me dêem licença bando de BITCHES,

I’M PAULO OLIVEIRA!!!!!

Mais do mesmo de sempre

É gente, é assim que me sinto toda vez que abro meu reader. Na verdade eu já logo com o pensamento:

“Prepare-se para ver mais do mesmo de sempre…”

Porque digo isso? Simples. A grande maioria dos sites e blogs são meras ferramentas de replicação de informações e imagens que já foram replicadas por outros que replicaram de outros. Então caímos naquela velha história das tendências e modismos de sempre.

Vou começar este post fazendo uma análise de um debate que ocorreu anteontem no grupo deste blog lá no facebook e que, na verdade, me encorajou a escrever sobre esse tema. Observem a imagem:

Pois bem. O que vocês acham desta poltrona?

Para mim, tem cor demais, geometrismos demais, confusão visual demais. Comentei com o arquiteto José Carlos sobre isso. SE eu fosse comprar uma dessas tiraria o excesso de cores do estofamento. Assim a moldura da base ficaria mais visível, mais perceptível. E, certamente, mais confortávem para aqueles que não se sentem à vontade diante de tantas cores (sim existem pessoas assim).

Menos é mais ou mais é mais? Diferenças de escolas do passado com as de agora? Evolução? O que foi que levou à este tipo de situação que vemos nos dias de hoje?

No meu ponto de vista sim, há grandes diferenças entre as escolas. A principal delas é que hoje em dia, na maioria das escolas os estudantes chegam à fase do TFG (ou TCC) totalmente despreparados para fazê-lo. Infelizmente é isso que temos visto. E não é mentira não. É só olharem a quantidade de gente comprando trabalhos prontos ou pagando pra algum profissional desocupado fazê-los. O pior é que estes alunos recebem o canudo pois temos, especialmente dentro das IES privadas, uma quantidade absurda de pessoas totalmente despreparadas para atuar como educadores, professores. Mas estão lá, pois são amiguinhos da corte.

Vejo, com tristeza, muitos trabalhos expostos na e-vitrina onde o trabalho do designer que deveria aparecer está cedendo lugar apenas à meras questões decorativas. Outros, um amontoado de móveis comprados prontos em lojas e soluções mais que duvidosas para os problemas apresentados. (Problemas? SIM! O Design serve para solucionar problemas!)

Isso não é Design de Interiores. Isso é Decoração. E não é para isso que estudamos tanto. Para fazer o que tenho visto pela web, bastam aqueles cursinhos de finais de semana de decoração ou, como dizem alguns congressistas, basta ter bom gosto.

O que isso tudo tem a ver com a poltrona? Simples, vou explicar.

A Maria Alice Müller postou na sequencia o seguinte:

“Gente, peralá: isso é Alessandro Mendini! O cara queria era cor! Tirar cor, de qualquer canto deste “monumento do design”, num dá…”

Bingo! Aí que chegamos à mola propulsora deste post! (Ma, não tem nada a ver diretamente com você o que vou escrever daqui pra frente. Te conheço e sei que você não é o que vou retratar à seguir ok?).

Quer dizer então que apenas por ele ser quem é temos de engolir mesmo que atravessado? Apenas porque a mídia o fez famoso temos de aceitar tudo dele? Apenas por ele ser quem é não podemos criticar ou duvidar de seu trabalho?

Calma lá, as coisas não são bem assim.

Volto a colocar o que já escrevi algumas vezes aqui sobre Karin Hashid. Para mim ele, hoje, é apenas mais um. Seus projetos tornaram-se repetitivos demais. O seu forçar de impor a cor pink de maneira exagerada aliada sempre às mesmas formas tornaram o seu trabalho repetitivo, cansativo e, não criativo. A cada novo projeto dele que aparece na mídia fico me perguntando: de qual gaveta ele tirou isso tudo?

Não entenderam a indagação? Vocês nunca ouviram falar em “projetos de gaveta”? Aqueles que alguns profissionais fazem e largam em alguma gaveta. Quando aparece algum cliente ele escolhe o que se encaixa melhor no perfil do cliente, faz umas poucas alterações e bingo! Ganha do cliente sem trabalhar como realmente deveria. Pois bem. Hashid para mim parece isso: um cara que monta uma enorme colcha de retalhos das gavetas, pega um elemento de um projeto, outro daquele outro projeto, vai juntando tudo num desenho e pronto.

Para “baba ovos” é o máximo. Para mim, é nada. Já deu.

Karin não se reinventa, não aceita críticas. É o rei e ponto final. Até mesmo o mesmo terninho rosinha de sempre não muda…

Mas como eles chegaram à isso? Por causa das malditas tendências que NUNCA deveriam existir ou imperar dentro da arquitetura e do design. A técnica e a estética deveriam impor-se sobre todas as outras faces de um projeto. Mas o que temos visto é apenas um festival de ctrlC+ctrlV apenas porque “está na moda”.

Engraçado que as pessoas não se tocam que o que aparece nas revistas está ali simplesmente porque o fabricante PAGOU PELO ANÚNCIO. Raras vezes vemos algo que foi colocado de maneira espontânea ou por sua real relevância seja estética ou tecnológica. É um mercado movido à jabá: pagou, apareceu!

E ninguém questiona isso e fica tudo por isso mesmo.

Zaha Hadid é uma arquiteta que está em alta ja faz algum tempo.  É daquelas que leva o orgânico ao extremo para criar suas formas. Porém ela mesma percebeu que seu trabalho estava ficando repetitivo e de um ano para cá comecei a perceber algumas mudanças sutis em seu estilo. Quem olha um projeto feito por ela hoje percebe uma grande diferença dos da época em que ela explodiu na mídia tornando-se a queridinha e referência mundial. Mas ainda assim, mantém um quê de mesmice. Diferente do Hashid, ela está mudando e podem ter certeza de que em breve seremos brindados com projetos espetaculares dela bem diferentes dos que já conhecemos.

Devo ressaltar que, como bem colocou o José Carlos lá no grupo, são escolas diferentes. Onde é que foram parar nos currículos atuais aquelas disciplinas que faziam o aluno pensar, analisar, criticar, discordar? As poucas que restam foram transformadas em “veja a imagem e não pense sobre, apenas aceite”. Não há mais a solicitação dos professores para que os alunos escrevam, soltem suas idéias e pensamentos, a sua visão, explorem a capacidade de seus cérebros além de um ctrlC+ctrlV.

Como professor, creio que uma disciplina é mais que urgente nos cursos de arquitetura e Design: Análise e Crítica. Esta deveria vir em dois módulos sendo o primeiro no início do curso e o segundo, antecedendo o TCC. Mas com professores realmente preparados para tal disciplina e não leitores ávidos do “Cafofo da Cráudia”.

Já fiz alguns posts aqui no blog sobre este assunto como podem ver aqui e aqui. Recebi duras críticas ao primeiro principalmente referentes à questão maior: você não entendeu o partido que ele adotou, deve respeita-lo e não critica-lo.

Discordo. Ele não é rei nem senhor absoluto do saber. Analiso pelo que a imagem fotográfica ou real me mostra. Pelo que percebo quando entro no espaço. Uso meus conhecimentos para buscar erros e acertos, problemas e soluções. Se ele não aceita críticas, que vá viver isolado da sociedade. Se ele acha que seu trabalho é tão perfeito que não merece ser criticado, que funde um reino e monta a sua corte com seus “baba ovos”.

Essa idéia equivocada de não criticar é que tem levado a arquitetura e o design ao calabouço da mesmice.

Bom, o que quero dizer com isso tudo? Simples:

Tem muitos profissionais tão ou muito mais competentes que estes que figuram na grande mídia mas que simplesmente não aparecem pelo simples fato de não ter $$ pra bancar o amargo jabá cobrado pela mídia.

Nesse sentido, quero indicar alguns excelentes sites (que acompanho pelo meu reader) para que vocês acompanhem diariamente:

1 – Arch Daily

2 – Contemporist

3 – Yanko Design

Não, não quero que vocêsprestem atenção ou percam tempo lendo matérias sobre Karin Hashid, Zaha ou Alessandro que porventura apareçam nestes sites e sim, que observem atentamente os projetos de outros profissionais que aparecem por ali. Irão perceber claramente que temos profissionais muito melhores que estes citados mas que não conseguem atingir a grande massa por passarem despercebidos diante do brilho das “estrelinhas”.

Aqui no Brasil mesmo tem profissionais fantásticos, excelentes mas que não aparecem na grande mídia, no “Cafofo da Cráudia” ou onde quer que seja simplesmente por não ter condições de bancar o alto valor do “jabá”. Logo, as referências acabam sendo sempre as mesmas.

Lembro-me de, ano passado, terem saído em TRÊS edições seguidas, matérias com o mesmo profissional. E, ara quem é um mínimo crítico, sacou que ele estava ali não por sua genialidade ou criatividade pois, apresentando o seu melhor, mostrou ser apenas mais um na linha da mediocridade.

Para quem sempre me pergunta “de que fonte você bebe” ou “onde você encontra estas coisas maravilhosas”, a resposta está, principalmente nestes tres links acima.

Bom, por hoje é isso.

Abraços.

;-)

Negativista?

Ainda ontem recebi pelo facebook críticas de um amigo meu sobre o meu blog. De uma maneira geral a crítica era que eu sou muito negativista, pessimista e “dono da verdade” apesar de reconhecer que sou muito bom no que faço.

Tem a ver também com alguns comentários que recebo vez ou outra aqui no blog ou por e-mail.

Bom, então vamos esclarecer alguns pontos:

1 – Não “puxo o saco” e tampouco “babo ovo” de ninguém.

A minha ética pessoal e profissional não me permitem passar a mão na cabeça de quem quer que seja. Não estou à venda e nem o meu blog, tanto que não tenho patrocinadores e não sou ligado – nem citado – por aquela que se diz “a maior e melhor revista de decoração do Brasil”. Não me importo e não preciso disso pois jamais vou assinar um contrato onde uma das cláusulas me proibe de “falar mal” da tal revista ou de produtos ligados à editora.

2 – Prática profissional

O que tento deixar claro é a diferença entre um projeto de iluminação feito por arquitetos e designers e os projetos de lighting design feitos por Lighting Designers e a necessidade real da contratação deste profissional além do arquiteto decorador ou do designer de interiores/ambientes.

Não vou enganar meus leitores e muito menos os clientes alegando que arquiteto ou designer tem uma ampla formação e que eles são capazes de fazer projetos de lighting design pelo simples fato disso ser uma INVERDADE! Se fosse verdade, o MEC não autorizaria os cursos de especialização, não existiriam associações internacionais de Lighting Design e muito menos teria sido assinada, por unanimidade, a Declaração para a Instituição Oficial da Profissão do Designer de Iluminação de Arquitetura, no PLDC realizado em 27 de outubro de 2007, na cidade de Londres, Inglaterra.

Arquitetos e designers – ou qualquer outro profissional – não especializados fazem projetos de iluminação comum e “da moda”, dentro de seus parcos conhecimentos sobre o assunto. Bem diferente dos especialistas em Lighting Design que estudaram e estudam diariamente, aprofundando-se em pesquisas e práticas exclusivas na área de iluminação e lighting design.

3 – Receitas de bolo

Várias críticas me chegam com alegações de que eu aponto o erro mas não mostro como resolver os problemas.

ÓBVIO que eu não farei isso NUNCA! Afinal, falamos aqui sobre o meu trabalho, a minha área de especialista. Logo, não vou ficar passando “receitinhas de bolo-de-caixinha” de “como fazer” para arrumar os erros. Assim como outros profissionais me cobram ou se recusam a ajudar em consultas, por minimas que sejam, me dou o direito de fazer o mesmo.

Se quer saber como resolver, contrate a minha assessoria, consultoria ou faça uma parceria comigo. Mas não venha me pedir de graça o que levei anos estudando.

4 – “Dono da verdade”

Não me coloco como “dono da verdade ou do saber”. Porém, tenho segurança e conhecimento suficiente para indicar o que vejo de errado nos projetos. São erros básicos, crassos, que qualquer especialista da área de iluminação e lighting consegue ver ao observar fotos ou ambientes reais, que deixam claro que existe sim uma grande diferença entre um arquiteto, designer ou engenheiro sem especialização na área para os especialistas na área. E isso fica claro na observação/avaliação dos projetos. Mas, conviver com críticas – especialmente aquelas que mostram os erros – é algo impensável e insuportável para determinados egos.

5 – “Xoxando” outros profissionais?

Não mesmo. Minha intenção não é ridicularizar publicamente quem quer que seja até mesmo porque sei que esse tipo de coisa pode render processos por danos morais.

No entanto, de uma forma educativa – e sem citar nomes – exponho os problemas que encontro nos projetos como forma de alertar aos profissionais e ao mercado sobre a importância da parceria com os profissionais especialistas em iluminação e lighting design.

Engraçado que nas universidades ninguém reclama dos professores que mostram nas aulas uma carrada de fotos com erros, seja de que profissional for.

Bom, por hora é isso. Isso serve apenas para esclarecer alguns pontos sobre este blog ok? E lembrem-se:

Eu sou responsável apenas pelo que escrevo/falo.

JAMAIS pelo que você entende.

Fomos Descobertos. E agora?

Por: Suzie Ferreira do Nascimento

Distintamente do artista, o designer, caso existisse já naquele tempo, teria sido recebido de braços abertos por Platão, em parte por seu perfeito enquadramento numa lógica produtiva, em parte também por serem os objetos por ele criados necessários à manutenção dos papéis sociais, mas, sobretudo, por sua cordata submissão à racionalidade. Sim, nós os designers, sobretudo os que tivemos nossa formação sob a norma irrefutável da “forma que segue a função”, somos quase que incapazes de questionar a lógica. Somos criaturas da revolução industrial e não concebemos nossa própria utilidade em outro universo. Nada de mais, considerando que há muito tempo outros profissionais se ocupam deste tipo de questionamento, a saber, os artistas e os filósofos. O problema surge quando a técnica passa a ser assunto de relevância filosófica, trazendo a reboque o profissional do design para uma arena de discussão na qual ele não se sente muito à vontade, e na qual argumentos técnicos não são de grande valia. Como atores do mundo tecnológico, agora somos chamados a expor nossas motivações, nossa ética, nossos valores. Os pensadores da atualidade nos descobriram e querem nos conhecer. Fomos pegos de surpresa? O que sabemos nós sobre os fundamentos do nosso criar? Que responsabilidade temos sobre nossa criação? Temos verdadeira noção do impacto de nossa criação no mundo?

Mas como falar em valores neste mundo regido pelo consumo, onde tudo se torna cada vez mais descartável, e o sempre novo é exigido? Nosso cérebro máquina foi educado a criar mais e mais coisas, cada vez que assim o requisitassem, e nisso nos tornamos muito eficientes. Nunca coube a nós questionarmos o porquê de tanto consumo, a origem de tantos desejos insatisfeitos. Se o ser humano, frustrado em sua existência, buscava nos objetos uma satisfação, nossa função sempre foi fornecer novos objetos, e não nos atermos ao seu caráter frustrante.

Neste novo quadro, penso que não há como fugir. Na época da pós-metafísica(1) onde nada mais transcende, temos de nos haver entre nós mesmos, com nossos problemas e nosso mundo. Temos que, forçosamente, desenvolver uma filosofia da existência. Como design que resolveu estudar filosofia, também fui pega de surpresa ao descobrir em Heidegger a relevância do mundo da técnica na atualidade. Uma relevância de caráter ontológico, e não qualitativo ou quantitativo, como habitualmente nosso ofício é classificado. Isto porque, para Heidegger, a metafísica ocidental provocou um “esquecimento do ser” e a técnica é parte ativa deste esquecimento. Com sua filosofia, Heidegger devolve ao homem a responsabilidade pelo cuidado do homem, afirmando que “o homem é o pastor do ser”. Em suas palavras, o mundo da técnica hoje se impõe de tal maneira que parece uma extensão natural dos sentidos humanos. É nessa perspectiva que ele coloca nossos objetos. E essa fusão homem objeto, torna o viver inautêntico(2), pois nega a finitude humana, suas limitações e angústias naturais:

[…] Se pensarmos a técnica a partir da palavra grega techné e de seu contexto, técnica significa: ter conhecimento na produção, techné designa uma modalidade de saber. Produzir quer dizer: conduzir à sua manifestação, tornar acessível e disponível algo que, antes disso, ainda não estava aí como presente. Este produzir vale dizer o elemento próprio da técnica, realiza-se de maneira singular, em meio ao Ocidente europeu, através do desenvolvimento das modernas ciências matemáticas da natureza. Seu traço básico é o elemento técnico, que pela primeira vez apareceu em sua forma nova e própria, através da física. Pela técnica moderna é descerrada a energia oculta da natureza, o que se descerra é transformado, o que se transforma é reforçado, o que se reforça é armazenado, o que se armazena é destruído. As maneiras pelas quais a energia da natureza é assegurada são controladas. O controle, por sua vez, também deve se assegurado.(3)

Como eu disse, a técnica é algo de relevância filosófica na visão de Heidegger e, portanto, há muito de nós, designers, em sua argumentação. Isso porque em Heidegger, o que distingue o homem dos demais entes é o seu existir, e não sua razão: somente o homem existe. Deus é, mas não existe(4), a pedra é, mas não existe. E este existir tem íntimas relações com os objetos e seu caráter instrumental. O filósofo coloca em questão estes objetos, as coisas que o homem tem à mão e com as quais se distrai, esquecendo-se do próprio ser. Ora, como podemos nós, os que abastecemos este mundo de objetos cada vez mais interessantes, mais acessíveis, não fazermos parte desta discussão? Somos, no mais das vezes sem o saber, fornecedores do viver inautêntico a que se refere Heidegger. Antecipamos ao homem seus desejos, pretendemos dar-lhe todas as respostas colocando-lhe às mãos instrumentos diversos, e assim contribuímos para a diminuição de suas forças. Em termos filosóficos, essa antecipação da verdade, propicia, ao mesmo tempo, um aniquilamento do empenho de busca, tornando-o uma procura incessante por aquilo que não se pode apreender em sua autenticidade(5). O homem contemporâneo é dominado pelo processo técnico, no sentido de enxergar nele o único meio de sobrevivência e conseqüentemente de se adequar no mundo moderno, se diluindo em meio aos outros entes, se deixando arrastar pela vida inautêntica em meio aos objetos que manipula.

Fiz uso aqui de alguns conceitos heideggerianos, com os quais espero ter contribuído para uma aproximação entre estes dois saberes, que são o design e a filosofia. Insisto em dizer que, a despeito de nós designers não estarmos habituados a isso, o mundo de agora, sem o consolo metafísico, voltou-se para si próprio e descobriu o quanto depende da técnica. É natural que procure apreendê-la. Cabe a nós designers participarmos desta nova discussão que se apresenta e, portanto, urge aprendermos também a filosofar.

Notas e Bibliografia
1) Heidegger (1889-1976) tornou-se célebre por defender a radicalização da metafísica. A tradicional interrupção entre o ente e o ser, com o advento da técnica, perdeu o sentido. Segundo o filósofo, é isto que caracteriza o esquecimento do ser. (Váttimo, As Aventuras da Diferença. Edições 70, 1988)

2) Heidegger, M. Ser e Tempo. Parte I, 7ª Ed., Petropólis,RJ: Vozes, 1998.

3) Apud CRITELLI, Dulce. Martin Heidegger e a essência da técnica. In: Margem, São Paulo, nº16, p. 83-89, dez. 2002.

4) Heidegger, M. Que é metafísica? Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1989b. (Os Pensadores).

5) COSTA, Poliana E. Inautenticidade e finitude em heidegger, SABERES, Natal – RN, v. 3, número especial, dez. 2010

Suzie Ferreira do Nascimento
Suzie Nascimento pesquisa a questão da APARÊNCIA em seu aspecto comunicacional na moda, em seu caráter de máscara na filosofia de Nietzsche e na prática na prestação de serviços de beleza.Está em Curitiba, onde divide seu tempo entre conversas com clientes e o mestrado de filosofia…

fonte: DesignBrasil

Entrevista: Jamile Tormann – iluminadora

Bom, prometi que iria começar a sessão de entrevistas aqui no blog em alto estilo. Cumpro a promessa com esta entrevista exclusiva da lighting designer Jamile Tormann.

Uma “iluminadora de bolso” (como ela mesma se entitula) que tem um trabalho de excelência e respeitadíssimo. Pesquisadora, autora de livros, coordenadora de cursos, faz parte e ajudou a fundar as principais associações de iluminação do Brasil além de ser uma pessoa adorável.

Agradeço a ela pela presteza e simpatia de sempre no atendimento aos seus contatos e também, por aceitar compartilhar -e muito – de sua experiência profissional com todos através desta entrevista.

Para quem desejar conhecer mais de seu trabalho, visite o site dela, sempre recheado de informações e novidades.

Segue a entrevista:

Jamile, fale um pouco sobre a sua formação e início de carreira.

Trabalho há 21 anos com iluminação. Tornei-me iluminadora graças à minha fada madrinha, Marga Ferreira, que desde os meus seis anos, me levava para os teatros gaúchos todos os finais de semana. Minha escolha profissional teve influência também em minha mãe, que foi professora de artes dramáticas, em meu pai, que chegou a ser editor de revistas, meu irmão que sempre me incentivou e por muita gente que sem saber passou por mim, e me influenciou no jeito de ver “luz”, de conceber, de agir, de pensar e de ser. Como diz Kafka: “somos a quantidade de pessoas que conhecemos”. Com 14 anos me tornei assistente de iluminação de João Acir de Oliveira, então chefe do Teatro São Pedro e, entre separar um filtro e outro, meu interesse pela área cresceu. Hoje, moro em Brasília, realizo projetos de iluminação cênica e arquitetural, sempre executado por equipes das empresas atuantes no mercado, supervisionadas por minha equipe. Como pesquisadora, investigo há seis anos a educação profissional no mundo produtivo da iluminação, com o objetivo de atuar no processo de formação, bem como de encontrar subsídios para desenvolver minha proposta de regulamentação profissional no Brasil, junto à Câmara Legislativa.

Sou sócio-fundadora de duas associações: A Associação Brasileira de Iluminação (ABIL) e a Associação Brasileira de Iluminação Cênica (ABrIC). Coordeno o curso de especialização em Iluminação e o Master em Arquitetura, ambos do Instituto de Pós-Graduação (IPOG). Cursei Arquitetura e Urbanismo, no Rio de Janeiro, e Licenciatura Plena em Artes Visuais, em Brasília, tenho pós-graduação em Iluminação, mestrado em arquitetura.

Quais as principais dificuldades encontradas nesse início? Como as superou?

O problema, desde sempre, foi a ausência da regulamentação da profissão de iluminador.  O governo necessita deste olhar mais apurado e urgente sobre o assunto para colocar ordem na casa. Fala-se tanto em eficiência energética e etiquetagem de edifícios, sabe-se que a economia gerada pelo entretenimento é a quarta maior do mundo, que sem luz não vivemos, e ainda assim não sabemos qual profissional estará de fato qualificado para atender estas demandas e lidar com a tecnologia de ponta que nos invade a cada dia. Quem sabe projetar com luz ? Ser projetista de iluminação é ser responsável por direcionar o olhar do outro. É ser um alfabetizador visual. É oferecer conforto luminoso para todos que quiserem nos contratar e usufruir deste prazer necessário. No entanto, ainda não há esse reconhecimento e nossa profissão sequer consta na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO, do Ministério do Trabalho). Somos aquele item “outros” para a lei e para os formulários que preenchemos quando, por exemplo, fazemos um check in nos hotéis. Essa é uma das razões para eu realizar uma pesquisa, por meio do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, sob a coordenação da professora doutora Cláudia Naves Amorim. Esta pesquisa pretende revelar qual a importância do profissional de iluminação, sua trajetória, área de atuação, organização, atribuições, condições de trabalho e formação profissional e, ainda, se o mercado está apto a recebê-lo. A pesquisa será a base para a elaboração do projeto de lei que pretende regulamentar o setor e será apresentado à Câmara dos Deputados pelo deputado federal Luiz Paulo Velloso Lucas (PSDB/ES).

A falta de formação do profissional de iluminação e a falta de uma metodologia de projeto, com uma linguagem unificada, são duas coisas que sempre me incomodaram muito desde o inicio. Busco desafios e tento abrir o mercado de trabalho para os que estão se formando, pesquisando e estudando, pois o empirismo acabou nos anos 90 e precisamos dar um basta a ele.


Jamile, você que também trabalha diretamente com educação, sendo coordenadora e professora do curso de pós em iluminação do IPOG, como vê a formação em iluminação nos cursos de superiores (não pós) existentes no Brasil? Falta alguma coisa?

Não há exigência de diploma para que iluminadores/lighting designers, eu chamo “projetistas de iluminação”, possam exercer suas atividades. Não há cursos regulares de iluminação, mas sim cursos livres, esporádicos, inclusive oferecidos por empresas de iluminação.

Os interessados devem procurar estágios com profissionais que tenham escritórios, em teatros, TVs, produtoras, lojas de iluminação, empresas de iluminação ou a indústria, para aprender na prática. Para quem tem graduação em outra área, já podem contar com os cursos de especialização em Iluminação que algumas Universidades oferecem em cidades como: Rio de Janeiro, Florianópolis, Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Belém, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Londrina, Fortaleza, Salvador, Aracaju, João Pessoa, Natal, Vitória, São Paulo, Florianópolis e São Luiz. Tais cursos trazem em sua grade excelentes profissionais e docentes, com uma boa proposta pedagógica e de especialização para o profissional voltar ao mercado de trabalho com formação adequada.

Uma proposta de curso, em nível superior, poderia criar diferenciais para se crescer na profissão, seja pela aquisição de um conhecimento objetivamente sistematizado, isto é, para aplicação na vida prática do mundo produtivo, seja pela inserção do profissional no campo da pesquisa, que ainda é quase inexistente no Brasil. Eu apresentei um projeto de graduação em iluminação em 2006 mas ao longo de minha pesquisa descobri que falta mesmo é função técnica, de nível técnico, no mercado. Temos deficiência de profissionais qualificados em executarem nossos projetos. Profissionais que saibam ler o que está nas plantas e ser reconhecido como tal. Espero que a pesquisa e a regulamentação da profissão, possam ajudar a modificar para melhor o cenário da formação do profissional em iluminação, no Brasil, com o apoio da indústria, das empresas e dos profissionais deste segmento.

Pós -formação. Qual a importância disso na vida do profissional?

Sabe-se que o mercado de trabalho, nos dias de hoje, vem exigindo dos trabalhadores níveis de formação cada vez mais altos, para que desenvolvam competências cada vez mais refinadas, exigidas pela complexidade que caracteriza a vida em sociedade.

Segundo relatório da UNESCO para a Educação do século XXI (UNESCO, p. 1, 2002) a Educação Profissional no Brasil está mudando. O país alertou-se para o fato de que sua população economicamente ativa não pode permanecer com tão baixos níveis de escolaridade e de formação profissional.

Nesse contexto, a educação profissional precisa proporcionar às pessoas um nível mínimo de competências que lhes possibilitem:
– Capacidade de adaptação a um aprendizado ágil e contínuo;
– Flexibilidade na aprendizagem;
– Domínio das novas tecnologias, incorporadas ao mundo do trabalho e ao conhecimento humano;
– Refletir sobre o que diz Berger Filho, quando escreveu em 2002 sobre a educação profissional e o mundo produtivo, que “o princípio da educação profissional é o da empregabilidade, pois não adianta formar pessoas para um mercado que não existe.

O mercado existe e isso explica meu esforço para com a educação profissional.

Hoje existem cursos de pós-graduação em iluminação, e o acesso ao conhecimento está mais fácil do que há 10 anos. A troca de informações entre os profissionais também melhorou bastante. Existe uma demanda grande no mercado de iluminação para profissionais capacitados e, nesse sentido, se o profissional quer sobreviver ao mercado, precisa se especializar. Não tem para onde correr.

Com relação ao mercado de trabalho, percebo que fora dos grandes centros, a resistência do mercado a projetos de Lighting Design ainda é grande. O que vemos na maioria das vezes é a aplicação daqueles “splashes” de luz colorida. Qual a situação atual e as perspectivas para o Lighting Design aqui no Brasil fora dos grandes centros?

O fazer iluminação evoluiu e transformou-se no mundo produtivo, mas não tão rápido e nítido como os equipamentos de iluminação disponíveis atualmente no mercado. A razão disto está ligada ao fato de que o material humano não é tão maleável como a aparelhagem técnica. (ROUBINE, 1998, p.182).

Quando o assunto diz respeito aos profissionais de iluminação, o ato de intervir no espaço com a luz agrega um conjunto de ações que resultam no ato de iluminar, ato sujeito às especificidades de cada situação (local, prazos, objetivos, espaço, estrutura física, outros profissionais envolvidos, tipos de equipamentos, materiais disponíveis, nível de conhecimento do projetista de iluminação (lighting designer) sobre o “objeto” que vai iluminar). Ser um profissional de iluminação significa pertencer a uma categoria com funções determinadas pela natureza do trabalho e conhecimento na área, que não pode se desvincular do desenvolvimento tecnológico da área e das áreas multidisciplinares com as quais é necessário dialogar.

O cenário de iluminação no Brasil, muitas vezes, apresenta uma dicotomia: de um lado profissionais com muita prática e sem o aprendizado teórico, e outros com muita formação teórica e nenhuma prática.

Não se trata aqui de julgar ou atribuir valores aos tipos de formação existentes, mas, antes, questionar o que seria necessário ou suficiente em termos de formação profissional. O que está na pauta, atualmente, nas reflexões que busco nutrir juntos aos pares, junto aos alunos, por exemplo, é que o mercado de trabalho, de maneira geral, vem buscando cada vez mais o profissional com conhecimento específico, aprimorado e atualizado. Em suma, alguém com desenvoltura artística e técnica, prática e teórica. Principalmente em virtude dos avanços tecnológicos e dos altos custos dos equipamentos de iluminação, bem como a sua manutenção.

Como o debate gira em torno de formação profissional, ou, ainda, a educação profissional e a sua relevância para as demandas do mundo produtivo, que são grandes, seria o caso de reconhecer o valor de uma formação que compreenda, no objeto de estudo, a prática e a teoria como fatores indissociáveis e complementares. Pois a teoria precisa estar vinculada à prática e esta, muitas vezes, precisa recorrer à teoria para obter respostas e soluções.

Assim, para que isto seja viável, entretanto, o mercado de trabalho precisa se adequar e promover as adaptações que se mostrarem necessárias para responder ao conjunto de necessidades que estiverem em jogo, seja por parte do empregador, seja por parte do novo ou antigo profissional.

A demanda é grande em centros urbanos mais populosos, mas fora deles não existe ainda a cultura de se contratar um profissional de iluminação. Muitas pessoas sequer sabem da nossa existência (profissional com formação acadêmica e pós-graduado) e quando sabem, por se tratar de algo ‘novo’, muitas vezes não querem pagar o valor que cobramos.

Quais pontos falham nesse sentido e que medidas poderiam ser tomadas visando o reconhecimento da profissão fora dos grandes centros?

Neste contexto de idéias que citei anteriormente, é necessário promover ajustes no espírito de um novo paradigma: a educação profissional do projetista de iluminação (lighting designer). Valorizar-se o estudo, o aperfeiçoamento, a teoria e a prática – o conhecimento cientifico (realização de pesquisas) em diálogo com o conhecimento adquirido empiricamente, situações de ensino e aprendizagem em favor do profissional, em favor da produção artística, em favor do mercado. Penso que há muita demanda de trabalho, mas os profissionais e o mercado de trabalho estão mais preocupados em resolver o agora e não a sustentabilidade do mercado e do profissional qualificado. É difícil o reconhecimento deste profissional fora dos grandes centros, pois as grandes indústrias estão nas grandes capitais brasileiras. No entanto, creio que o reconhecimento, por meio de lei, da nossa profissão, ajudará muito. Os profissionais também precisam se reconhecerem e compreenderem que pertencem a um núcleo de profissionais ou a uma categoria profissional.

Uma mostra pública – como a Luminalle, Fête dês Lumières, etc – não tornaria mais fácil a visualização por parte do mercado da diferença entre o trabalho do Lighting Designer especializado do daqueles profissionais com apenas a carga horária acadêmica de sua formação universitária? Quais as possibilidades disso acontecer aqui no Brasil mesmo que em menor porte que estas internacionais?

No Brasil já existem alguns eventos específicos, prova de que já existe um vasto mercado nessa área e público para essas mostras. Um exemplo é a Expolux, que já está indo para a 13ª edição e a Lighting Week Brasil, que acontecerá em São Paulo, no mês de setembro de 2010. Os organizadores precisam investir no material humano e a indústria precisa investir em pesquisa. O que se tem feito é marketing cultural e não cultura de disseminação em iluminação tampouco eventos de cunho científico.

“A aplicação de elementos cênicos na iluminação arquitetural” ou “A iluminação hoje em dia tem um caráter cênico”. Frases desse tipo já caíram nos discursos de profissionais não especializados na tentativa de trazer para o seu trabalho um valor a mais. Eu particularmente não percebo o Lighting Design presente nos projetos de grandes nomes da arquitetura e Design de Interiores (nacionais e locais) e sim apenas uma iluminação melhorzinha – esteticamente falando – que a anterior. Quais os pilares que o projeto deve estar alicerçado para poder realmente ser considerado um projeto de Lighting Design?

Meu processo de desenvolvimento de projetos é sempre criar o espaço a partir da luz, encontrar a função e o significado da luz naquela obra de arte, objeto ou espaço que estou iluminando, contar uma história com ela, depois analiso os recursos que tenho disponíveis e quais podem me auxiliar a contar esta história.  Ou seja, só depois parto para as especificidades de cada situação (local, prazos, objetivos, espaço, estrutura física, outros profissionais envolvidos, tipos de equipamentos, materiais disponíveis). Neste caso, creio que os principais fatores que devem ser levados em conta são:

1º. – cuidado e atenção. Tento pensar em várias possibilidades e achar soluções eficientes para aquele projeto. Pois não existe uma solução e sim uma para cada projeto. Projetar em escala e fazer o que está ao nosso alcance, com os pés no chão. Projeto que não é executado é sonho, não é realidade. A realidade, ou seja, a implantação do projeto de luz é que nos permite fechar o círculo infinito da criação, da contemplação, da reflexão, da mudança.

2º. – observar onde o projeto estará inserido, sob que contexto, que cultura. Que tipo de espectador ou usuário estará se apropriando dele, o quanto o usuário se apropria, o quanto este compreende os seus signos e valores, o quanto aquela luz é importante no cotidiano de vida dele. Eu acredito que a luz influenciou e influencia até hoje a vida e o comportamento das pessoas. Gosto de projetar pensando nestas questões e o quanto posso intervir e interferir neste percurso.  Procuro conhecer as pessoas, tento me familiarizar com o “modus operandi” delas.  Observo muito e fico calada. Depois, troco idéias com quem me contratou para projetar e tento trabalhar dentro da realidade local, agregando valor àquela cultura, através da iluminação.

Concordo com o Lighting Designer mexicano Gustavo Avilés, quando diz que “a luz pode ser considerada um elo entre aspectos subjetivos e objetivos da humanidade, pois funciona como mensageiro visual que permite ao ser humano fazer diversas correlações, como medidas lineares, volumes, área, geometria, contagem do tempo, outros eventos”.

3º. – projeto coerente ao orçamento, para que possa ser realizado integralmente.

E por fim – a escolha dos equipamentos (abertura de facho, desenho do facho, alcance em metros da luz, potência de luz – lumens – e temperatura de cor), em virtude dos fatores supramencionados.

Finalizando, sobre a ABIL. Como e porque surgiu esta associação?

A ABIL é uma associação, cultural e social, sem fins lucrativos, que surgiu para desenvolver o conhecimento da luz no âmbito nacional, criando assim uma cultura da luz.  Nossa missão é oferecer cursos, organizar palestras, organizar simpósios e mostras, que visam à divulgação da produção mundial das técnicas e arte de iluminar. Editar ou reeditar publicações nacionais e estrangeiras. Disponibilizar informações sobre assuntos luminotécnicos e afins de maneira mais eficaz. Mas a correria do dia-a-dia tem nos impedido de sermos mais eficientes como gostaríamos. Mas isso não anula os motivos que deram origem à Associação Brasileira de Iluminação (ABIL), isto é, a paixão pela iluminação em suas diversas linguagens e inserção no ambiente onde o ser humano interage. Já arcamos do próprio bolso a vinda de profissionais da França, Estados Unidos, Argentina, Chile, Áustria, Alemanha, além dos profissionais residentes nas várias cidades brasileiras. Tudo isso para mobilizar idéias, compartilhar experiências, produzir uma cultura da iluminação e consolidar a profissão. Nesse sentido, quero lhe parabenizar, Paulo Oliveira, por sua gestão na proliferação da cultura da iluminação, quando idealiza a realização de entrevistas com profissionais, quando administra um blog chamado Design: Ações e Críticas. Precisamos de mais pessoas como você. Obrigada.

pra quem gosta de ler

Estava me preparando para ir dormir e um link no Google me chamou a atenção. Fui ver e cá estou eu, três horas depois, ainda acordado, zonzo de tanto ler, para compartilhar com vocês este achado.

Trata-se de uma página, na verdade uma biblioteca de artigos e teses específicos sobre Design dentro do site modavestuario.

Você pode ler e salvar em PDF aqueles que você quiser.

Destaco alguns interessantes que li e outros que salvei para ler depois:

– O Processo de Design de Aeronaves: um Estudo Exploratório
– Questões de Ética: Relações entre o Design e a Ecologia Profunda
– O tratamento do espaço pela cenografia nos desfiles de moda
– Percepção de conforto por meio da avaliação visual de assentos: parâmetros para o design ergonômico de mobiliário
– Design e Significação sob uma Perspectiva Mitológica
– Desenvolvimento de Alternativas Sustentáveis Para Habitação de Baixa Renda
– As transformações dos estilos de vida na modernidade e a (re)configuração dos interiores domésticos
– Reflexões sobre a caracterização da pesquisa científica e da prática profissional no design
– O resgate da ética no design: a evolução da visão sustentável
– Análise de maçanetas cilíndricas e de alavanca por usuários idosos – aspectos de uso e percepção
– Design de Interiores e Consumo Sustentável
– Aproximações entre Arte e Design: Paisagem urbana e olhar de artista
– Valorização do território através do design estratégico: um estudo dos indicadores de qualidade de vida urbana no âmbito do bairro
– Design versus Artesanato: Identidades e Contrastes.
– Cores e Iluminação Aplicadas num Projeto de Interior de Aeronaves
– Informação ou poluição: processos de descaracterização do espaço urbano
– Lighting Design e Planos Diretores de Iluminação Pública: A Requalificação da Cidade por meio da Luz Artificial.

Tem muita coisa boa ali dentro. São mais de 500 artigos sobre interiores, lighting, moda, produtos, embalagens, educação, história, têxtil, arquitetura, eco-design, design social, ética, etc.

Acesse a página e divirta-se com uma boa leitura!

de luto e de mudança: DesignBR

Bom pessoal, infelizmente tenho de informar que o nosso espaço DesignBR no Ning irá desaparecer dentro de alguns dias.

Eu e a equipe que vinha mantendo aquele espaço estamos bastante chateados pois sabemos que muito do conteúdo que ali foi depositado irá perder-se assim que a equipe do Ning apertar a tecla “delete”.

Isso se deve ao fato de que a partir de agora, a hospedagem de grupos naquela plataforma passou a ser paga – e bem paga.

Tentamos contato com diversas empresas buscando apoio, patrocínio ou ajuda para que pudéssemos levantar a quantia necessária para manter o portal online e, infelizmente, não conseguimos. Até mesmo com faculdades e universidades nós conversamos e nada.

As que sinalizavam aparentemente de forma positiva vinham tentando impor suas condições que, via de regra eram:

– exclusividade

– exigências com relação ao conteúdo querendo impor censuras absurdas

– acesso direto aos dados de membros

– entre outros absurdos.

Com isso, tivemos de engolir o amargo sabor da derrota, da perda de um trabalho desenvolvido exaustivamente pela equipe de moderadores, especialmente o Ed Ramos que é quem estava tocando firme o DesignBR nestes últimos tempos.

Um espaço voltado para designers que em menos de 4 anos conseguiu reunir num mesmo espaço uma quantidade absurda de estudantes, profissionais, professores das diversas áreas do design como nenhum outro espaço já conseguiu.

Um espaço onde o livre pensar, os debates, a troca de informações, a construção do conhecimento eram as chamas que mantinham o portal em pé.

Um espaço técnico, acadêmico e profissional que tornou-se uma grande enciclopédia do design.

Um espaço que transformou-se numa verdadeira vitrina do design brasileiro.

Triste, constatamos que se fossemos pedir apoio, patrocínio ou socorro para um timinho qualquer de futebol, de fundo de vila, para um campeonatinho de milésima categoria, não nos faltariam recursos cedidos. Absolutamente tudo nos seria cedido.

Triste constatamos que aqui neste país não se valoriza o que é daqui, a produção nacional.

Triste constatamos que tampouco valoriza-se a construção permanente do conhecimento.

Não conseguimos salvar quase nada de lá do portal. Na verdade, pouco mais que arquivos com a listagem de membros.

Os materiais das comunidades, fórum, imagens e todos os outros dados serão, fatalmente perdidos.

Até mesmo o Ning não respondeu sobre um possível apoio ao portal reduzindo o valor ou isentando-nos deste valor. Vou tentar mais um contato nesta semana tentando mostrar a eles a importância da manutenção daquele espaço.

Pensamos em fazer uma chamada de fundos junto aos membros mas desistimos ao analisar outras ações envolvendo arrecadação de fundos onde quem recebe sempre é acusado de absurdos, por melhor, pura e verdadeira que seja e sua intenção.

Assim, estamos sim de luto por causa da “morte” anunciada daquele espaço.

De luto por causa da ignorância nacional.

De luto por causa da leviandade dos empresários nacionais.

De luto por causa da falsidade das Instituições de Ensino que “dizem” promover o conhecimento.

De luto por nos ver de mãos e pés amarrados, boca, olhos e ouvidos vedados por causa da superficialidade humana.

Se você também sente-se de luto por esta perda assim como nós, divulgue este manifesto contra a ignorância e descaso cultural que varre nosso país. Seja por e-mail, em seu blog, nas redes sociais que você participa. O importante é mostrar publicamente qual é a realidade de nosso país.

Outra forma de você tentar ajudar é mandando mensagens ao Ning solicitando apoio a nossa causa, que o portal não seja eliminado, mostrando que é um espaço acadêmico, voltado á construção e disseminação do conhecimento.

Mesmo assim, estamos tentando elaborar um outro espaço com as mesmas funcionalidades mas isso demandará tempo.

O Jonas do blog espaço.com é quem está nos ajudando nisso tudo. Valeu garoto!

Portanto mesmo de luto, nos sentindo como uma ave que acaba de ter sua asa decepada, estamos tentando voar em prol do conhecimento e da cultura do Design aqui no Brasil.

Atividades complementares – formação

Dando sequência aos posts relacionados à formação, gostaria de aprofundar um pouco mais aqui sobre um elemento que não é explorado pelas universidades.

Praticamente todos os cursos de Design de Interiores/Ambientes tem em sua Matriz Curricular as atividades complementares, porém estas ficam desconhecidas e/ou escondidas dentro dos ementários não possibilitando ao pré-acadêmico analisar corretamente sobre o que são, na verdade, estas. Já coloquei em outro post sobre estas atividades que, muitas vezes, estas não passam de “embromattion” para fechar a carga horária dada a dificuldade de se conseguir informações sobre o que estas vem a ser na verdade. Geralmente só descobrimos isso durante o curso.

Também tem este post a ver com o carater social que a nossa profissão deve ter já desde a formação e, através disso, além de formar profissionais mais conscientes de seu papel no mundo real – lembrando que este também é composto por pessoas de baixo poder aquisitivo que merecem ter uma vida mais digna e que a nossa profissão não só pode como deve ser utilizada com um carater social e não somente naquilo que aparece em capas de revistas – auxiliar aqueles mais necessitados com o que a nossa profissão puder alcançar.

Pois bem, as IES que oferecem os cursos de Design de Interiores/Ambientes possuem estrutura para estender estas atividades além de seus muros. É comum vermos dentro destas as incubadoras de empresas em várias áreas, menos em Design de Interiores/Ambientes.

No entanto, percebemos que a maioria dos cursos superiores exigem dos alunos o estágio. Então porque não aproveitar  uma idéia como componente curricular que atenda a esta necessidade trabalhando de uma forma socialmente responsável?

Os investimentos para isso por parte das IEs são baixíssimos se comparados aos benefícios sociais e retornos que a mídia pode oferecer.

Basicamente teríamos dois pontos de ação:

1 – desenvolvimento, acompanhamento e execução de projetos voltados a entidades assistenciais (orfanatos, asilos, centros de recuperação, hospitais, etc). Veja bem: não me refiro às casas de repouso e outras entidades particulares e sim aquelas públicas e filantrópicas que carecem de recursos de todos os tipos.

2 – desenvolvimento, acompanhamento e execução de projetos voltados às residências e comércios de populações menos favorecidas.

No primeiro caso, temos a oportunidade de desenvolver projetos que irão atender entidades filantrópicas e assistenciais buscando soluções para seus problemas funcionais através de intervenções no layout, mobiliário, iluminação, cores e texturas, paisagismo, higiene e bem-estar, etc.

Em asilos e orfanatos, por se tratar de ambientes onde os usuários permanecem o dia todo muitos por um longo período e outros até a morte, podemos entrar com ações que visem a melhoria da qualidade de vida dentro destes espaços buscando atender as necessidades de acessibilidade, higiene, segurança, fluxo e organograma, estética, conforto (térmico, acústico, sensorial) entre outros. Estas ações são necessárias para diminuir a sensação de prisão, isolamento, afastamento e rompimento dos laços familiares (abandono), rejeição, inutilidade entre tantos outros sentimentos e sensações ruins.

Nos hospitais, centros de recuperação e creches as ações são parecidas e as finalidades as mesmas, porém aqui, temos um ponto a mais de atenção que está voltada à saúde, pressupondo, assim, projetos mais específicos.

No segundo caso, dar atendimento às pessoas oriundas de classes menos favorecidas buscando soluções para melhorar a qualidade de vida delas e o bem-estar através de projetos simples com custos adequados aos seus orçamentos.

Sempre que vemos imagens dos interiores dessas residências percebemos a falta de noção espacial e de arrumação. Também é comum percebermos um sistema elétrico sobrecarregado, ou insuficiente, ou ineficaz assim como o sistema hidráulico. Além disso é comum percebermos as coisas amontoadas, armários sobrecarregados, falta de espaço para circulação, acidentes domésticos acontecendo rotineiramente por causa destes motivos.

Tanto em um como no outro, são intrínsecas as ações de conscientização e educação ambiental, higiene e saúde coletiva, segurança entre outros tópicos importantes na construção da cidadania e do cidadão.

Uma sala para atendimento/desenvolvimento/administração, uns três computadores para desenvolvimento dos projetos, suporte de mídia e/ou divulgação e um professor orientador. Basicamente esta é a estrutura que a IES tem de oferecer. Nada perto do que isso significa socialmente.

Um ponto a se destacar aqui é que não é difícil encontrar na indústria voltada para a nossa área, parceiros e patrocinadores para uma empreitada desse porte. De tintas e revestimentos, passando por mobiliários e chegando aos acessórios finais de decoração, são produtos fáceis de se conseguir através de patrocínios e parcerias afinal, responsabilidade social e ambiental estão em alta.

Eu particularmente adoraria pegar a responsabilidade de um projeto nesta linha pois não gosto de ações que visam arrecadar fundos que eu não sei como, onde e se serão realmente e corretamente utilizados. Prefiro agir, fazer. Isso faz parte de mim. A necessidade de fazer algo pelo próximo e não simplesmente pagar para que outro o faça por mim.

Ao pessoal que está no meio acadêmico fica aqui uma dica: conversem com seus professores e coordenadores de curso para viabilizar isso na sua IES.

Todos tem a ganhar com isso seja o discente, o docente, a IES, os parceiros e, principalmente, aqueles que realmente necessitam de ajuda.

Natal, 2010…

Nossa, o ano passou que nem vi…

Passou não, voou na verdade.

Além de muitos projetos, passei num concurso para professor do Projovem Urbano. Virei no período noturno professor de Matemática (UFF!!).

Isso se deve à necessidade que eu tenho de fazer algo pelo próximo, especialmente aos mais necessitados e carentes. E posso afirmar que está sendo uma escola de vida.

Dentre os alunos tenho de todos os tipos, raças, credos e origens. Este projeto destina-se a jovens de 18 a 29 anos que não concluíram o ensino fundamental e estão correndo atrás do prejuízo, esforçando-se para mudar a sua realidade de vida, agarrando-se na possibilidade de uma vida melhor. A esperança de ser respeitado, no mínimo.

As histórias de vida que convivo ali dentro são coisas que muitas pessoas não acreditam existir infelizmente. As coisas mais absurdas que o ser humano é capaz de fazer já ouvi relatos de alunos que vivenciaram isso. De violência física, moral e sexual, humilhação por ser pobre, drogas enfim, de tudo um pouco eles já viveram e experimentaram.

Agradeço a Deus por esta oportunidade, por esta vivência e experiência que me faz constatar que a minha vida e a de minha família é boa demais, mesmo com alguns percalços e coisas que, se comparadas às deles, não passam de grãos de areia que podem ser facilmente transpostos ou eliminados.

Então, quero aqui neste post de final de ano desejar do fundo do meu coração que todos vocês possam usar este momento tão especial que é o Natal e fazer uso do verdadeiro sentido dele: Jesus!

O verdadeiro presente que Deus nos deu, em seu infinito amor. Amor este, ágape. Aquele amor que não vê diferenças raciais, sexuais, religiosas ou sociais. Aquele amor capaz de estender a mão a quem quer que seja num ato de bondade que vem do fundo do coração, do mais profundo de nossas almas.

O amor puro e cristalino que nasceu numa manjedoura e veio ao mundo para doar-se a quem quer que seja, sem excessões, sem receios. Doar-se simplesmente por amar ao próximo, sem esperar absolutamente nada em troca.

E que o novo ano que está por iniciar-se venha 10 x 1000 em tudo para cada um de vocês: paz, saúde, amor, felicidades, realizações e muita, mas muita luz de Jesus sobre as suas vidas.

Agora vocês entendem o porque de eu estar sem tempo e com muita dificuldade de manter este blog atualizado como vocês e eu desejamos. Porém é por uma excelente causa: eles precisam muito mais de mim que vocês.

Isso não quer dizer que os estou abandonando meus leitores, é apenas uma explicação que sei que devia a vocês já a algum tempo.

Abraços a todos vocês.

PS= as fotos são da Catedral de Maringá – Natal 2010.

Correria… uuuufffff….

É minha gente, tou cada dia mais sem tempo. Mas sempre que possível olhando as mensagens e postando alguma coisa nova.

Comecei semana passada a lecionar no Projovem Urbano aqui em Londrina. Estou com 5 turmas, todas à noite, de segunda a sexta feira. O que ninguém merece: lecionando matemática…. Explico:

Passei no concurso para lecionar no arco profissionalizante Construção e Reparos I. Porém, eram necessários no mínimo 6 professores de cada área e faltaram 3 de matemática. Porém, sobraram do outro arco profissionalizante, Alimentação.

Assim, nos foi solicitado que assumíssemos a disciplina de Matemática senão o projeto não poderia ser iniciado. Mas é claro que estarei trabalhando além da Matemática outros assuntos, especialmente Arte e Design. Isso é permitido uma vez que os conteúdos não são passados como na escola tradicional onde os livros vem carregados de exercícios que os alunos não sabem para que aprendem ou qual a finalidade/aplicação na vida. No Projovem, a idéia principal é trazer o conhecimento para o dia a dia dos alunos, mostrando onde ele é usado, muitas vezes sem percebermos.

É bem interessante a proposta e as turmas estão com tudo. Serão dois anos de curso, com formação profissionalizante em Alimentação, formação básica e informática. Os alunos são pessoas que tiveram de abandonar os estudos por algum motivo, e olha que motivos não faltam. São histórias, em sua maioria, tristes. Mas o que eu puder fazer para ajudá-los vou fazer.

PJU

Independente de ser  um projeto do PT (que abomino), só aceitei entrar por ver que irei trabalhar com pessoas que querem fazer algo para mudar a sua realidade, construir uma nova vida e seus sonhos, correr atrás do prejuízo e do tempo perdido para não ficar dependendo das bolsas-esmolas do governo. São pessoas que tem um sonho de uma vida melhor, que se cansaram de ficar esperando que os políticos façam alguma coisa e resolveram ir atrás. Por isso entrei.

Eu e a equipe de meu núcleo montamos um blog para apresentarmos as ações que esteremos realizando. Ainda está no começo pois só temos uma semana de vida e foi bastante corrido. Para vizualiza-lo, clique aqui.

Portanto, se eu já estava sem tempo, agora é que tou pedindo emprestado para quem tiver um pouquinho de sobra…

Mas fiquem tranquilos, não irei abandoná-los. Semprew que possível, esterei por aqui.

Abraços e paz a todos!

Eu me recuso a emburrecer!!!!

Como todos sabem, quinta feira próxima entra em vigor a “Reforma Ortográfica”. É impressionante como de uns anos pra cá no Brasil tudo vem sendo nivelado “por baixo”.

Trabalho, educação, saúde, profissões entre várias outras áreas vem sendo contantemente deturpadas, desrespeitadas, menosprezadas enfim, antes de serem exortadas e valorizadas como deveriam, vem sim, na verdade, sendo desqualificadas e como ja coloquei antes, nivelados “por baixo”.

Hoje a qualificação profissional, por mais que se diga o contrário, tem sido desprezada em nome do “apadrinhamento”. Meritocracia cada dia tem menos valor.

A saúde encontra-se em níveis alarmantes “como nunca antes na história deste país”.

As profissões que realmente contribuem para o desenvolvimento do país, como a nossa relacionada ao Design, ficam a mercê de grupelhos lobistas que emperram o andamento de qualquer ação de valorização ou regulamentação.  No entanto, astrônomos e profissionais do sexo já são devidamente respeitados e regulamentados…  Impressionante!

E a (des)educação?

Isso já vem ha muito tempo sendo tratada como uma ferramenta de alienação total. A (de)formação plena do ser (des)humano, (des)intelectual, (ir)racional, (in)capaz, (in)completo, (in)suficiente, não autônomo, não pensante. O que vemos hoje em dia é que de três geração atrás em diante, vem sendo formada uma massa de alienados e incapazes até mesmo nas coisas básicas da vida cotidiana. Isso já começa na formação básica onde temos o “empurrão” quando as Secretarias de (des)Educação distorcem a avaliação em prol de estatisticas favoráveis para encobrir a baixa qualidade da educação recorrendo ao álibi de uma falsa inclusão social. Atravessa o Ensino Básico (de)formando jovens e adolescentes que não lêem, não interpretam, não pensam, não refletem, não analisam, não vêem. Chegando ao Ensino Médio, vira o “decoreba puro”.

Todos apenas pensando em decorar fórmulas e mais fórmulas, regras e mais regras para ver se conseguem um lugar ao sol: aprovação nos vestibulares nas IES públicas.

Outros preferem o caminho mais curto: as IES particulares que na maioria das vezes tem provas dignas de sessão da tarde.

E agora, como se não bastasse isso tudo, nos enfiam “goela abaixo” essa tal de “Reforma Ortográfica”.

Eu me recuso à aderir à esta bestialidade.

É engraçado perceber que países se recusaram a ceder para a nossa língua. No entanto, nós somos obrigados a “abrir as pernas” para os outros.

Se nosso presidente tem esse costume já que comprovadamente faz isso com seus “hermanos” em diversas outras situações, que não nos force à uma idiotice e irresponsabilidade dessa.

Independente de usarmos “o padrão português” como língua, uma coisa que ninguém que inventou essa coisa tosca se tocou é de que a nossa língua não é portuguesa e sim BRASILEIRA. Os regionalismos e peculiaridades da língua falada por nós a torna uma língua única e genuinamente BRASILEIRA. Assim como a falada em Portugal, esta sim é a língua portuguesa.

Mas a coisa não para por aí. Estive analisando já ha algum tempo as modificações propostas na tal Reforma e me dei conta de uma coisa absurda: ela não trata de unificar a língua dos países que usam o português, mas sim de “fazer valer como correto” os erros crassos de escrita da população, aqueles mesmos erros não corrigidos adequadamente durante a (des)educação de base.

Isso é ridículo!

Retiram o hífem de umas palavras e colocam em outras que antes não tinham.

Acentuação pra quê? O povo não usa mais isso mesmo. Especialmente no “internetês”.

Portanto,

EU ME DOU O DIREITO DE RECUSAR A ADESÃO A MAIS ESTE IMBRÓGLIO E DESRESPEITO À NOSSA NAÇÃO E À NOSSA LÍNGUA.

Vou continuar a escrever exatamente da forma que aprendi – bem ou mal. Sei que não sou nenhuma autoridade reconhecida em língua, gramática e ortografia brasileiras, mas ao menos não fico por aí assassinando a minha língua pátria.

Creio que TODOS deveriam pensar seriamente sobre este assunto.

Fica aqui o meu recado:

Eu não vou compactuar com isso e continuarei a escrever normalmente no padrão que aprendi como língua pátria: o BRASILEIRO.

Uninada – Vergonha Nacional

Bom, não estou defendendo ou divulgando a Cantareira neste post até mesmo porque a desconheço, nao sei sobre a qualidade do ensino, metodologias, se é PPP ou PP nem nada.

Porém me mandaram este vídeo e achei muito interessante, realmente muito sacado. Ele fala sobre as promoções e condições “imperdíveis”, espetaculares, únicas e etc’s que vemos diariamente nas propagandas da maioria das IES particulares.

Serve como reflexão para quem busca um curso na hora da escolha de onde estudar. E também um puxão de orelhas nas IES que agem exatamente desta forma dinheirista e inescrupulosa.

Por falar em IES inescrupulosas, vejam a matéria que saiu dia 05/12 na Folha de Londrina:

05/12/2008 — 09h31
Faculdades pedem fim de divulgação da avaliação do ensino

Em um movimento de bastidores, usando principalmente o Congresso Nacional, grupos de instituições particulares de ensino superior estão articulando a proibição da divulgação de dados das suas avaliações feitas pelo Ministério da Educação. Depois de várias audiências nas comissões de Educação da Câmara e do Senado, um projeto de lei para mudar o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), que obriga a publicação dos dados, começou a ser preparado.

“O MEC não pode divulgar um conceito que é para consumo interno, não é para ser usado e fazer ranking. Depois da série de reuniões, pretendemos fazer uma proposta. É uma lei, as mudanças podem passar pelo Congresso”, diz Severiano Alves (PDT-BA), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Ensino Privado. O grupo, formado por mais de 170 deputados e senadores, foi criado há cerca de um ano para defender os interesses da área.

Uma proposta alternativa também pode ser preparada no Senado. Em uma das audiências públicas sobre o tema, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) chegou a pedir a um representante de universidades privadas que lhe apresentasse um projeto de lei pronto.

http://www.bonde.com.br/bonde.php?id_bonde=1-3–133-20081205

Parafraseando Casoy:

ISSO É UMA VERGONHA!

As Questões do Ensino de Design de Interiores

São Paulo, 25 de maio de 2008.

 

Durante o II Encontro Nacional de Professores e Coordenadores de cursos de Design de Interiores em Campinas, São Paulo, decidiu-se formar uma comissão de professores que representando todas as  regiões brasileiras deveria dar inicio a gestão de uma representação desta área do conhecimento humano.

Entre as questões apontadas durante a reunião destacamos as seguintes:

As comissões de Avaliação dos Cursos de Graduação designadas pelo M.E.C. que elaboram pareceres sobre a qualidade do ensino de Design de Interiores no Brasil não possuem professores de design de interiores como seus membros.

O conteúdo das provas do ENADE desconhece a especificidade desta área do conhecimento humano, as provas que os alunos dos cursos de graduação em Design de Interiores são submetidos foram elaboradas para avaliar conhecimentos das áreas mais tradicionais do Design, como Design de Produto e o Design Gráfico.

Os currículos mínimos das escolas são elaborados pelo bom senso dos coordenadores e professores, ainda não possuímos um padrão básico que tenha sido fruto de uma discussão nacional sobre os conteúdos mínimos do ensino de design de interiores no Brasil.

É necessário elaborar um currículo mínimo para os cursos de Graduação que possa atender e respeitar a diversidade cultural, social e econômica brasileira e proporcionar um tipo de formação profissional adequado ao mercado de trabalho.

As questões do Ensino de Design de Interiores que envolvem normas técnicas e especificidades da área precisam também ser discutidas para que o ensino de design de interiores tenha um padrão pelo qual possa ser avaliado.

O número de cursos em design de interiores cresce por todo o país e a área apresenta uma sólida perspectiva de desenvolvimento para os próximos anos, este cenário não permite mais a ausência de uma instância que possa discutir com propriedade os rumos da formação profissional.

É preciso também reunir a experiência e o conhecimento acumulado pelos principais cursos de Design de Interiores do Brasil, este acervo já existe e deverá servir como orientação para a elaboração de conteúdos programáticos, bibliografias e atividades complementares.

A troca de informações sobre as ações educacionais já desenvolvidas estão se perdendo por falta de um tipo de registro adequado que precisa ser elaborado como um documento histórico, como é no caso do curso de Composição de Interiores da Universidade Federal do Rio de Janeiro um dos primeiros cursos de interiores do Brasil e que neste momento passa por inúmeras dificuldades, como nos foi relatado em nosso ultimo encontro.

A ABD vem apoiando essa nossa causa promovendo e realizando os dois últimos Encontros Nacionais de Professores e Coordenadores e no próximo CONAD poderemos marcar mais uma reunião entre professores com o objetivo de formalizar uma representação oficial de professores e do ensino de design de interiores.

Desta maneira poderemos ter nosso trabalho em constante aprimoramento.

Escrito por ABEDI às 13h34

Sugado: http://abedi.zip.net/

***************************************************************************

Já estava mais que na hora de começarmos a ver alguma movimentação séria nesse sentido.

Parabenizo o Jéthero por isso e aos demais professores que estão participando da ABDI.

Creio que poderiam ampliar ainda mais esta movimentação e não ficar esperando o CONAD uma vez que temos em outubro o P&D ou então outras reuniões independentes.

Logo, não se vê necessidade de ficar atrelado à ABD um projeto desses.

Se bem que por um lado será bom isso… aguardemos rsrsrs

Quer estudar mais sobre Lighting Design?

Então aproveite a lista abaixo das enidades que oferecem cursos aqui no Brasil.

Acesse o site e entre em contato:

LAC – Lighting Application Center
São Paulo
Tel: 11 2125-0606
http://www.luz.philips.com

Curso de Luminotécnica Osram
São Paulo
Tel: 0800 55 7084
sac@osram.com.br

Ceilux
Minas Gerais
Tel: 31 3221-4818
http://www.ceilux.com.br
cursos@ceilux.com.br

AEA – Academia de Engenharia e Arquitetura
São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e outras.
Tel: 11 2626-0101 / 11 3739-0901
http:// www.aeacursos.com.br

Instituto de Iluminação GE
Rio de Janeiro
Tel: 0800 78 7843
falecom@ge.com

Cursos de Atualização Profissional da Câmara de Arquitetos e Consultores
São Paulo
Tel: 11 3868-3090
http://www.camaradearquitetos.com.br

Assoc. Bras. de Ensino de Arquitetura e Urbanismo
Brasília – DF
Tel: 61 340-0223
http://www.abea-arq.org.br
abea.arq.urb@uol.com.br

FUPAM – Fundação para a Pesquisa Ambiental / USP – Universidade de São Paulo
Cursos de Especialização em Conforto Ambiental e Conservação de Energia, Introdução à Iluminação Artificial de Edifícios, O Uso Eficiente do Vidro na Arquitetura, entre outros.
São Paulo
Coordenadora Geral dos Cursos – Cláudia Moreira
Tel: 11 3091-4566 / 3819-4999
http://www.fupam.com.br
claudia@fupam.com.br

 

Pós Graduação

:: BRASIL

ILUMINAÇÃO APLICADA – ARTE, ARQUITETURA E ENGENHARIA
Coordenação: Eng. Carlos Russo e Eng. Prof. João Gabriel Pereira de Almeida
Locais: Belo Horizonte (MG); Campinas (SP); Caxias do Sul (RS); Curitiba (PR); Fortaleza (CE); Manaus (AM); Marabá (PA); Palmas (TO); Ribeirão Preto (SP); São José dos Campos (SP); São Paulo (SP); e Vitória (ES).
Pré-requisitos: Formação superior. São admitidos 10% de alunos sem diploma superior ou com curso superior em fase final, mediante análise curricular.
Duração: 18 meses
Formato: Sextas-feiras, das 18 às 23 horas; sábados das 8 às 18 horas; e domingos das 8 às 13 horas; um final de semana por mês.
Informações: contato@ciadoscursos.com.br, (11) 3385-3015, (54) 3027-2020 ou www.ciadoscursos.com.br

DESIGN DE LUMINÁRIAS
Coordenação: Luís Emiliano Costa Avendaño (mestre em Gestão do Design, proprietário da Leca Design & Comunicação).
Local: São Paulo (SP)
Pré-requisito: formação em curso superior
Observação: Se o aluno não for graduado e tiver interesse em cursar alguns módulos, receberá certificado de extensão universitária.
Duração: 18 meses
Formato: duas vezes por semana, 8 horas semanais
Informações: (11) 3667-4000 e 3826-6734
pos@oswaldocruz.br
Faculdades Oswaldo Cruz – www.oswaldocruz.br

ENGENHARIA DE ILUMINAÇÃO
Coordenação: Públio Mello (engenheiro eletricista eletrônico, professor universitário e diretor do CEASEG – Centro de Cursos Livres).
Locais: Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Teresópolis (RJ). Demais localidades, consultem a coordenação.
Pré-requisito: formação em curso superior
Duração: 18 meses
Formato: um final de semana por mês
Informações: (21) 2482-4045
publio.mello@gmail.com
Universidade Castelo Branco – www.castelobranco.br

PROJETOS DE ILUMINAÇÃO
Coordenação: Ricardo Lopes (lighting designer – especialista em docência superior em fundamentos e práticas educativas pela Universidade Estácio de Sá).
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Pré-requisito: formação em curso superior
Duração: 14 meses (360 horas/aula)
Formato: terças e quintas-feiras, das 19 às 22 horas
Informações: (21) 3410-7400
iluminacao@estacio.br
Universidade Estácio de Sá – http://www.estacio.br/posgraduacao/cursos/arquitetura/pro_ilu.asp

APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL EM ILUMINAÇÃO ARQUITETURAL
Coordenação: Ricardo Lopes (lighting designer – especialista em docência superior em fundamentos e práticas educativas pela Universidade Estácio de Sá).
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Pré-requisito: formação em curso superior e/ou pós-graduados em Projetos de Iluminação.
Duração: 7 meses (180 horas/aula)
Formato: terças e quintas-feiras, das 19 às 22 horas
Informações: (21) 3410-7400
iluminacao@estacio.br
Universidade Estácio de Sá – www.estacio.br

ILUMINAÇÃO E DESIGN DE INTERIORES
Coordenação: Jamile Tormann (arquiteta, lighting designer, pós-graduada em Iluminação e Designer de Interiores pela UCB – RJ, com Licenciatura Plena em Artes – Habilitação em Artes Visuais pela FADM-DF, e autora do livro “Caderno de iluminação: arte e ciência”).
Locais: Porto Alegre ( RS), Florianópolis (SC), Curitiba ( PR), São Paulo ( SP), Campo Grande (MT), Cuiabá ( MS), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Goiânia ( GO), Palmas ( TO), Belém (PA), Rio Branco (AC), Natal ( RN), Manaus ( AM), Recife (PE) e Salvador (BA).
Pré-requisito: Formação em curso superior.
Duração: 1 ano e oito meses
Formato: sextas-feiras, das 18 às 23 horas; sábados das 8 às 19 horas; e domingos das 8 às 13 horas (sendo um fim de semana por mês)
Informações: (62) 3945-5050
cursos@ipoggo.com.br
Universidade São Marcos em parceria com o IPOG – Instituto de Pós-Graduação – www.ipoggo.com.br

ILUMINAÇÃO
Coordenação: José Luiz Galvão (arquiteto/ FAU-UFRJ e Master of Sciences / The Pennsylvania State University)
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Pré-requisito: formação em curso superior
Duração: 13 meses
Formato: terças e quintas, das 18h20 às 21h10
Informações: (21) 3325-2333 ramal 153
arquiteturadeiluminacao@gmail.com / luz@uva.br
Universidade Veiga de Almeida – www.uva.br

ESPECIALIZAÇÃO LATO-SENSU EM ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL NO AMBIENTE CONSTRUÍDO
Coordenação: Marcelo de Andrade Romero (professor titular, doutor e mestre em Estruturas Ambientais e Urbanas) e Márcia Peinado Alucci (professora, doutora e mestre em Arquitetura e Urbanismo)
Local: São Paulo (SP)
Duração: 476 horas
Formato: segundas, terças e quartas-feiras, das 19h às 23 horas
Informações: (11) 3819-4999, claudia@fupam.com.br ou camila@fupam.com.br
Fundação para a Pesquisa Ambiental – www.fupam.com.br

EXTERIOR

Alemanha

Universidade de Ciências Aplicadas de Hildesheim (Hildesheim)
www.fh-hildesheim.de

Universidade de Wismar (Wismar)
www.hs-wismar.de

Argentina

Universidade Nacional de Tucumán (San Miguel de Tucumán)
www.herrera.unt.edu.ar

6ª EDIÇÂO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÂO EM MEIO AMBIENTE E ILUMINAÇÂO EFICIENTE (MAVILE)
Local: Tucumán (Argentina)
Duração: 400 horas
Datas: 4 de Março – 30 de Junho de 2008
Informações: ilum@herrera.unt.edu.ar (PDF)
Universidade Nacional de Tucumán – www.herrera.unt.edu.ar

Estados Unidos

Instituto Politécnico Rensselaer (Troy, Nova York)
www.lrc.rpi.edu

Parsons Escola de Design (Nova York, NY)
www.parsons.edu/aidl

Universidade de Nebraska-Lincoln (Omaha, Nebraska)
www.ae.unomaha.edu

Inglaterra

The Barlett (Londres)
www.bartlett.ucl.ac.uk

Itália

Instituto Europeo di Design (Milão)
www.ied.it

Università Degli Studi di Roma La Sapienza (Roma)
www.uniroma1.it
www.masterlighting.it

México

Universidade Nacional Autônoma do México (Cidade do México)
www.unam.mx

Suécia

Royal Technical College Haninge (região metropolitana de Estocolmo)
www.kth.se

 

A Influência da Iluminação Cênica na Iluminação Arquitetural

Resumo de palestra no 3º. Seminaluz – 2007

Por: Valmir Perez

 

Com o avanço técnico das soluções em iluminação das últimas décadas, pudemos observar uma revolução bastante efetiva no design de iluminação de interiores, exteriores, pública, museológica, de monumentos, etc.

Essa revolução tem como uma das principais características a busca de elementos estéticos e expressivos da luz cênica. Isso não foi gratuito, pois grande parte das lâmpadas, luminárias e equipamentos hoje utilizados na iluminação arquitetural tiveram seus desenhos inspirados nos equipamentos da iluminação cênica e em suas características ópticas, de movimento, trocas de cores, etc. que sempre possibilitaram um leque bastante variado de aplicações criativas sobre os palcos.

Desde então, e é claro, podemos supor que se, a performance técnica dessas ferramentas oferece condições amplas de aplicação estética da luz sobre os ambientes, certamente os designers de iluminação, que utilizam essas ferramentas, acabam se tornando artistas e co-criadores das obras arquiteturais. Dessa forma e muito provavelmente, desde essas últimas décadas do século passado e até o presente momento, estamos assistindo ao nascimento de novas formas de expressão artística ligadas á arquitetura e à luz, o que também certamente nos trará abertura para discussões mais amplas sobre essa nova arte.

Mas por que arte? Por que devemos conceber a iluminação cênica e, consequentemente a iluminação arquitetural, como arte, e seus designers como artistas? Serão verdadeiras essas afirmações apenas porque novas tecnologias estão á disposição desses profissionais, ou outras questões entram no jogo?

Para responder a essas e outras perguntas, devemos primeiramente tentar definir, mesmo que resumidamente, do que trata a arte. Como se dá sua mecânica, entrando um pouco em sua intimidade.

Segundo alguns teóricos, a arte pode ser dividida em três aspectos: arte como pensar, arte como conhecer e arte como exprimir. Esses aspectos ou concepções, ora se contrapõe, ora se combinam e aliam-se, ora se excluem mutuamente,

Sendo assim, podemos entender que é “arte do pensar” de como a luz e suas propriedades influenciam psicologicamente as pessoas através de suas manifestações e processos que se desenvolvem sobre os ambientes e palcos.

É “arte do conhecer”, pois, desenhistas de iluminação precisam saber claramente o que eles vêem no mundo real e como e porque as luzes se comportam de determinadas formas, suas propriedades físicas, etc.

É “arte do exprimir”, ou seja, de como esses artistas utilizam as técnicas e conhecimentos, suas ferramentas, etc. para materializarem suas obras, suas idéias e ideais.

Tudo isso também nos leva a pensar que podemos verdadeiramente denominar as atividades dos designers de iluminação e iluminadores como arte, exatamente porque essas atividades contém aspectos semelhantes a outras manifestações artísticas, como, por exemplo, as da pintura, pois, tanto a arte pictórica como a iluminação necessitam de suportes para que se dêem as suas materializações; realizam-se no espaço, inclusive a iluminação também no universo temporal; solicitam de seus criadores e executores conhecimentos técnicos e estéticos; são realizadas e construídas com o apoio e utilização de ferramentas e acessórios; exigem conhecimento de linguagem expressiva e, por fim ainda, a iluminação tanto pode ser ela mesma a própria obra, como elemento de apoio, participativo e interativo á outras.

Podemos ainda intuir que os artistas da luz dividem seu espaço e sua criação com outros artistas e meios de expressão em busca de uma obra coerente, harmônica, e são aqueles cujas obras estão ligadas a conceitos criativos não-repetitivos, intencionais, cujas funções são determinadas pelos seus momentos expressivos através da luz, e o design de iluminação, como sendo “a arte ou o trabalho manual de criação visual através da luz e suas propriedades”. Entre essas propriedades, podemos citar o brilho, a intensidade, a direção, o ângulo de incidência, a velocidade, a cor a textura, a forma, o volume, o tipo movimento, a duração, etc.

Artistas se utilizam dessas propriedades da luz para determinar espaços; evidenciar e ocultar; controlar o resultado visual das formas; modular o tempo; reforçar e criar “climas” emocionais; criar sensações de frio, calor, condições climatológicas, estados mentais, etc. aproximar e distanciar seres, objetos, etc.

Se então, como afirmamos anteriormente, as ferramentas e instrumentos de iluminação cênica, que possibilitam mais facilmente essas criações, tiveram seus conceitos transferidos para a iluminação arquitetural, fica obviamente claro que as aplicações estéticas também. Essa a influência maior que pode ser observada nos novos projetos. Uma abertura e liberdade maiores de expressão pelos designers de iluminação arquitetural. O que não ficou claro ainda é como isso está funcionando ou pode funcionar, pois, se os iluminadores cênicos possuem métodos de trabalho em suas criações expressivas, provavelmente esses métodos estão começando a ser utilizados pelos designers de iluminação de espaços arquitetônicos e, devem existir então paralelos visíveis e mesmo semelhantes nessas atividades.

Para facilitar nosso resumido estudo, dividi essas atividades em algumas etapas:

•         Pesquisa – Levantamento das informações que determinarão as bases do processo criativo.

•         Criação – É o processo criativo do artista em funcionamento. O desenvolvimento imagético de suas idéias e concepções visuais.

•         Desenho – Expressão visual técnica e estética dos mecanismos de comunicação.

•         Execução – A construção material da obra sobre os suportes com a utilização dos meios ferramentais.

•         Operação – A obra quando expressa através de mecanismos de controle dessas ferramentas dentro de um determinado universo espetacular.

Na fase da pesquisa:

Essas pesquisas compreendem os levantamentos no interior do universo das técnicas, ferramentas e condições oferecidas para concretização dos trabalhos, assim como as pesquisas estéticas, visuais e do conjunto dos elementos participantes da obra.

Na fase da criação:

Que é o processo criativo em ação, onde se dá a utilização dos elementos da pesquisa na concepção estética da obra, a criação de esboços, onde entra a intuição criativa, as adaptações poéticas da obra para fins harmônicos, a utilização de ferramentas para criação de materiais de comunicação, e isso pode também se dar através softwares de simulação. É também, em muitos casos, a fase dos cálculos e adaptações e a busca pelas ferramentas e suportes ideais para materialização da obra.

Na fase da execução:

Nessa fase os designers executam os projetos, mas não as obras, que são executadas por outros profissionais. Esses projetos são mecanismos de comunicação entre as partes envolvidas na execução da obra. É também nessa fase que os designers definem os movimentos das luzes (quarta dimensão), acompanham a execução dos projetos e, em alguns casos, tais como o da iluminação cênica, podem ou não acompanhar as apresentações e suas repetições.

Para completar nossa análise, devemos compreender que, as atividades desenvolvidas pelos designers de iluminação cênica e os designers de iluminação arquitetural, embora bastante semelhantes, no que diz respeito aos processos, tornam-se muito diferentes e peculiares em aspectos mais objetivos. Para falar sobre isso, vou analisar rapidamente a luz nos espaços arquitetônicos em relação à luz sobre os palcos:

Na arquitetura: os personagens “são” o próprio público; os pontos de vista são complexos; as cenas cotidianas não seguem roteiros rígidos; os atores saem de cena apenas e quando deixam o “teatro”; a iluminação é operada pelos próprios atores (residências); os equipamentos compõem parte da “atmosfera” e da cenografia; a luz nos palcos, como na arquitetura, deve iluminar, mas ao mesmo tempo contribuir para a valorização das poéticas inseridas no todo da obra; A luz deve contribuir, na arquitetura,  para o conforto ambiental.

Podemos também concluir que a influência da iluminação cênica na arquitetura surgiu das mudanças culturais profundas as quais vimos passando. De uns tempos para cá, nos tornamos culturalmente mais livres, fomos levados a dar maior importância às imagens em nossas vidas cotidianas, dessa forma, buscamos maior sentido expressivo para nossas vidas. Somos ensinados a comprar estilos de vida e não apenas produtos e vivemos num momento de busca por mudanças de paradigmas na arte, na filosofia, na religião, na ciência, etc.

Essas coisas, ou o próprio conjunto delas, provavelmente estejam também mudando o olhar das pessoas em relação à luz. Vivemos há um tempo atrás o mundo das máquinas, hoje vivemos o mundo dos robôs, das comunicações. Nesse novo mundo, a mim me parece, as cores, sons, formas, movimentos, etc. são muito mais rápidos, alucinantes, envolventes. Esse envolvimento, que é a essência do teatro, da performance cênica, pulsa agora nas ruas de nossas cidades, em nossas vidas diárias. Talvez por isso mesmo, a luz teatral, cênica, aquela que vem carregada de sentidos, esteja tomando o espaço da luz confortável, mais preocupada com o relaxamento e saúde das pessoas. Questiono muitas vezes se estamos tomando a estrada correta ao transformarmos nossas cidades em parques de diversão. Creio que o melhor, seria o uso equilibrado dessas novas tecnologias, para que as gerações futuras possam olhar para cima e ver as estrelas do céu.

 
Valmir Perez
Lighting Designer
Laboratório de Iluminação
Unicamp
www.iar.unicamp.br/lab/luz
http://valmirperez.blogspot.com/
http://imprensanaprensa.blogspot.com/